Follow me on Twitter RSS FEED

Vaca atolada, uma receita ecológica

Nas categorias
Adoro essa mania de fazer as coisas "verdes". Ecologia é uma coisa bem divertida, todo mundo devia gastar um pouco de tempo refletindo um pouco mais sobre isso. Não, necessariamente, no que podemos fazer pra tornar o nosso planeta um lugar menos podraco pra viver, mas sim no rumo que as coisas tem tomado nesse sentido, e até onde vai a babaquice humana.

Antigamente, ecologia era coisa de hippie. Adoramos hippies, mas concordemos que hippie não é exatamente o melhor porta-voz pra alguma causa, não é? "Ah, adoro verde, me dá aqui esse pé de maconha". Enfim, sempre tem um LSD pra atrapalhar. Mas de uma hora pra outra, as causas verdes começaram a ganhar voz, visto a pocilga em que nosso planeta se transformou, e todo mundo ficou com os fundilhos na mão, com medo de tudo acabar e não dar tempo da gente ver o final da novela.

E foi aí que chegou o departamento de marketing fazendo tudo aquilo que a gente espera deles, e praticamente qualquer produto, serviço, ideologia, tudo virou ecológico. Tudo, até o que não faz sentido. Ser eco é ser cool!  COOL, não esqueça de falar o ele no final!

Ontem eu vi uma propaganda na TV. A empresa que faz shampoo tava mostrando arvorezinha, mico-leão dourado, ararinha da bunda rosa e toda sorte de imagens que precisam estar presentes em qualquer eco-comercial. Essa empresa dizia que plantaria uma árvore a cada vidro de shampoo que vendesse.

Aí eu te chamo pra refletir sobre o que realmente é ecológico, e o que é picaretagem só pra pegar o hype. A empresa em questão, disse que plantaria. E plantará, não tenho dúvida. Mas não estamos falando de mata atlântica. A empresa não vai lá pro mato grosso, expulsar a vaca ilegal do coronel e meter ali uma aroreira. Nada disso, eles vão encher um terreno alugado de eucalipto. O eucalipto vai crescer, eles vão derrubar tudo e vender pra fábrica de papel. Ou seja: ecologia 0 x 10 marketing.

E com esse pensamento vigente, passamos o dia acompanhados de pérolas como carro ecológico, shampoo que replanta pé-de-pau, comida de cachorro reciclável, e até genialidades como incentivar o pessoal a fazer xixi no banho. Sorry, guys, ninguém quer salvar o mundo, não. O lance aí é business, simples e claro. Acredite se quiser, já dizia o bom e velho jack palance.

- acredite... se quiser!

Bom, e como aqui no DGG a gente não consegue deixar passar uma oportunidade, bora lá pegar uma carona nessa cauda de cometa, e plunct-plact-zum que a gente vai hoje preparar uma receita reciclada.

Receita reciclada é aquela que foi feita utilizando resto da comida de outrora. Isso tem vários nomes, você já deve ter ouvido "restodontê", enfim. Minha avó é uma verdadeira autoridade no quesito reciclar comida. Você pode almoçar e jantar todo dia na casa dela, e sempre vai achar que tá comendo comida nova. Mas não, você sempre vai estar comendo alguma coisa reciclada. A vó faz isso tão bem, que uma abobrinha vira uma espiga de milho, ou uma sopa de palmito, ou um bolo floresta negra. Ou seja, minha avó compete com os mestres da camuflagem gastronômica. A gente só descobre que determinado prato é reciclado, porque ela olha pra comida e fala "já te conheço". Essa é a senha, o prato reciclado chama-se sempre Já te conheço.

Hoje vamos reciclar comida e preparar o nosso próprio Já te conheço. E não é qualquer comida, não. Estamos reciclando, aqui, uma saborosa e fabulosa costela de boi.

Pega o telefone, liga pro greenpeace e confere comigo o tamanho do estrago: a gente compra a costela de boi. Esse boi já ocupou lugar num pasto, que não deveria ser pasto, e sim mata virgem. O boi, lá no pasto, come o pasto. Come o capim embaixo da boca dele, dá um passo pro lado, e come o capim que tá do lado. Assim procede a vida inteira. Ê, vida de gado, já diria o cantor. Agora imagina o gado comendo o capim embaixo dele e dando um passinho pro lado, a vida inteira. O quanto de pasto esse boi precisa? E o pior não acaba aí, depois que come, o boi peida esse capim todo. E o peido do boi, pasme, é um verdadeiro desastre pra camada de ozônio. Sabia disso? Cada vez que aquele rabo levanta e não é pra abanar mosca, a camada de ozônio acusa o golpe. Fora o fato de que deixamos a costela na churraca durante horas e horas, queimando madeira, soltando fumaça. Uma catástrofe ecológica.

Catástrofe esta que, já que não conseguimos evitar visto que não pararemos de comer costela, então temos a obrigação de otimizar ao máximo o processo, tentando evitar o impacto na natureza, e assim evitando que algum ecochato bata à sua porta te jogando o parágrafo acima na cara.

Nossa receita começa, então, levando ao limite da gulodice um antigo dito popular. Minha mãe dizia "menino, não tenha mais olho do que barriga", sem efeito, porque eu tinha, e desta vez lhe recomendo ter mais olho do que barriga. Quando der aquela vontade de mandar uma ponta de agulha na churraca, compre o dobro do que pretende servir. Isso mesmo. Aproveita a churraca, e faz a costela de hoje que vai virar a vaca atolada de amanhã.

Pra preparar a costelona, tem várias técnicas. Vou citar, rapidamente, duas, ok?

  1. Bota a peça no alto da churraca, com fogo forte, osso pra baixo e sem deixar encostar na peça, durante horas e horas. Geralmente, 4 horas + 1 hora por Kg. Depois vira e deixa assar por meia hora. Tá pronto.
  2. Enrola no celofane pra churrasco, deixa no calor (na churraca ou no forno) sem deixar encostar na labareda durante 3 horas + 1 hora por Kg, tira, deixa uns 20 min pegar cor e gosto de fumaça, tira e serve.
Existem posts específicos sobre o preparo dos dois tipos de costela. Aqui no blog, ou internet afora. Você acha. O que importa é fazer mais costela do que pretende comer. Tem que sobrar.

No final do churrasco, você guarda na geladeira e vai dormir. Te recupera aí, que a amanhã terás uma vaca pra desatolar. A vaca foi pro brejo e isso é um problema seu.

Acordou? Tá recuperado? Tomou eparema, epocler, biotônico fontoura, centrum, viagra, aspirina, tampico de morango ou lactobacilo vivo? Então tá pronto, bora pras panelas!

