Follow me on Twitter RSS FEED

Perguntas na grelha: Tirando Abel Teixeira da masmorra

Nas categorias
Inaugurando tardiamente a série "Perguntas na Grelha", venho encarecidamente solicitar que juntemos nossas forças pra salvar do limbo o nosso colega churrasqueiro Abel Teixeira, que lá de Teresina, no Piauí, clama por socorro. Limbo esse em que se meteu, e por infortúnio, o ajudei a chafurdar, e agora preciso mover os meus pauzinhos para tirá-lo dessa encrenca.

Há mais de uma semana atrás... ... ... Volta tudo.

Há BEM MAIS de uma semana atrás, recebi o chamado do amigo Abel, e após uma rápida troca de e-mails, prometi a pronta apresentação para a solução dos problemas dele. O que, como já tradicionalmente tenho feito neste blog, faço agora, com um atraso considerável. Isso porque o final de semana chegou, Abel continuava com dúvidas, eu não o ajudei, e, mais uma vez, ele fracassou, sucumbiu ao túmulo dos perdedores e tomou vaia da família. E eu, com meu timing britânico, com precisão cirúrgica e fazendo a volta mais rápida, chego numa segunda feira pra evitar que ele se lasque no churrasco do final de semana que vem.

corre, filhinho... porque coelho bom é coelho morto.

Ciente da condição daquele que tarda, mas não falha, segue abaixo um resumo dos problemas de Abel:
Me propus a ser responsável pelo churrasquinho do final de semana, comprei uma churrasqueira elétrica, uma faca, a tábua, o amolador, o sal grosso, etc... Mas já está com dois finais de semana q fracasso. rsrsrsrs 

No primeiro realmente foi muita fumaça, foi quando resolvi recorrer à internet e encontrei teu blog. Mas acho q é por q deixei a água acabar na churrasqueira, deve ser por isso, eu acho. Tenho dúvida se coloco muita água ou pouca, mas acho q estou encontrando um ponto médio. 
Tentei um peixe - pargo - e a pele dele soltou toda, e ficou caindo pedaços, ficou gostoso, mais ficou um prato muito feio. 
No último final de semana tentei a costela de porco, como é da fazenda, não foi de supermercado cortei a carne um pouco grossa, e demorou pra caramba pra assar... O almoço saiu por volta das 14:30, gente já com cara de bicho. 
É por aí, na verdade preciso de umas dicas, umas sugestões pra limpar a minha barra...(gosto de peixe aos sábados e domingo topo o q vier, inclusive as cervas. rsrsrsrs).

Consideremos as situações. Vejo aí 3 problemas distintos.

O primeiro tá fácil de resolver. A churraca elétrica precisa ficar com água na bandeja o tempo todo. O suficiente pra cobrir o fundo dela, mas não pode deixar a água pegar na resistência. Uma dica é deixar uma caneca com água perto de você, assim pode ir completando de pouco em pouco. Honestamente, se deixou a água secar, fico feliz que você nos mandou este e-mail: é um sinal de que você não pegou fogo, pois é deveras perigoso deixar esta churraca seca assim.

Outro ponto é o da costela. A churraca elétrica demora um pouco mesmo, não tem jeito. E carne de porco mal passada, nem pensar. A solução, nesse caso, é pensar o churrasco como um todo, não apenas uma única carne. Costumo fazer assim: Uma carne é a principal, no seu caso, a costela. Tenha outras pequenas peças de carne, ou linguiça, ou queijo-coalho. Coisas que saem rápido e dão aquela forrada no estômago enquanto o principal assa. So tenha o cuidado de não empanturrar seus convidados, e na hora que a costela sair, todos os convidados estarem arrotando linguiça. Aí, compana... Segura o choro e come a costela sozinho.

O terceiro ponto é o do peixe-farofa que você usou e desmontou inteiro. Não conheço, exatamente, o pargo, o que me faz pedir novamente a ajuda dos leitores, universitários ou não. Mas a dica aqui serve pra qualquer peixe. Recomendo que você embrulhe o peixoto em papel alumínio, com os temperinhos dentro dele. Só tire dali quando estiver pronto mesmo. Então abra o papel alumínio e tire o peixe com todo o cuidado e atenção do mundo. Como se estivesse movendo a bunda da juliana paes de uma cadeira pra outra: põe a maozinha embaixo e vai com calma, muita calma nessa hora. Com a diferença que o peixe você come, e a juliana paes, não.

