Follow me on Twitter RSS FEED

Peito na cerveja

Nas categorias
Putz, o nome dessa receita dá margem pra tanta piada de duplo sentido, que eu confesso que meu coraçãozinho fraqueja, a perna tremelica e o olhinho embaça, e tenho que admitir que eu não sei nem por onde começar.

Bom, dizem por aí que uma imagem vale por mil palavras, certo? Pois então, vamos começar ilustrando esse post com uma foto. Segura ae, na tela!

amamos muito tudo isso.

Por mim, eu terminava o post aqui mesmo. Peito na cerveja, olhe pra foto e fique feliz. Simples assim.

Tá, mas temos um objetivo aqui, que é falar de uma tal receita de peito na cerveja. Vamos tentar manter o foco, mesmo diante de assunto tão, digamos, sugestivo.

tem peito, tem cerveja. tou dentro.

Ainda não é disso que eu tenho que falar. Concentra, menino. É peito de vaca, aquela que faz muu, que come capim e quando peida fura a camada de ozônio. VACA, meu filho, entendeu?

peito de vaca e cerveja.

Pois é, o astuto leitor já deve ter notado que chegamos perto, mas ainda não é, exatamente assim, a nossa receita.

E é melhor parar com a brincadeira, porque isso aqui é um blog sério (ô!),  escrito por um blogueiro sério, a patroa do blogueiro lê o blog e ainda por cima é uma fera. Então, amigo, respira fundo aí e vamos tentar recobrar a concentração pra voltar ao motivo que nos trouxe aqui: a receita.
-tô de olho em você, cidadão

Bom, falando sério agora, o peito do boi é uma carne extremamente macia, ridiculamente barata, e se você tiver um pouquinho de paciência e cuidado com ela, vai conseguir mandar um churras responsa com bem pouco dinheiro. Ideal pra você que, assim como eu, não ganhou a mega-sena acumulada e anda com as contas de casa meio apertadas. Então pode ir parando de pensar nos atributos da menina da segunda foto, ou na vaca que dá cerveja e escuta as dicas de economia que o titio aqui trouxe pra você.

Dirija-se até o mercado mais próximo, e uma vez lá, encaminhe esse esqueleto surrado até o balcão das carnes. Ok, feito isso, procure pelo peito e ponha as mãos numa peça de 1kg. A carne, queridão. Esquece a loirinha do seu lado e se concentra. Não vai errar de peito e arrumar confusão dentro do supermercado.

O peito, o da vaca, se parece muito com o cupim, na sua composição. Isso porque tem uma carne muito macia, porém cheia de nervos passando pelo meio dela. E o que faz do peito uma carne ridiculamente barata é o fato da maioria das pessoas não terem paciência, ou até mesmo técnica pra detonar esses nervos e saborear uma carne maravilhosa. Aí, é lei da oferta e da demanda: ninguém quer comprar o peito, o preço cai. Todo mundo quer comprar picanha, o preço sobe. E se você quer saber como subverter a regra, compre um belo pedaço de peito, faça uma carne barata ficar mais gostosa que uma picanha e dê plantão na porta do mercado chamando de otário todo mundo que sair de lá com uma carne de $46,00/kg a tiracolo. Vem comigo!

Basicamente, as técnicas milenares usadas pra detonar os nervos que tem dentro da carne são, somente, temperatura e paciência. Pra temperatura, carvão. Pra paciência, cerveja. Partindo desse princípio, a gente sabe que isso aí foi feito pra nós, não?

O primeiro passo é embrulhar a carne no papel celofane. Antes que você comece a desencapar os cadernos das crianças, entenda que existe um celofane especial pra churrasco, que aguenta a temperatura, e serve para que você possa fazer, na churraca, carnes que precisam de temperatura e uma certa pressão.

Antes de fechar, espero que imagine que você precisa colocar sal lá dentro, ok? Senão a carne vai cozinhar (sim, com esse processo ela cozinha, e não, necessariamente, assa) sem sal e ficar sem gosto. Um pouquinho de alho picado também pode ajudar, põe sem medo.

Recapitulando: você cortou um pedaço grande de papel celofane e esticou na pia. Estou contando que você largou de ser mão de vaca e cortou um pedaço grande o suficiente pra dar umas 4 voltas na carne. Feito isso, deitou a carne em cima, jogou um pouco de sal e um pouquinho de alho picado. Aí começa a parte da enrolação, e isso eu sei que você faz bem. Vai lá, enrolão. Levanta essa bunda daí e enrola a carne no celofane.