Esta vaca atolada é um pouco diferente da tradicional, ok? Não me venha com puritanice, dando bronca porque não é assim que faz e bla bla bla. Quer receita certinha, vai pro site da ana maria braga. Amigão, pensa no papel reciclado. O papel reciclado é feito a partir de outro papel. Ele tem a mesma textura, o mesmo formato, serve pra mesma coisa, mas tem aquelas ranhurinhas. Ou seja: é quaaaase a mesma coisa, mas você escreve nele e é pra isso que ele serve. Nossa vaca atolada é a mesma coisa. Não é a receita tradicional, mas cumpre seu papel. Quase um papel reciclado.

O primeiro passo é botar as barbas batatas de molho, cozinhando. Descascadas, claro. A dica é descascar as batatas, encher a panela de água, e mandar lá pra dentro um tablete de caldo de costela. Ou, se você não tem cachorro em casa, coloque os ossos da costela. Aqui em casa, cachorrada fica doida quando rola costela. Na última costelada, tinha tanto osso no meu quintal que eu pensei que a elisa samudio tava escondida lá. Voltando à vaca fria, o osso cozinhando com a batata deixa um sabor fabuloso, assim como o tablete de caldo de costela.

Deixa lá cozinhando até as batatas ficarem bem moles. Vai acompanhando, espeta com o garfo, você conhece coisa mole que eu sei (heheheh). Quando a moleza se fizer presente dentro da panela, desligue o fogo e guarde com água e tudo.

Agora você tem que preparar um refogadão. Sabe o que é um refogado? É a base de quase tudo o que você come. Consiste em picotar uma cebola bem pequeninho, fritar no azeite, e quando ela estiver amarela, sapecar alho picado pra fritar junto. Uma folha de louro fritando junto ajuda, viu.

Ah, fica muito legal botar umas azeitonas verdes pra fritar junto. Sei que não faz parte da vaca atolada, até porque vaca com azeitona é boi, mas a azeitona fritando junto dá um gosto especial bem legal.

Ok, entendeu? Se entendeu, faça o refogadão, e quando estiver todo mundo amarelinho, com cara de comida de mãe, joga toda a costela lá pra dentro. Recomendo que dê uma certa desmontada na costela. Não adianta mandar pra panela aquele teco de 9kg de costela, isso é serviço de porco, não faça isso.

Mistura um pouquinho, isso vai dar uma fritada na carne da costela. Acredite, isso se transformará em benefício para você mesmo depois.

Mas não frite muito, é só pra dar uma corzinha. Agora jogue uma golada generosa da água da batata.

O lance agora é ficar mexendo até a carne amolecer por completo, aquilo vai começar a derreter, a água evaporar, fica um espetáculo. Quando achar que a textura tá boa, manda as batatas pra dentro (só as batatas, não vai esperar a textura ficar boa pra mandar mais água lá pra dentro, né espertão?), mexe até tudo virar uma gosma. Cuidado pra não deixar as batatas sumirem, presta atenção na sua comida.

olha a textura da brincadeira. antes que me perguntem, tem um pouco de salsinha aí

Tá pronto. Tem gente que troca a batata por mandioca. Particularmente, prefiro batata, mas tanto faz. A decisão é sua.

Na hora de servir, jogue um pouco de salsinha sobre o prato, fica bem gostoso.


com salsinha

sem salsinha

Bom apetite! Pensa que você tá salvando uma baleia e mete os dentes nessa iguaria sem dó!


100 comentários:

Beth Souza disse...

Daniel menino!!! to passada, tostada, queimada, sei lá, qualquer coisa...rsrsrsr
que receita maravilhosa que acabastes de me sugerir para o final de semana???estarei indo para casa de mamãe e pedirei para ela preparar essa iguaria, e vou fazer com batatas e não com mandioca (não tenho nada contra elas, que fique bem claro)...
to com vontade de comer as fotos viu?? rsrsr brigadão pela dica, valeu!!!bom fim de semana pra voce e sua familia... Um abraço! Beth Souza

Daniel Rodrigues disse...

Oi Beth

Vou te confessar uma coisa: compra muita costela. Muita. Porque costelona de boi é uma coisa dificil de sobrar em churrasco, né? hehehehe

O legal é que essa receita vale o final de semana inteiro, né? Faz a costelona no sábado e se arrebenta com o resto dela no domingo, na vaca atolada.

Essas fotos são de duas vacas diferentes. Uma eu fiz sem salsinha e com pedaços maiores de costela, outra eu fiz com uma costela que desfiou inteira, e com salsinha.

O legal é que ela fica com gostinho de churrasqueira, sabe?

Vale muito a pena!!

Uma dica: ao invés da água da batata, você pode virar nela uma lata de cerveja vagabunda. Não me vai virar uma skol aí, é kril e olhe lá hehehe

Bom final de semana!!

Abs
Daniel

Caio Racca disse...

Maluco,

Tô loco pra fazer um churras de responsa, pra colocar mais costela que o devido, a fim de sobrar pra fazer esta maravilha!!!

Mas diga aí, cê não dá uma picada na carne da costela que sobra? Arranca ela do osso e mete na panela?

Maravilha de post!!!

Abs,

Caio Racca

Daniel Rodrigues disse...

Caio

Vai depender muito de como ficou a sua costela no dia anterior.

Normalmente, a costela já fica desmanchando, e só de tirar do osso ela já meio que dá uma desfiada.

Você precisa cortar pra caber na panela sem fazer lambança, nada mais do que isso.

Veja as duas fotos que eu postei: numa delas, a costela virou trapo. Ficou mega-macia, era uma costela de ossão grande, então só de tirar da churraca ela já desmanchou.

A segunda, que tem os ossos visíveis, eu comprei uma peça daquelas pequenas de supermercado só pra fazer essa receita. Deixei um pouco menos tempo na churraca, e ela ficou mais consistente, tá vendo? No final, ficaram igualmente gostosas.

Não se preocupa com isso, quem vai determinar se a vaca vai ficar só o trapo ou firmona é o tempo de churraca. Só não pode deixar pouco tempo demais, costela dura é cruel :-)

Abs
Daniel

João disse...

Cara, rí muito com a história do peido do boi e do passinho pro lado! kkk
Nunca fiz vaca atolada com batatas mas parece ser mais fácil. Atolar a a vaca com mandioca dá mais trabalho rsrs
Forte abraço
João

Daniel Rodrigues disse...

Falae João, beleza?

cara, pode ter soado engraçado, mas é a mais pura verdade.. o gás que mais detona a camada de ozonio é o peido dos nossos queridos churrascos.

Pensando por outro lado, a gente até ajuda o meio ambiente, sabia? Porque se a gente não manda o boi pra grelha, o bonitão continua por aí peidando e derretendo o alaska mundo afora hehehehe

Atolar a vaca com mandioca dá mais trabalho, às vezes precisa de pressão hahahahahaha

Abs
Daniel

Junia disse...