Ah, e não se esqueça de que a sua churrasqueira está ligada na tomada. Todo o cuidado é pouco quando se utiliza papel alumínio numa churraca eletrificada. Bote um chinelo nesse pé e evite a combustão espontânea desse seu esqueleto surrado embebido em álcool.

Um peixe bacana pra churrasqueira elétrica é um que tem um nome infame, mas funciona bem: o carapau. É um peixe relativamente pequeno e consistente, é bem gostoso e fica pronto rapidinho.

Boa sorte nos próximos churras, companheiro. Se eu passar por Teresina um dia, me convido pra um churrasco na sua casa, já sei que tem costela direto da fazenda :-)

Tá com dúvida? O bicho pegou pro seu lado? Tomou vaia, magoou, tá com medo do escuro? Manda um e-mail pra danielwalterrodrigues@gmail.com contando seus problemas. Com uma frequencia irresponsável e o timing apurado de sempre, publicaremos as dúvidas dos leitores aqui no blog.


25 comentários:

Paulo Braga disse...

Fala Daniel..

Bons conselhos esses aí hein?
Acho que o Abel não mais passar vergonha não
AHuahUAHuahU

Rapaiz, sabe que eu nao do muita sorte com essas Churracas eletricas..
Prefiro o bom e velho Carvão + Oleo usado..
Funciona sempre bem..

Abraço

Paulo Henrique Braga

Daniel Rodrigues disse...

Falae Paulo, bele?

Cara, você me levantou uma dúvida aqui. Façamos juntos um exercício de imaginação.

O Abel tá em Teresina, e disse que tem costelinha direto da fazenda. Mas onde será que ele tá, num apartamento?

Por que a churraca elétrica é perfeita pra apartamentos, mas se a tua casa tem 1m2 de espaço livre, vale a pena ter qualquer churraquinha de carvão.

Abelão, tira a dúvida pros amigos ae, brow

Abs
Daniel Rodrigues

Anônimo disse...

Pessoal, não conheço nada de churrasqueira elétrica. Pensaria mais em espetinhos, devido a distancia da grelha, não dá prá controlar altura, calor etc.
Quanto ao pargo, temperar na orelhada (=a gosto = argumento clássico de quem não quer se comprometer ..rsrs), o macete seria pincelar a grelha com manteiga, evita aderência, a pele fica agarrada e tal.
A parceria achando que era para sair ao meio-dia o churrasco não dá, a turma da pressa é f....! Dá Nescau prá esse povo Abel.
Cuidado com churrasqueira eletrica x tomada x papel alumínio!! Tu pode calcinar irmão!!!
Linguiça, queijo, coraçãozinho, asinha, saem relativamente rápido. Deixa a costela suina só prá parceria.
Vai dar certo na próxima, pode crer! Depois relata.
Abs
Carlos Sá

Daniel Rodrigues disse...

Grande Carlão

Sabia que você chegaria com alguma coisa interessante. sério, quando pedi ajuda do pargo, SABIA que você ia ter uma carta na manga. Por isso que eu falo que os leitores desse blog são caras sabidos.

Quanto à churraca elétrica... Malandro, você pode olhar uma churraca elétrica e não dar nada pra ela, mas... sabendo usar, a bichinha faz milagre! No apartamento da praia, tenho uma dessas como único instrumento churrasquístico, então acabei aprendendo a me virar com ela, Pode acreditar, dá pra fazer de tudo ali. Basta ter um pouco de jeito e paciência.

E concordo com a parte do Nescau (sensacional, aliás). Nego chega com fome no churrasco, que encha a pança de pão com vinagrete: churrasco é comelança, mas tem que saber esperar.

Grande abraço
Daniel Rodrigues

Abel Teixeira disse...