A carne está, agora, devidamente embrulhada, mas as laterais ainda estão abertas e você me pergunta: Meldels, o que eu faço agora? E eu te respondo: se vira e fecha uma lateral. Só uma.

Pra fechar, eu costumo cortar uma tirinha de papel celofane da largura de 2 salsichas, enrolar e utilizar pra amarrar as laterais. Amarra forte, sem medo de ser feliz.

Agora você tem em mãos um embrulho de celofane, fechado de um lado e com uma carne dentro. Olha só, parece um copo! Legal, e se é copo, desce uma breja que a gente adora isso.

ABRA UMA CERVEJA. agora.

DÊ UM VIGOROSO GOLE.

ME DÁ UM MINUTO QUE A MINHA ACABOU, VOU NA COZINHA E JÁ VOLTO.

VOLTEI.

Pronto, agora que deu um gole, despeje com todo o cuidado e parcimônia que Deus lhe deu, outro gole dentro do celofane. Você vai notar que a cerveja borbulha toda com o sal e a carne. Parabéns, você já está começando o processo de detonar os nervos da carne.

Um adendo: essa receita fica especialmente gostosa se feita com cerveja preta. Tomando todo o cuidado pra não mandar lá pra dentro uma malzebier ou coisa do tipo. Essas cervejas são doces, não me vá fazer um serviço desses, hein. Quando fiz, utilizei uma caracu mesmo. Não vale comprar aquela schin ou a cerveja mais barata do mercado por um motivo muito simples: você manda só um gole pra dentro da carne, o resto você toma. E uma economia de 20 centavos na hora de comprar a cerveja pode significar uma série de caretas e trejeitos na hora de beber o resto, que podem te comprometer moralmente e te fazer motivo de chacota. E a gente não tá aqui pra ver homem chorar, então manda logo uma breja responsa aí.

Se você for rápido, vai conseguir fechar a outra lateral do celofane enquanto a cerveja ainda borbulha, o que vai fazer com que o embrulho fique cheio de gás dentro, parecendo uma bombinha. Bacana, tá pronta pra ir pro fogo.

Ah, seria legal você acender a churraca antes de preparar o embrulho. Por dois motivos:

1 - Quase sempre que se acende a churraca, ela levanta labareda por conta do combustível, que depois abaixa. Então, o celofane é especial pra churrasco, mas você não pode deixar, de jeito nenhum labareda encostar nele. É incêndio na hora, cerveja derramada e plástico derretido na carne. Perda total, papelão, vexame. Não faça isso.
2 - Você enrolou, amarrou direitinho e tal, mas o embrulho não tá vedado. O ideal é mexer nele o menos possível. Fechar a embalagem, meter na churraca e não mexer mais, pra evitar que a breja saia de lá. Então, deixe o fogo aceso, a churraca quente, esperando o embrulhinho da alegria chegar.

Bacana, deixa lá, no local mais quente possível longe das chamas. Você vai notar que a breja vai ferver, a embalagem vai inchar, vai fazer o capeta lá dentro. Esse é o objetivo.

Esqueça que a carne tá lá. Não fique mexendo, não vire, não fale com estranhos e vai buscar uma cerveja porque isso aqui vai demorar. Umas 3 horas, pra ser mais exato. Sem ansiedade, saiba esperar que vai valer a pena.

Passado esse tempo todo, pode abrir a embalagem. Recomendo que faça um furinho com uma faca, e posicione uma lata vazia logo abaixo. O caldo que cai dela é uma mistura de cerveja com gordura, uma verdadeira nojeira, e recomendo que não deixe aquilo cair na sua churraca.

Retirada a peça, basta deixá-la alguns minutos bem perto do fogo. Assim ela ganha uma corzinha, um cheirinho de fumaça e ainda dá aquela torradinha por fora que faz a alegria de qualquer um que já tenha metido os dentes num animal que já mugiu.

Basta cortar e comer, não tem segredo.

Pela proximidade com a costela, particularmente acho que o peito fica com um sabor muito parecido com da ponta de agulha. Mas isso é só uma opinião minha. Pra saber mesmo, vais ter que preparar uma, parceiro.

Rendimento: quase toda a carne que você comprou. O peito não perde muita gordura, não tem osso, nada disso. Aproveitamento máximo.
Tempo de preparo: 1 breja na cozinha, 10 na churraca. Sirva embriagado e feliz.
Custo: 13 mangos. mas estou contando que você tem o tal celofane, ok?


E essa foto aqui é só pra alegrar a sua vida.

epa, mas peraí! isso não é peito na cerveja, é cerveja no peito!