Noooooossaaaa!!!!
To com agua na boca! Vaca atolada è bom demais!

Sò um comentario qto a plantaçao de arvores para cada vidro de shampoo vendido: se a embalagem do shampoo for realmente de vidro, nao seria melhor se esse vidro fosse reciclado? Essa empresa bio poderia propor aos seus clientes de devolver o vidro assim que acabar o shampoo ou entao, ter uma especie de refil pra poder utilizar o mm vidro, nao?

Abraço,
Junia

Daniel Rodrigues disse...

Junia, tudo bem?

Que nada, vidro foi só uma expressão minha. A embalagem é de plástico mesmo. Pior ainda, embora a reciclagem deste tipo de material seja uma prática muito comum aqui em sp, pelo menos.

Infelizmente, a maioria destas ações de mkt verdes são só pra inglês ver.

Abs
Daniel

Personal Grill disse...

Estava procurando uma imagem bacana de um frango para criar uma placa de um açougue cliente meu e olha só no que me deparo:
http://www.utefans.net/message.php?id=154357
Não resisti de deixar aqui registrado, conforme aquela discussão do estupra frango.

Daniel Rodrigues disse...

Fala Personall Raphael

Cara, isso aí pode ser útil, pode ajudar o frangote a ficar gostoso, mas vamos combinar... me sinto mal de ver o franguinho com uma lata de bud sapecada no fiofó hehe

Abs
Daniel

Ayrton Torres disse...

Fala Daniel.

Vaca atolada tem pelo menos 1 vez por mês na casa da vovó, a 10 passos da minha casa. Muito bom isso. Se sobrar (duvido) costela em algum próximo churrasco, vou reciclar.

Pior que flato bovino é o produzido pelas ovelhas, além do problema esofágico. É, elas arrotam também. Ovelhas são como os árabes após as refeições...KKKKK

Realmente, o estupra frango tira o pouco de dignidade que o galináceo ainda poderia ter após a morte.

Mas que o bicho no vapor de cerveja fica bom, fica.

Abração

Daniel Rodrigues disse...

Falaí, Ayrton

cara, a melhor vaca atolada que eu já comi na minha vida, foi numa situação meio bizarra. Vai vendo.

Eu trabalhava numa empresa de TI, e meu trabalho era na implantação de intranets. Aí, certa vez, me mandaram pro Rio de Janeiro, fazer uma implantação na Valesul, da Vale do Rio Doce. Passei uma semana lá. Ficava no meio de uma estrada, no bairro de Santa Cruz.

Na frente da Valesul tinha uma casinha simplória pacas, aquelas meio de pau a pique, sabe?

Certo dia, cheguei pra trabalhar e tava rolando uma puta treta de sindicato. Basicamente, um pião foi fazer o que não devia e caiu deitado sobre uma barra de alumínio incandescente e morreu. Ninguém podia entrar na fábrica. Como eu era prestador de serviço e a última coisa que eu queria era me envolver na treta, sentei na estrada e fiquei jogando papo fora.

Até que uma galera entrou nessa casa, eu fui com eles. Acertaram uma grana com a tiazinha, ela pegou uma peça monstruosa de costela e meteu numa churraca de bafo, feita com um tamborzão daqueles de petróleo.

Acabou o quebra-pau, entramos e fomos pro trabalho. Na hora do almoço, saímos da fábrica e fomos comer a tal costela. A tiazinha tinha feito aquela costela na forma de vaca atolada, com mandica...

Jisuis, isso foi em 2003 e eu lembro do sabor daquele negócio como se fosse hoje :-)

sobre a protuberância anal das ovelhas, vou averiguar. Não sabia que aqueles bichinhos felpudos eram tão perigosos assim..

Ainda sobre coisas anais, tenho dó de ver um frango digno entregue à lata de bud daquele jeito :-)

Abs
Daniel

Ayrton Torres disse...

Cara, imagina se fossemos assar um avestruz???

Colocaríamos um barril de 50l no asshole do bicho...KKKK

Abração

Daniel Rodrigues disse...

Hahahahaha

Imagina se a gente estivesse na pré-história. Íamos ter que encher um mamute de cerveja pra colocar no traseiro do pterodáctilo.

tá, viajei

Abs
Daniel

Renato Teixeira disse...

Boa Daniel, boa!

Às vezes fico com preguiça de fazer costela por causa do tempo de preparo e do tanto que sobra (sou meio exagerado pra essas coisas). Agora já sei o que fazer com o segundo problema....só falta resolver o primeiro...

Agora fica o desafio (segura essa MacGyver): Assa uma peça de carne seca na churrasqueira e manda a receita do arroz carreteiro!....kkkkkkkk

Abs

Renato Teixeira

Daniel Rodrigues disse...

Renato

Ah, demora bastante, mas não dá trabalho, né? É só deixar lá e boa, tira depois.

Ahahahaha... O arroz de carreteiro na churraca, eu aaaaaacho que vai ser mais dificil hehehehe

Abs
Daniel

jessica carbonelli disse...

Nossa, que blog legal!
eu não conhecia! adorei... parabéns aí pelos posts...
tudo deve ficar uma delícia!

vou arriscar a picanha no rechaud q vi num post antigo seu!
Vou fazer esse sabado 25!
Só tenho medo de deixar ela dura!rsrsrs mas faz parte!

Parabéns mais uma vez pelo trabalho!

Jéssica Carbonelli

Daniel Rodrigues disse...

Oi Jessica, tufo bem?

Que legal que tá gostando, fico feliz. Aqui a gente nem serve bem, nem serve sempre, mas bola pra frente hehehehe

Vai na fé, a picanha no rechaud não tem muito como errar, não. Se quiser deixá-la MASTER, tenha em mãos uma manteiga aviação e de vez em quando dá umas passadinhas nela. Certeza de show :-)

Valeu!!

Abs
Daniel

Danilo disse...

opa daniel tudo bem?
Desculpa incomodar mas irei fazer um churras hj e queria saber se vc pode passar de bate-pronto a receita do alho com cerveja, parecido com aquele q vc assou vom manteiga. vlw camarada

Daniel Rodrigues disse...

Fala Danilo, beleza?

Sem problema, receita jogo-rápido rola aqui nos comentários tb.

O alho na breja é muito simples. Vc corta uma lata de breja no meio. Aí mete o cabeção do alho inteirinho lá. Completa com cerveja e bota no cantinho da grelha.

Fica atento pra não secar, a breja evapora. Depois de uns 40 minutos, tira e tá pronto.

Vc pode tentar descascar, ou fazer do jeito mais roots: espremer tudo com a lateral da faca.