Valeu Daniel, obrigado pela resposta. Que venha o próximo final de semana...Vou até convidar um amigo. rsrsrsrs

Moro em Apartamento. Trabalho e estudo em Teresina mas sou cearense da cidade de Independência. Todo feriado(q são muitos) retorno à terrinha pra matar a saudade da família e dos amigos, claro, aproveitamos pra acender a churrasqueira e amenizar o calor tomando umas geladas...

Na volta pra Teresina aproveito para ampliar o estoque e trago algumas coisinhas bem lights; COSTELA SUINA, GALINHA CAIPIRA, OVOS, MANTEGA DA TERRA, CARNEIRO, QUEIJO COALHO, NATA, produção da Fazenda do sogro... Dura até o próximo feriado. No meu caso, q chegue logo a Semana Santa.

Um forte Abraço
Abel Teixeira
Um Genro Sortudo

Daniel Rodrigues disse...

Abel matou a charada

Mora em AP, por isso a churraca elétrica. Mas vai buscar carne na fazenda.

Tá certíssimo! hehehe

Boa sorte no próximo churrasco, compana!

Abs
Daniel Rodrgues

Personal Grill disse...

Dicas importantes Daniel!
Deixa eu tentar ajudar nosso colega também.
A costelinha se tiver com muita carne é um pouco demorado de assar até mesmo em churrasqueira à carvão. Para churrasquera elétrica corte em pedaços menores (osso por osso). Como também moro em "apertamento" e não tenho a possibilidade de usar carvão, uso uma churrasquerinha de boca de fogão, acho melhor é mais rápida e econômica que a elétrica e sempre faço costellinha rapidinho nela. Quanto ao peixe, aqui em BH o pessoal usa muito o surubim e é meio complicado mesmo pois a carne de peixe se desmancha com facilidade, o bom é optar por peixes "de couro" para ter mais firmeza na hora de assar e também com a ajuda do papel alumínio. Filé de Merluza também é uma boa (e rápida) pedida, não sei se em Terezina este peixe é fácil.

Daniel Rodrigues disse...

Taí o Raphael, nosso compana Personal Grill!!!

Pode seguir as dicas do Raphael, esse entende das coisas.

É a quarta vez que ele me fala desse peixe Surubim (pequena suruba de mineiro), o bichim deve ser bão mesmo

Valeu ae Raphael!!

Abs
Daniel Rodrigues

Personal Grill disse...

Para quem não conhece essa churasqueira de boca de fogão, dei uma googlada: http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-125798644-churrasqueira-para-fogo-_JM
O bom dela é que ela assa a carne por todos os lados, diferente da elétrica. Deve ser fácil achar em qualquer lojas de panela. Como essa churrasqueira também usa água, ela não resseca a carne.

Daniel Rodrigues disse...

Bem lembrado, Rapha.

Quando era criança, minha mãe tinha uma dessas em casa. Ela fazia uma coxa de frango nele que ficava animal.

Abs
Daniel Rodrigues

Personal Grill disse...

Com este papo de costelinha, fiquei na maior vontade de fazer e roubei sua receita de barbecue. Cara!!! Ficou bom demais! A única coisa que tive que substituir foi o tomilho, acabei optando por usar um chumichurri desidratado que costumo usar muito nos meus churrascos. E a costelinha ao invés de usar sal grosso usei o temperinho que minha patroa faz. Vou oferecer essa parada de brinde aos clientes. E fiz essa costelinha na churrasqueirinha de fogão. Parabéns!

Daniel Rodrigues disse...

Falae Rapha

Master essa receita do barbecue, né?

Olha, eu fiz umas 4 vezes na sequencia, no mesmo feriado. Mas depois acabei enjoando. O molho é muito bom, mas o sabor é forte, recomendo não fazer a cagada que eu fiz de ficar repetindo a receita :-P

Oferecer nos churrascos pode ser uma boa idéia, cara. Pra quem não sabe, o Raphael é churrasqueiro profissional em BH. Aliás, quem tá em MG e precisa de ajuda, pode contratá-lo!

Abs
Daniel Rodrigues

Felippe L.B. Katan disse...

Fala Daniel. Meus parabéns. Grande blog!

Estava eu, passeando por meu local de trabalho (leia-se "dormindo"...), ouvindo a rádio Band News FM, e acabei ouvindo uma receita do István Wessel, um húngaro, que vive no Brasil, e etc...