11 comentários:

Cinemusique disse...

Dani, o povo daqui adora churrasco, vi o vizinho hj na varanda preparando o dele com a camisa do Canadians, parecia vc com a camisa do coríntians! Ops, quer dizer, Palmeiras!
Vavá tá dizendo que dá vontade de transformar seu blog em um programa de TV!
Olha, tem um lugar aqui q vc vai amar, a carne mais famosa do Mundo! (segundo eles). A gente foi com o Paulo e a trupe lá!
http://www.schwartzsdeli.com/index_eng.html

Daniel Rodrigues disse...

Fala Gabi, Vardi, queridos...

Sensacional o vizinho preparando o churras com a camisa do Canadians. Só não me coloque camisa do curintia porque aí a gente briga. E eu vou até o canadá pra brigar ao vivo! hehehehe

Nossa, adorei o Schwartz!! Eu e a Dani pretendemos largar mão de planejar e não fazer, e aí vamos até montreal pra saborear essa maravilha!

Saudade de vocês, queridos

Abs
Daniel, Daniela, Júlia e Rodrigo

Cinemusique disse...

E Dani, o Schwarts além de gostoso é barato, a gente pediu dois pratos de 5 $ cada e deu pra nós 6... ainda sobrou!
Depois pede pro Paulo te mostrar as fotos, ele tirou no celular dele...
Beijos e vem brigar aqui ao vivo que eu quero ver!

Personal Grill disse...

Parece que até que você roubou uma das minhas receitas, Daniel! Adoro fazer uma bela maçã de peito na Caracu. Porém faço ela na pressão. Realmente este corte é uma das carnes mais saborosas, mas é bom que meu cardiologista não saiba disso.
Uma dica legal: Como a maçã de peito é muito gordurosa (até tento comprá-la a mais magra possível), eu tiro um pouco da gordura dela e corto em pedacinhos pequenos, frito e faço uma farofa com essas gordurinhas. Fica 10!

Este fim de semana fiz (ou pelo menos tentei) o famoso cupim de Araçatuba, ficou maravilhoso e achei muito simples, fácil e até rápido, pelo fato de ser uma carne que precisa de paciência. Só faltou o famoso molho.

Daniel Rodrigues disse...

Falae Raphael!!

Não roubei receita não hehehe. Receita não tem dono,

O peito que comprei, nas 3 vezes que fiz, nem é muito gorduroso não. Será que estamos falando da mesma peça? Vou verificar se há algum regionalismo no nome e aviso aqui

Abs
Daniel Rodrigues

Felippe L.B. Katan disse...

Uhm... interessou...

Mas, como estou meio apertado (meio?!) financeiramente, vou ter que esperar um pouco para poder saborear as façanhas que acho aqui.

Sim, é triste, mas eu chego lá!

Espero ansiosamente pelo próximo post.

Pelo jeito, quando desapertar, vou gastar uma grana bonita. Mas aí já tem 13º e otras coisinhas =P

Abraços.

*Felippe L.B. Katan é doido por carnes e fã de dinheiro. Quer ajudar? Chama pro churrasco que o dinheiro eu resolvo depois, bem depois...

Daniel Rodrigues disse...

Fala Felipe

Que dureza é éssa, menino?

Compra a carne num açougue, tu vai pagar cincão na peça. Esse preço aí é do pão de acucar, né?

Abração
Daniel Rodrigues

Anônimo disse...

Fiz ontem essa receita aí..

Carne macia.. muito macia.. não imaginava que ficaria assim..

O gosto também é bom.. Valeu a pena!

Rafael

Daniel Rodrigues disse...

Fala Rafael!!
E gostosa, né? Eu acho que ela parece uma costela, marromeno.

Que legal que a receita deu certo!

Abração
Daniel Rodrigues

Anônimo disse...

Opa.. Fiz ontem de novo.. E desbancou a alcatra.. hehe..

Minha namorada disse que todo churrasco, a partir de agora, vai ter com peito na cerveja (opaaaa).. Além de ficar muito bom, é bem barato..

Realmente, parece muito com costela...

Rafael

Daniel Rodrigues disse...

Fala Rafael, beleza?

Po, se a namorada mandou botar o peito na cerveja, como é que dá pra discoradr, né? hehehehehe

Abração
Daniel Rodrigues

Postar um comentário

Torrou a picanha? Fez a receita e não deu certo? Dúvidas, sugestões, vai encarar? Escreve aí o que quer, mas não coloca propaganda que isso aqui não é a casa da sogra.

Blog Widget by LinkWithin