A dica é passar isso na picanha. Fica bom demais.

Depois eu dou os créditos direitinho, mas quem mandou essa dica é um leitor que assa suas carnes lá em Cingapura. Receita de longe, essa.

Boa sorte e bom churras pra você!!

Abs
Daniel

Danilo disse...

opa daniel, vlw mesmo, vo fazer uma preza com os amigos hj e essa sua receita vai me ajudar e muito. Depois posto aqui como ficou. vlw

Daniel Rodrigues disse...

E nóis, parceiro!

Depois conta ae, se possível tira umas fotos, vai virar post depois.

Ainda bem que deu tempo de ver a sua mensagem!!

Aliás, meu e-mail taí à disposição! Quem quiser dicas, tiver dúvidas ou qualquer outra coisa, pode mandar e-mail que eu respondo!

Valeu

Abs
Daniel

Ayrton Torres disse...

Daniel, pra tunar a saída do alho (depois de cozido na churrasqueira), antes de colocar o mesmo na lata de cerva, corte uma "tampa" na cabeça do alho (PARTE DE CIMA..a do cabinho, senão vai ter alho pela mesa toda), o suficiente para cortar a ponta dos dentes.

Depois do tempo regulamentar na churrasqueira (no forno é só fazer isso por uns 20 minutos a 200 graus com ele embrulhado em papel alumínio e o que quiser como tempero junto), é só apertar que só vai ficar a casca na sua mão. Parece até bisnaga de maionese.

Faz aí e veja como facilita a vida...rs

Abração

Anônimo disse...

Envolve a cabeça do alho em papel aluminio e coloca no canto da churrasqueira (...fica de olho). Depois, todo mundo sabe.
Vale para batata inglesa (papas al plomo = batata enrolada no papel alumínio), cebola idem.
*A batata pode fazer "ao murro", azeite e sal fino.

Abs

Carlos Sá

Daniel Rodrigues disse...

Ayrton

Boua, garoto!!! Faz sentido, facilita o "desmonte" do alho sim.

Valeu a dica

Abs
Daniel

Daniel Rodrigues disse...

CSá, beleza?

O alho, eu acho que fica mais legal no esquema da cerveja. Vai virar post daqui a pouco, eu conto com detalhes.

Já batata, nunca fiz, deve ficar gostoso mesmo.

E a cebola, concordo: alumínio. Com alecrim e azeite, fica sensacional!!

Abs
Daniel

Carlos disse...

Dá-lhe Daniel!!
A batata e cebola, são típicos de assados uruguaios e argentinos. Quem já teve oportunidade de comer, sabe o que estou falando.
Algumas tendencias vão sendo incorporadas, como fazer churrasco só com sal fino (inclusive no RS), assusta um pouco para que nem nunca fez, pelo fato de um errículo na dose, fica intragável. Mas, dá diferença no final das contas. Tenho só feito com sal fino. As vezes com sal grosso triturado. E, por aí, vai.

Abs

Carlos disse...

Vixê, desculpa aí Daniel.
Iniciou com a vaca atolada e acabou com outro assunto totalmente diferente.
Depois apago, ok?

Daniel Rodrigues disse...

Fala Carlão

Nem esquenta com isso, o lance nos comentários é esse mesmo, em todos os posts acontece a mesma coisa: vira bate-papo e dane-se o assunto do post hehehehe

Batata eu nunca fiz, não. Vou experimentar (se parar de chover, né?) e te conto.

Sobre o sal fino, recebi de um leitor um PPT mostrando como se fazia uma costela pta de agulha no sal fino e tal.. experimentei e não gostei não. Devo ter errado a mão no sal, porque ficou, como disse: intragável.

Mas não descarto a idéia. Só não vou tentar sozinho de novo. No primeiro chiurrasco que tiver alguém que conhece a técnica, eu vejo como é e depois repito.

Valeu!

Abs
Daniel

Carlos disse...

Realmente é complicado.

O Macete: Sempre salgar no 1/3 final do assamento. De leve. Nunca colocar sal fino antes de ir para a churrasqueira.

Daniel Rodrigues disse...

Então... acho que foi aí que eu errei. Deixei pouco tempo, tirei e salguei.

Vou tentar de novo. se errar, a culpa é sua e vc fica me devendo uma costela, fechado? hehehe

Abs
Daniel

Ayrton Torres disse...

Daniel, pura coincidência, pois não comentei essa receita com ninguém...ao "chegar" na casa da minha avó hoje para almoçar, ao abrir a panela: vaca atolada com aipim/mandioca.

Coisa boa morar a 10 passos da casa da vovó.

E com isso nem deu pra ficar na vontade de fazer a receita.

Só não foi costela "refurbished", porque apesar de termos feito churrasco ontem, não sobrou nem osso.

Abração

Ayrton Torres disse...

Carlos, churrasco com sal fino???...faz isso não...rs

Abração

Daniel Rodrigues disse...

Ayrton

casa de vó é tudo de bom, né? A minha não mora tão pertinho assim, mas não dá nem 10min de carro, ou uns 20 de bike.

vó é tudo de bom, sou apaixonado pela minha nonna :-)

Outro lance é esse que você falou: costela é dificil sobrar. Mesmo que você compre o dobro, triplo... sempre vai ter um disposto a comer hehehe.

No meu caso, sobrou por um erro meu (que depois virou acerto). Eu tive que trabalhar num sábado, e eu trabalho em casa. Então acordei cedo, coloquei 5,5kg de costela na churraca e sentei pra trabalhar. Só que o trampo foi meio tenso, e não deu pra avisar a galera. Quando eu parei de trabalhar, já tava todo mundo com compromisso marcado. Então fiz 5,5kg de costela pra umas 4 ou 5 pessoas. Mesmo que todo mundo tenha se empanturrado, sobrou, né?

Abs
Daniel

Daniel Rodrigues disse...

Ayrton

Sobre o segundo comentário, churrasco com sal fino é uma prática bastante comum, sim. Tem uma técnica pra isso e tal.

Tou mandando o PPT pro teu e-mail, beleza?

Abs
Daniel

Personal Grill disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Personal Grill disse...