A receita era de um tal Hamburguer Portenho com molho Chimichurri... Me interessei, pois tinha ouvido a receita do molho no dia anterior. Isso foi... Ah sei lá... Essa semana... Enfim...

Entrei na internet e procurei mais informações sobre o tal molho. Foi aí que deu-se a aparição de minha quase nunca presente sorte: vi um link para este local que vejo na tela do pc do meu trabalho (como quase sempre...) Li o post sobre o bendito molho e ri muito.

Achei um cara que, além de aparentemente ótimo churrasqueiro, é um comediante nato. Como caio para o lado da comédia, herança da parte de meu querido pai, e estou mais preocupado com o que vou comer no dia de amanhã (mamãe nem sempre vai fazer meu almoço...) e no que vou fazer para impressionar as incautas de plantão, estou também interessado pela experiência gastronômica que terei daqui a uma semana ou mais. Ou seja, (cerveja...) sigo o blog =D

Depois gostaria de umas dicas sobre como fazer um churras para 3,5 pessoas (meu pai=1, minha mãe e minha irmã=1 e eu = 1,5 ou mais...) sem gastar muito... Que carnes usar e talz... essas coisas...

Logo estarei por aqui novamente...

Grande abraço.

Felippe Lima

(* Felippe é um blogueiro, ou não, amante de carnes, farofas e outras coisas mais... mas isso não é interessante...)

Felippe L.B. Katan disse...

oO agora que percebi o tamanho do meu comentário. Foi malz...

Daniel Rodrigues disse...

Felippe, beleza?

Nem esquenta, blogueiro é assim mesmo, não pode ver um campo de texto que já sai escrevendo hehehehehehe

Valeu pela força aí, brow. Essa força [/roberto carlos feelings] que me anima a continuar escrevendo merda nessas mal escritas linhas. hehe. Ah, e obrigado pelo link no "Eis que te falo", foi uma honra. Vou retribuir, pode ter certeza.

Quanto às dicas, tem várias coisas legais a se fazer, ainda mais num churras pra 3,5 pessoas.

Não tenho os links de pronto, mas vc acha aí na barra lateral. Minhas dicas são:

1 - espetinho de contra filé vai bem, a galera curte.
2 - alcatrinha de porco
3 - abobrinha, a mãe e a irmã vão adorar.
4 - finaliza com uma costela ponta de agulha que teu pai muda o testamento a teu favor. Vai por mim.

Abração
Daniel Rodrigues

Felippe L.B. Katan disse...

Fala mano. Tranquilo?

Então.

O link foi mais uma das minhas contribuições com a internet. Em um mundo onde existem tantas coisas inúteis como o mundo da internet, temos que levar as pessoas a uma nova visão. Temos que mostrar a saída dessa viagem chamada Colheita Feliz!

Quanto às dicas, vlw mesmo cara. Vou dar uma olhada e experimentar trabalhar um pouco. Coisa que não estou fazendo muito no meu emprego...

Ah... E se meu pai me der uma boa quantia no testamento, te chamo pra churrascada de enterro :P

kkkkkkkkkk

Vlw cara. Abraços.
Felippe Lima.

(*Felippe, além de amante de churrascos, também ama seu pai. Não o teu, o dele. Ah! Isso também não te interessa!)

Daniel Rodrigues disse...

Hahahahah

Po, enterrar pai com churrasco é mancada :-)

Faz a ponta de agulha pro pai no esquema do celofane. Embrulha a carne no celofane com um pouco de sal grosso e um gole de cerveja, amarra as duas pontas, põe na churraca de modo que o fogo não encoste, mas ainda assim seja bem quente e deixa lá por 3, 4, 5 horas. Depois abre o celofane (cara, isso faz um inferno de sujeira. A dica é tomar uma breja e deixar a latinha vazia embaixo, e faz um furinho), e deixa ela 10 minutinhos pra pegar cor. Fica foda.

Adorei a última linha. Felippe adora seu pai. Não o meu, o dele. Rachei o bico sozinho aqui

Depois me conta se deu certo o churras, cara!!

Abs
Daniel Rodrigues

Ricardo disse...

