Follow me on Twitter RSS FEED

Histórias de churrasco - Mais uma história.... que a vida escreveu

Nas categorias
Eu me lembro que na minha infância, mamãe lavava roupas alegremente (tá, nem tão alegremente assim, vai) ouvindo seu radinho de pilha. No radinho de mamãe, soavam os mil-e-não-sei-quantos kilohertz da Rádio XYZ em amplitude modulada, e quem mandava ali era um cara chamado Eli Correia. Ele mesmo, aquele que falava "ooooiiiiiiiiiiiiii geeeeente!!!!". No programa dele tinha um quadro chamado "histórias que a vida escreveu".

Funcionava assim: as pessoas mandavam suas cartas, com histórias da vida, e o Eli Correia narrava diariamente uma cartinha dessas. Mas ele narrava com um tom melodramático absolutamente desproporcional. Ele conseguia fazer um drama terrível o simples fato da velhinha atravessar a rua pra comprar brócolis na quitanda do seu jorge. Eli Correia era dramático, um cara capaz de deixar o manoel carlos no chinelo.

Lembrei-me disso esta semana, com o lance das histórias de churrasco. Raphael Oliveira tinha uma boa história pra contar. Daquelas, que reúnem família, futebol, porrada, churrasco e cerveja no mesmo balaio. Decidiu dilacerar o seu coração e digitar linhas e mais linhas com o seu caso. Assim o fez, e encaminhou a este que vos escreve.

Porém, o destino fez com que o meu Gmail mandasse, deliberadamente, o e-mail dele para a minha pasta anti-spam. O Gmail não quis saber, triturou os sentimentos do nobre leitor, mandou para o limbo o coração do Raphael.

E pois foi que, num golpe da mais pura sorte, resolvi clicar na pasta anti-spam e encontrei o e-mail dele.

E pude notar que, além de manoel carlos e eli correia, o Raphael também é um ótimo contador de histórias. E a história dele é muito boa mesmo.

Sendo assim, tirem as crianças da sala e deleitem-se com a galopante aventura churrasquística contada abaixo, sem nenhum grifo, sem nenhuma correção, na íntegra.

Com vocês... Mais uma história... que a vida escreveu:

Minha história é a seguinte. Foi no início do ano de 2008, por causa de um amigo, o Flavio, que  queria fazer um churrasco no aniversário para o filhinho dele. Ele nunca tinha sido um pai muito presente, porém de emprego novo e mais provido de papel moeda no bolso, queria correr atrás do prejuízo e resolveu fazer um churrasco. Nem tanto para agradar o garoto que faria 10 ou 11 anos . Ele queria calar os críticos e  iria convidar toda a família da mãe do moleque para mostrar seu valor, segundo as próprias palavras dele. Somos do subúrbio do Rio, mas precisamente de São Gonçalo e por aqui não temos o costume de contratar profissionais para fazer um churrasco. Isso fica por conta de um amigo que tenha um pouco de intimidade com a arte de "queimar uma carne na brasa", que é como nos referimos ao churrasco por estas bandas.

Tudo ia razoavelmente bem, descontando os comentários maldosos da mãe e outras tias da mãe do moleque acerca da procedência da carne, das bebidas e do tal novo emprego do meu parceiro. Ele por sua vez, ficou o tempo todo ajudando a preparação das carnes e se lamentava que a família da moça teria sido o motivo da separação precoce. Conforme o grau etílico aumentava a prudência diminuía. A dele e a minha também. Esse meu amigo é parceiro das antigas. Inclusive de Maracanã, onde praticávamos a mesma religião. O Flamengo.

Conforme a galera se empapuçava, nós, como bêbados típicos, íamos filosofando sobre família, religião, separação, filho de pais separados, amizade, tudo regado a bastante cerveja e batida de limão. Quanto mais bebíamos mais a qualidade da carne ia caindo. Com medo de cometer o crime de torrar a carne, o bife ia saindo quase cru. Em escala inversa as críticas iam aumentando e o clima de tensão se agravando. Pra piorar, era dia de final do campeonato carioca. Mengão e Botafogo. E o meu parceiro teve a infeliz idéia de colocar uma TV para assistirmos o jogo. O evento ocorreu na casa onde a Ex e o menino viviam atualmente, ou seja no campo do adversário .Os fariseus eram todos vascaínos e estavam obviamente secando o "Mais Querido".