Esse lance de costela está me dando a maior vontade de fazer nos meus churrascos. O grande problema é a demora e o espaço que ocupa na churrasqueira. Como normalmente trabalho para eventos de em média 50 pessoas estou ainda planejando como encaixar a costela na churrasqueira sem atrapalhar o assado dos outros cortes. Já tinha comentado com o Daniel meu medo em ralação à costela, pois apesar de ser churrasqueiro nunca tive paciência com este corte. Mas meu medo acabou há umas duas semanas atrás fazendo um churrasco para uns "bacanas" e o contratante me comprou uma linda ponta de agulha, pedindo que tomasse cuidado, pois quando ele fazia sempre ficava dura, apesar de ser uma carne que ele adora o sabor. Dexei a "bichinha" assando no alumínio por umas 4 horas e após isso tirei o alumínio e terminei com mais 15 minutos para das uma tostada na gordura. Sem experimentar e convencido de que a carne ficou boa fui oferecer o primeiro pedaço ao cliente, claro. Mas quase não deu tempo, tamanho a voracidade dos convidados, arriscando seus dedos na minha tábua enquanto cortava a ponta de agulha. Só pelo passar da faca, senti que a carne ficou maravilhosamente macia. Depois de algum tempo, consegui servir o contratante e tirar um pedaço para eu experimentar.
Falando em pessoas que mal esperam o churrasqueiro tirar a carne da tábua arriscando seus dedos, mandarei fazer uma plaquinha: "Cuidado! Churrasqueiro trabalhando". Sábado passado me convenci que tenho que fazer urgentemente esta placa, pois foi um bando de 50 convidados universitários. Que turma esfomiada, 25 quilos de carne foi embora em menos de 3 horas! Mal servia as carnes nos pratinhos, pessoa beliscando tudo na tábua mesmo. Mas mesmo assim, eu me divirto e muito. Sem contar a cervejinha escondida debaixo do balcão pois não sou de ferro. E no fim da festa que acabo virando convidado e sento à mesa com turma. O povo não deixa você ir embora! E Dona Encrenca lá em casa esperando eu voltar do meu árduo trabalho.

Daniel Rodrigues disse...

Cara, vou te falar. Tem que ser macho pra encarar esse trampo, viu.

Eu já fiz churrasco pra 30, 40 pessoas, numa boa. Dá pra levar, mas no final, a gente fica só o pó, cansa pacas.

Aí, em maio deste ano teve o aniversário de 11 anos da minha filha. Decidi fazer um churrasco pra acompanhar a festa que rolaria.

Apareceram umas 90 pessoas. Eu enlouqueci na churrasqueira. Não tinha carne que desse vazão à quantidade de gente querendo comida.

Eu até pensava que poderia ser divertido encarar um churrasco profissional algum dia, mas depois dessa, desisti da idéia.

Quanta coragem, Raphael. Ainda mais botando uma costelona no meio :-)

Sobre a ponta de agulha, tenho visto que o sucesso está bastante relacionado com a peça que vc adquire. O ideal é comprar o janelão, aquele que tem os ossos lado a lado, sem serrar, enfim.. Depois escrevo melhor sobre isso.

Abs
Daniel

Personal Grill disse...

Complicado mesmo. Acho que só irei me aventurar com a costela em churrascos de clientes que já conheço a churrasqueira. Pois às vezes certas churrasqueiras me dão medo. Tentei trabalhar em uma Apolo e não consegui de jeito nenhum colocar calor na brasa. Sorte que havia outra churrasqueira no local. Outro dia fui em uma mega mansão que a churrasqueira tinha paredes de vidro temperado, linda porém pouco funcional. Acho que costela na minha churrasqueira que disponiblizo para locação também deve ser arriscado, visto que ela é um tambor que não tem paredes ao redor para dar aquela abafada.
Realmente, churrasco para mais de 60 convidados é um trabalho que oriento aos clientes que não se deve abrir mão de um auxiliar para fazer o serviço, digamos mais chato, e que ocupa mais tempo, como espetar carnes, cuidar da limpeza dos utensílios e do local e deixando somente o assar e fatiar para mim. Assim é tranquilo.
Quando pego eventos de 30 pessoas que é jóia, não consigo ficar parado na churrasqueira, levo carnes até eles, ajudo até servir cerveja, limpo a mesa e no fim da festa, recolho tudo. Gosto de organização nos meus churrascos, pois é nesses pequenos detalhes que o cliente aprecia.

Daniel Rodrigues disse...

Raphael

Eu acho que a costela deveria ter uma churraca só pra ela, tou até pensando em fazer duas aqui em casa :-)

60 pessoas, mesmo com auxiliar é complicado.

Abs
Daniel

Carlos disse...

Raphael

Particularmente, costela é uma das melhores carnes para se comer. Em contra partida, é uma das mais difíceis de se fazer. Não se admite erro. Em churrasco para uma galera, em que vão ser assadas várias costelas, praticamente o cara tem que colocar fogo lá pela 5h00 da manhã (muita lenha e carvão para manter a caloria constante; 8 horas de fogo/costela; por ex. um janelão, sem celofane ou similares) e liberar às 13h00. O macete seria cortar a costela em tiras, como se faz no Uruguai. Fica um corte fino e assa rápido. O povo manda ver. O carrefour disponibiliza umas costelas mais finas. Já vi do Bassi também. Só compro por lá.
Várias costelas (=janela da costela) exigem uma churrasqueira a parte e uma pessoa tomando conta. E, outra churrasqueira só para o habitual. Ainda mais para umas 60 pessoas. Sem auxiliar dando uma mão, é impraticável.

Abs

Daniel Rodrigues disse...

Carlão

Assino embaixo de quase tudo o que você falou.

Só faria uma ressalva na primeira frase: "A costela é a melhor carne pra se comer".

Troco dez picanhas por uma costela. podem me apedrejar, mas é verdade.

Abs
Daniel Rodrigues

Carlos disse...

Fala meu!
Sem sombra de dúvida, independente "se demora ou não" para ser feita. Costela é imbatível. Compensa qq. transtorno. Acho que para um montão de gente (segundo intenção do Raphael), não é moleza. Talvez para menos pessoa, dá para administrar melhor.
Tu sabe bem que apressado deveria ser proibido de frequentar churrasco.
Tb. troco picanha por costela na boa.

Abs por aí.

Daniel Rodrigues disse...

Carlão

Aí é que tá. Apressado costuma comer picanha mesmo. Legal, nada contra, mas as carnes mais legais são as que demoram.

Picanha, você corta em bife, salga e deita, vira e tá pronto. Quem vai com sede ao pote nem ve a costela.

Fazer costela pra muita gente, só se você tiver várias churracas. E, como bem disse, ajudantes.

Abs
Daniel

Carlos disse...

Deem uma olhada no seguinte site:
http://www.clicrbs.com.br/anonymusgourmet
Baixem um pouca na página até "Saga do churrasco". Tem 5 vídeos, feitos em uma parrilla uruguaia. Podem baixar pelo RealPlayer ou VDownloader e ficar vendo na calma. Legal a bessa.
Tem vários cortes só com sal fino, e uma janela de costela com sal grosso evidentemente, pq. ninguém é maluco de fazer com sal fino hehe!
Mas, no geral, é bem explicativo. E, quem tiver intenção de mandar construir uma parrilla. Tá lá uma ao vivo e a cores.
Espero que gostem.