Coisa boa é churrasco e cerveja hein!!! Claro que não necessariamente nesta mesma ordem!!!

Bem, vou contribuir só um pouquinho:

Fiz uma ponta de agulha de uma forma diferente, primeiro você usa um espeto duplo pra ter mais firmeza na churrasqueira (costuma pesar no espeto!) bate sal grosso sem dó, deixa parecendo o pico do Himalaia. Coloca na churrasqueira com os ossos virados para baixo e bem perto do fogo (PERTO e não encostado hein!) vire uma ou duas vezes isso vai servir para selar a carne e deixá-la bem úmida e saborosa... ..depois de 1 hora retire da churrasqueira, dê algumas batididas suaves pra tirar o excesso de sal e enrole a carne em alumínio (umas 5 voltas completas) com espeto e tudo e com muito cuidado pois os ossos e o próprio espeto estarão pegando fogo, nas pontas feche como se fosse uma bala, enrolando as duas pontas bem firme e coloque novamente na churrasqueira por mais 2 ou 3 horas.

Resultado: a carne ficará mais saborosa, cheirosa e realmente parecendo churrasco, pois embrulhando a carne ainda crua ela acaba "cozinhando" antes de assar, e usando este método, ela ASSA antes de cozinhar.


Um abraço e um copo cheio!!!

Daniel Rodrigues disse...

Fala Ricardo, beleza?

Cara, vc tá certíssimo. De verdade, daqui pra frente, sigo essa sua dica.

Depois que a costela tá macia, eu tiro ela do celofane e deixo uns minutos na grelha justamente pra isso: pra pegar o famoso sabor "fumaça".

Mas a tua técnica é muito mais eficiente.

Obrigado pela dica!!

Abração
Daniel Rodrigues

Carlos disse...

Boa essa dica do Ricardo (ponta de agulha).
Faço in natura mesmo, só com sal grosso processado. Não sou fã de "Bafo e similares", pelo gosto de carne cozida que fica impregnado, sabor pesado.
Mas, esse esquema, achei viável:
Carne -> Alumínio -> só partir para o abraço.

Daniel Rodrigues disse...

Faaaala Carlos, beleza?

Eu não costumo fazer muito in natura, não. Por um motivo muito simples: quando eu construí a minha churraca, escolhi um local bacana no quintal, mandei o pedrasco montar ali e boa. Só que alguns meses depois, pude perceber que o vento bate exatamente de frente pra churraca. Burrada, né?

Então eu não faço sem celofane / aluminio e etc, porque a carne fica tomando calor de baixo e vento de cima e vira uma pedra.

Mas a dica é boa. A diferença é que vc precisa ter uma churraca que fica quente de verdade. por igual.

Abs
Daniel Rodrigues

Ricardo disse...

E ae turma, tudo bom???

Seguinte, aí vai mais uma dica...

Vocês sabem que papel alumínio tem lado certo de ser usado não é mesmo???

Um lado é bem brilhante e reflete o calor portanto deve ser usado de forma que fique em contato com o alimento.

O outro lado é opaco, meio acetinado e deve ficar do lado de fora pela simples razão de não refletir o calor mas sim absorvê-lo e o transferir para a parte interna do embrulho mais conhecida como "rango"...

Um abraço e um copo cheio!!!

Daniel Rodrigues disse...

Ricardo

Verdade, compana. Excelente dica, coisa simples que pouca gente sabe.

Eu, teimosão como sou, já discuti com a patroa várias vezes até entender que, caraios, o lado brilhante tem que existir por algum motivo, né? hahahah

Valeu por mais esta!

Abração
Daniel Rodrigues

Nós e a Marinete disse...

Vc poderia informar o tamanho da boca e onde comprou a sua churras ?
Obrigado,
geramvalle@gmail.com

Daniel Rodrigues disse...

Fala parceiro, tudo bem?

A churras eu comprei num walmart da vida... tem de monta desses aí.

Abs
Daniel

Postar um comentário

Torrou a picanha? Fez a receita e não deu certo? Dúvidas, sugestões, vai encarar? Escreve aí o que quer, mas não coloca propaganda que isso aqui não é a casa da sogra.

Blog Widget by LinkWithin