Final de jogo. Flamengo campeão. Dois gols do craque Obina melhor que Eto'o e um do Diego Tardelli. A essa altura já estávamos totalmente enzinabrados e na empolgação da final do Campeonato. Gozações, cantorias e aquela discussão característica de vencedores e supostos vencidos. A discussão que era sobre futebol, inevitavelmente mudou de rumo:  Você nunca foi Pai ! vociferou um Tio. Cambada de invejosos ! respondeu o Flavio. Quem você pensa que é seu cachaceiro ?!! Debochou a ex-sogra. Sai pra lá Bruxa !!! E um esbarrão maroto derrubou a velha no chão. Bastou !!! Umas 40 pessoas contra 1!!! Contra 2 melhor dizendo, pois só senti o vento de um prato passando a dois dedos da minha cabeça !!!  Só me lembro de devolver a gentileza jogando pedaços de contra - filé, um saco de carvão pela metade, uma garrafa pet ( não o gringo Petkovic, mas essas de refrigerante dois litros ) cheia de batida de limão e sair correndo. No caminho derrubei mesa, cadeira, caixa de isopor com gelo e cerveja. O Flavio também se virava como podia. O negócio ficou russo. E tome pescoção, rasteira, soco, rabo de arraia, ponta-pé. O bicho pegou feio. A sede dos adversários no meu parceiro era insaciável. Consegui me desvencilhar, até porque não era o alvo principal, e chegar até o portão. Não sem sofrer algumas escoriações. Já na rua  e preocupado com o Flavio dei uma meia parada e olhei para trás. O parceiro passou por mim feito bala e disse: Não pára não sangue-bom !!!! Não pára não !!!! O bicho pegou !!!!!

Hoje estou rindo muito, ao lembrar desse caso, mas na hora a parada foi feia. Dias depois contando ao meu Pai o motivo de algumas manchas roxas pelo corpo, ele me perguntou onde eu estava com a cabeça em aceitar um convite como aquele pois qualquer um em sã consciência saberia que não iria dar em boa coisa. Aí eu me lembrei que não via  o Flavio há algum tempo e o convite foi feito quando nos reencontramos e bebíamos umas e outras relembrando os tempos passados. Não tive como não aceitar. Um bom amigo, um convite para um churrasco e feito na base de várias cervejas e boas lembranças. Pois deu no que deu!

Um forte abraço e espero que tenha gostado da aventura.

Saudações rubros-negras,

Raphael 

Taí a emocionante história de um pai, que ao buscar o reconforto do filho, amputou ao rebento 12 ou 15 anos de terapia. Essa história poderia gerar mil comentários de minha parte, mas prefiro deixar assim: cada um tire as suas conclusões. Só dispenso a parte das saudações, ok?

A próxima história fala dos larápios, safados e picaretas que sorrateiramente se infiltram em nossos churrascos. Aguardem!


8 comentários:

josi stanger disse...

Graças a Deus nunca acabou assim um churrasco por aqui!!!
eu não tenho muito jeito pra essas peripécias!
hehehehehe
mas tô rindo só de imaginar!
um abraço

Josi

Daniel Rodrigues disse...

Josi

Pois é... infelizmente eu já vi um churrasco acabar assim. com a diferença que ele não acabou, o pau comeu, foi todo mundo pra delega e o churrasco continuou. Mas isso é papo pra outro post :-)

Abs
Daniel

Anônimo disse...

Pô foi sinistro.Depois eu ri muito, mas foi um sufoco.
Engraçado é que fiquei refén dessa história durante um bom tempo. Depois que o caso se espalhou, todo lugar que eu chegava a galera pedia pra contar sobre o churrasco do Flavio. Quando vi a idéia no outro post, lembrei logo daquele dia.

Um abração

Raphael

Daniel Rodrigues disse...

Raphael

mas é uma história boa mesmo. aí não tem jeito, tem que ser contada e repetida, né?

Valeu pela contribuição

Abs
Daniel Rodrigues

Anônimo disse...

Boa mesmo. O porradão comeu solto!!

Agora, churrasco aonde tem ex-mulher, familiares dela, cachaça, umas breja e tal, a garantia de rolar a porrada é 100%.

CSá

Daniel Rodrigues disse...

Carlão

Pode crer, ele pode ter sido bem-intencionado, mas misturou todos os ingredientes da pancadaria no mesmo evento. Não tinha como dar certo.

Abração
Daniel Rodrigues

Felipe Maynard disse...

Grande história, Daniel.
Pelo menos ele não vai mais ter que gastar grana com esse pessoal, que com certeza não volta mais nem para comer pão com alho.
Abs

Daniel Rodrigues disse...

Pois é, Felipão.

Fora a grana da pensão, que a família dela certamente vai cobrar, ele não gasta mais grana :-P

Abs
Daniel Rodrigues

Postar um comentário

Torrou a picanha? Fez a receita e não deu certo? Dúvidas, sugestões, vai encarar? Escreve aí o que quer, mas não coloca propaganda que isso aqui não é a casa da sogra.

Blog Widget by LinkWithin