Abs aí.

Daniel Rodrigues disse...

Po, Carlos

Muito legal, valeu aí por compartilhar pra todo mundo!!!

Vou ver com calma, mas acho que vale o link no próximo drops de churrasco

Abs
Daniel

Personal Grill disse...

Bacana Carlos, estou assistindo os vídeos.

Tenho que concordar com vocês, a costela é de um sabor incomparável, não sei se é coincidência ou viagem minha, mas toda carne que fica perto do osso são as mais saborosas, tanto que adoro uma costelinha suína e até mesmo um pescoço de peru.

Vou ter que analisar cuidadosamente para quem poderei oferecer a costela, terá que ser churrasco para poucas pessoas e terei que conhecer a churrasqueira. Quanto à janela, aqui em BH vai ser um corte meio que difícil de se achar, pois todos os açougues e frigoríficos já a vendem em tiras, mas nada que uma conversa com o açougueiro resolva.

E na frase do Carlos:
"Tu sabe bem que apressado deveria ser proibido de frequentar churrasco."

Já briguei com convidados a respeito disso. Certa vez uma cliente me inventou um churrasco para 80 pessoas e não quis um auxiliar, pois ela falou que eu teria condições e além disso o churrasco seria só um complemento, pois haveria outros tipos de comida para serem servidas. Uma parte da família dela querendo uma certa exclusividade para serem servidas com carne, a todo momento solicitavam a empregada da casa que fosse buscar o churrasco para eles. A empregada no desespero comentou comigo que a carne não chegava até lá e eles já a estavam deixando doida. Simplesmente mandei o recado pela empregada falando: "Fala com eles, que eles estão em um churrasco, se querem comer do jeito que eles estão querendo, que vão a um rodízio.". Uma das pessoas da mesa ouviu e eu não tinha reparado na presença dela. Mas ela entendeu muito bem o recado, me dando prontamente a razão. Após uma semana estava assando carne para quem? Aniversário dela.

Abraços!

Daniel Rodrigues disse...

Cara, eu rachei o bico ontem assistindo ao vídeo que o Carlos passou.

Não tem receita, dica, nada. Os caras fazem o churrasco, comem e falam merda. Sensacional, ri muito.

Sobre a causa da pressa.. É complicado, não dá pra cair nessa de que "tem outras comidas". Tem gente, e muita gente, que nesses casos simplesmente ignora o resto das comidas e só quer saber de churrasco.

É aquele velho pensamento: "Não precisa comprar muita catne, a gente faz um arrozinho pra completar". Aí ninguém toca no arroz e falta carne no final.

Abs
Daniel

Carlos disse...

Esse programa é muito conhecido por quem tem parabólica e tal.
Me atentei mais no esquema de funcionamento da parrilla uruguaia, é show. Lenha e tal. Prá quem já teve oportunidade de usar, lenha dá outro sabor (tenho algumas aqui em casa). Misturo com carvão e mando ver. Mandei construir uma churrasqueira só prá usar grelha, nada de espeto. Falta só mandar fazer a grelha de ferro. É mais ou menos naquele molde do vídeo. Fixa, mais alta no fundo e com inclinação em relação a frente da churrasqueira. Algo em torno de 10°. O que me dá variações de temperatura. Ou seja, posso tanto assar linguiça quanto uma peça de fraldinha inteira (é só um exemplo..!). Não sei se me fiz entender.
* Só complementando ao Raphael e Daniel. Churrasco econômico, não dá cara! Cliente, adora dar palpite (...quase sempre furado hehe). Pouca carne e muito arroz (post acima). É brincadeira!

Abs aí galera.

Daniel Rodrigues disse...

Carlão

Essa parrilla do vídeo me deixou cheio de idéias também.

Aqui em casa, eu tenho uma churraquinha dessas pré-fabricadas, de concreto. Ela tá no finalzinho da vida, coitada. Tá suja pra caramba, trincou na base, enfim. Tenho pensado em desfazê-la e montar uma bacana, com forno de pizza, etc.. aí esse lance da parrilla aí tá querendo entrar pros meus planos.

Já fiz costelão na lenha, realmente, o sabor é ooooutro. Lenha é fogo pq enche os olhos de fumaça, mas o sabor é bem melhor mesmo

Abs
Daniel

Personal Grill disse...

Tenho certa birra com grelhas ainda mais se tratando de churrascos profissionais.
1º Se coloquei um pedaço de carne, sou obrigado a quando ficar pronta ter que cortá-la imediatamente. A não ser se a churrasqueira tiver um segundo andar.
2º Limpeza pós-churrasco. Limpar grelha, principalmente daquelas tela-moedas é um trabalhinho chato. E se bobear costuma até machucar a mão.

Mas...
Graças a internet, descobri uma maneira ótima de limpar. Cebola. Só cortá-la ao meio e esfregar com a grelha ainda quente. Fiz este teste fim-de-semana passado e fiquei encantado como a cebola arranca até as crostas de churrascos antigos, deixando ela brilhando.
Adeus bombril.

Carlos disse...

E aí galera!

Daniel, aí em SP, tem gente que faz parrilla, no modelo argentino. A contruflama tem uns modelos bacana. Aí é só adaptar conforme a necessidade.
Na real, lenha é choradeira garantida. Principalmente se estiver "verde".

Raphael, esse esquema é mais caseiro mesmo. Grelha, profissionalmente, é roubada. Gostei do macete da cebola. Gordura da carne funciona blz, lubrifica e tira a sujeira (ví na tv). Grelha moeda, fora de questão. Terrível! O melhor é mandar fazer no serralheiro mesmo.

Flw galera!

Daniel Rodrigues disse...

Carlos

Legal a dica da construflama! Eles tem cada churraca maravilhosa..

Mas eu ando meio com um bichinho carpinteiro aqui, acho que eu mesmo vou construir a minha churraca. Imagina o tamanho da merda, mas.... hehehehe

Abs
Daniel

Daniel Rodrigues disse...

Raphael

Aqui em casa, só tenho grelha, quase não uso espeto.

mas gostei muito dessa dica da cebola, vou experimentar, viu!!

Abs
Daniel

Personal Grill disse...

Essa ideia da cebola, pode ser usada ao avesso também.
Besunta ela de óleo vegetal e esfregue na grelha e isso dará um gostinho na carne. Além de deixar a grelha limpa sem aquela crosta que é prejudicial à saúde.

Daniel Rodrigues disse...

Putz, pirei nisso aí, Raphael

Tenho um baita problema com as grelhas aqui em casa. Elas sujam, eu faço churrasco com uma frequencia incrivel e não tenho paciência pra limpar toda vez. A empregada não quer limpar (coitada, nem é trabalho dela)..

No próximo churras, cebola nela! heheheheh

Abs
Daniel

Danilo disse...

opa daniel beleza? preciso tirar uma duvida, to montando um bar numa facul e gostaria de colocar espetinho pra vender, aquele espetinho com mostarda, vc já fez com algo fora o contra? ou só ele eh bom? pq eu quero servir pros clientes o melhor custo benefício. Algo muito bom com um preço bem em conta.

Vlw

Daniel Rodrigues disse...

Fala Danilão, beleza?

Po, que maneira que você tá abrindo um bar. Fala com o Renato da LaBragantina, vende a linguiça do homem lá, camarada!!!

O espetinho funciona bem com alcatra (que é bem mais barata que o contra, e rende mais). O lance complexo do espetinho é a montagem. Isso vai te tomar um tempão, e esse tempo precisa ser revertido em dinheiro, não é?

Pra baratear, você pode fazer um lance que eu não escrevi aqui no blog, mas que faz esse espetinho virar um espetáculo (piada infame). Troca o tomate-cereja por pimentão vermelho. Fica muito, muito bom.

Sabe um lance que eu acho matador pra boteco? A alheira. Barata de fazer, rapidinho pra preparar, e todo mundo gosta. Já comeu? Experimenta! Tem a receita aqui no blog.

Seu bar vai ser em SP? Quero ir lá tomar uma breja com você!!

Abs
Daniel

Danilo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Danilo disse...

opa daniel demorou, vou ficar esperando sua visita pq eh em sampa sim.
Só q eh em santo andré, em frente uma facul, assim q eu inaugurar te passo o end certinho pra vc vir tomar umas aqui. To bolando um cardápio bem diferenciado. Bolinho de bacalhau, de costela, carne seca, croquete de mortadela entre outros. Lembra da receita de maionese? Poie eh, vou servir somente caseira. rsrs
Até hamburguer de fraldinha ou picanha será caseiro feito na churrasqueira. Ainda nao sei se vai dar pra fazer na churrasqueira mas eh provável q sim. rsrs
cara vi a receita, parece fácil, mas qual o formato dela? tipo linguiça? ou hamburguer? essa parte nao entendi
Agora sobre o espetinho, o tomate cereja eh o charme, penso em deixa-lo. rsrssr
Sobre a carne, meu medo eh a alcatra ficar com gosto diferente. Vc já fez com ela?

Daniel Rodrigues disse...

Danilo

Putz, eu vou sim!! Quando inaugurar, me passa o endereço que eu vou sim, claro! Sou fã de boteco de faculdade hehehehe

Muito legal o seu cardápio, Danilo. Tem tudo pra se dar bem, cara, vai fundo!!!

Cuidado com a maionese caseira, estabelecimentos não podem servir nada que venha ovo cru!! Use ovo desidratado, cuidado que isso dá multa

Bichão, fiz uma kafta aqui essa semana, que enlouqueceu geral. Pode ser uma boa, vc faz o espetinho! é baratíssimo de fazer, e na boa... fica uma delícia. Só pra te inspirar, vai ser o próximo post (xi, dessa vez não tem charada)

Sobre o hamburger: faça de fralda. Na boa, moer picanha é bobagem, e a fraldinha moída fica boa demais!!

A alheira vira uma pasta. Aí vc dá uma colherada nela e taca na frigideira com um pouco de azeite. Abre o bar que eu levo aí, fazemos juntos.

O tomate cereja é charme, mas o pimentão deu um sabor de doido. Olha que eu tou discordando da minha própria receita hein hehehehe.. Pensa nisso!

Quanto à carne, não fica diferente, não. Nem se nota. porque tem bastante tempero, então a carne só não pode ser dura, porque o sabor não muda absolutamente nada.

Fiquei pirado agora. se eu pudesse, virava teu sócio! hehehe

Abs
Daniel

Danilo disse...

Então, sobre a maionese já tinha pensado em fazer com ovo desidratado ou sem ovos q tbm fica muito boa. Sem ovos fica o mesmo sabor, nao mudaem nada, experimenta um dia fazer. rsrs
Daniel, eu não conheco o renato, ele visita o blog frequentemente? Nunca experimentei esssa linguiça, mas era uma das coisas q eu queria colocar, uma linguiça diferenciada. Vou ligar na fábrica e ver se eles vendem pra algum estabelecimento aqui em santo andré.
Esse fds vou fazer um churras, pq semana passada não deu pra fazer. Lembra q vc ate me passou a receita? Aí vou testar com pimentão. rsrsrs
abços

Daniel Rodrigues disse...

Fala Danilo

Então, a maionese vc pode fazer com leite, fica boa tb.. dá uma googlada, vc encontra receitas legais, com temperinhos e tal.

O Renato frequenta sim. Mas eu te passo o contato dele por e-mail. Serve LaBragantina no teu bar, vc não vai se arrepender!

Abs
Daniel

Danilo disse...

A maionese ja sei fazer. Faço de tomate seco, tradicional, alho, manjericao ou com ervas.
Ja falei com ele. Ele me passou por email alguns endereços onde posso experimentar a linguiça dele pra ver se eh boa. hausahushuashuahsahushuashuahusa.

Daniel Rodrigues disse...

Olha, deve ficar boa essa maionese de tomate seco. Na real, eu detesto tomate seco, mas a patroa adora, vou fazer pra ela.

Putz, acabei de mandar um email pro Renato, mas se já falou com ele.. agora é só experimentar a linguiça do cara kkkkkk

Abs
Daniel

Renato Teixeira disse...

Opa, opa!
Que que tão falando da minha linguiça ae???....kkkkkkkkk

Danilo, já te mandei as informações. Se não receber é só gritar. Agora, fala sério....croquete de mortadela deu lombriga hein. Adoro essas paradas de boteco....aqueles ovos de codorna em conserva, que fica aquela água suja meio parecendo terra no fundo do vidro é muito bom. Sempre fiz cara feia praquilo, mas no dia que provei viciei....e depois que fiz em casa descobri que a terra do fundo é os farelos da gema do ovo que soltam....é feito de se ver mas com uma gelada é clássico.
Sucesso no empreendimento aí!

Abs pra todos!

Renato Teixeira

Daniel Rodrigues disse...

Rango de boteco é tudo de bom.

Teve um dia que eu fiz bolinho de rabada, ficou animal. Fiz a tradicional massa de coxinha (que vai em todos os salgadinhos), e recheei com aquele resto de carne e molho que fica no fundo da panela de rabada, sabe?

Mais comida reciclada :-)

Abs
Daniel

Carlos disse...

Ae galera!!
Qualquer assunto no que diz respeito a buteco e afins, é o que há. Não tem melhor. O Raphael de BH, que o diga. Pois, BH é o paraiso dos botecos. Prá quem tem restrição a gordura, não apareça. Fica em casa quieto!!

*Um tempero coringa (carne bovina, frango e porco) para espetinhos, kafta e tal. Chama-se HARMONIX-F, parece nome de raticida não é?
Já vem pronto para o uso, é da Ajinomoto. Esqueçe as orientações no rótulo e vai na orelhada mesmo. É uma linha profissional, acredito que em SP deva ser moleza achar. A dica sobre o uso e que já vem "sal", portanto, cuidado ao usar. Mete o dedão e experimenta. O sabor que o tal dá na carne, é estratosférico. O povo não para de comer. Já usei "somente" (MAIS NADA!!) o próprio, para temperar coxa-sobrecoxa, asinha, coração, costela de porco etc. É um trem doido. Gostaria que alguém provasse nos espetinhos.
Fica aí a dica.
Danilo, boa sorte brother!!

Daniel Rodrigues disse...

Carlos

eu já tinha ouvido falar nisso. e ouvido falar bem!

Mas tive uma experiência com o aji-sal, que me deixou meio cabreiro com essas coisas da ajinomoto. Fiz uma picanha com o ajisal e achei que mudou completamente o sabor..

Mas prometo experimentar esse mata-barata aí hehehehe

Podemos fazer uma visita coletiva ao bar do Danilo, aí experimentamos hehehe

Abs
Daniel

Danilo disse...

opa gente, demorou eh so falar qreservo um dia pra vcs. Daniel, falando em buteco e sobre o bolinho de rabada, uma vez eu comi em um bar na ana ros, um pastel de rabada com massa de polenta, gente sem comentarios, acho q o melhor petisco q ja provei na vida. Bom demais.
O tempero nunca ouvi falar, mas vou dar uma pesquisada e vou ver se acho, vlw pela dica Carlos.
Sobre a maionese de tomate seco, fica muito boa. Fica leve e saborosa, como coadjuvante perfeito pra qualquer lanche. ela não tem o gosto forte do tomate seco, otima.

Danilo disse...

Ah daniel, sem falar q o sanduba de pernil vou servir no bar tbm, e vou seguir sua receita, incluirei somente um ingrediente. Provolone na hora de montar o sanduba, vai dar um leve gosto de defumado. Fica bom demais

Daniel Rodrigues disse...

Aí sim... Esse sanduba de pernil vai fazer sucesso!!

Assim que o bar estiver pronto dá um toque, eu vou lá tomar uma breja com vc

Abs
Daniel

Personal Grill disse...

Como BH não tem mar, aqui o que mais tem é bar. Boteco é a praia dos mineiros. E falando em tira-gosto de buteco, o mais famoso daqui é fígado de boi com jiló. Quem não é daqui, logo estranha, até a grande maioria que tem aversão ao jiló, mas é só comendo que se sente que a principal característica do jiló que é seu amargo se perde no meio do fígado. Sem contar as dobradinhas, caldos de mocotós, tropeiros e escondidinhos.

Quanto ao nosso colega Carlos, sobre os espetinhos, tinha dado uns toques ontem, mas a internet deu pau logo na hora da postagem e perdi tudo que escrevi, mas vamos lá.

As dicas dadas foram ótimas, mas acrescentando:
Carne Suína: Dê preferencia ao pernil, tem mais sabor que o lombo e resseca menos, além de ser mais barato.
Carne Bovina: Eu optaria em comprar uma peça inteira de alcatra e separar seus cortes (maminha, alcatra, miolo, picanha e baby beef). Assim você terá espetos de carnes menos "nobres" por um preço mais acessível e carnes mais nobres para os paladares mais exigentes. Além do que comprando a peça inteira, você poderá ganhar no preço mais em conta. Separar os cortes no começo pode ser meio difícil, mas com uma boa observação você vai reparando que os cortes são fáceis de se separar. Talvez até mesmo com uma boa conversa com o açougueiro ele pode te ensinar rápidinho a separar.

Uma balança é essencial, para a padronização dos pesos dos espetos. Acredito que um espetinho de 120g é suficiente, mas isso só o Carlos que terá que saber pesquisando o perfil dos clientes do boteco, além da matemática dos custos de se manter o bar aberto.

Quanto sobre a conversa do ajinomoto, eu costumo usar também, mas com moderação, pois há clientes mais sensíveis ao Glutamato Monosódico. O mesmo vale para pimenta-do-reino, uma grande vilã daquele lugar que vocês sabem aonde ficam. Mas uso também, ponderadamente. Principalmente em uma carne de porco, que não consigo imaginar sem este tempero.

Sucesso no seu empreendimento.

Cacete vocês estão me deixando com saudades de SP. Lugar que passei minha infância, morei na Vila Cruzeiro, próximo à Hípica de Santo Amaro.
No dia que for para estas bandas, vou ter que marcar um encontro com vocês. O mesmo convite é válido caso vocês venham para BH.

Daniel Rodrigues disse...

Raphael

Boteco em minas é covardia. Aliás, eu adoro esse estado. Já estive aí em algumas oportundiades (conheço Extrema, Cristais e Lavras), sempre se é muito bem tratado, come-se muito bem e bebe-se mais do que deveria hehehe

Abs
Daniel

Personal Grill disse...

Cara! Lembrei de um tira-gosto de combinação meio estranha mas que é muito bom.
Meu cunhado tem parentes em Conceição do Mato Dentro e lá tem este prato que não sei ou não lembro o nome:
Linguiça apimentada com Angu e Couve Refogada acompanhada de Ovo Frito com a gema mole e fatias de pão.
Um dia inventamos de experimentar essa combinação esquista meio desconfiados, e fizemos na casa da minha mãe. Mas não é que o trem é bão sô!
Come-se colocando um pouco de cada ingrediente na fatia de pão. Prato simples, prático, rápido, fácil e barato.
E olha que não sou fã de angu, por incrível que pareça, acho a coisa mais sem graça, não tem gosto de nada. Exceto um anguzinho à baiana.

Daniel Rodrigues disse...

Cara, nunca desconfie de um prato da comida mineira.

Acho que não tem lugar nesse país onde se coma melhor. Qualquer mistureba deles fica gostosa hehe

Abs
Daniel

João disse...

Putz! Fiquei uma semana sem computador e olhe aí o que aconteceu! Mais de 70 comentários, sem minha participação (ehehehe).Êta turma animada!
Olha, Daniel, toma terça-feira eu faço cerca de 400 litros de uma sopa maravilhosa para famílias carentes aqui da terrinha. Normalmente, vai frango e carne moída mas, nesta semana, eu ganhei do açougueiro mais de 20 kg de costela de boi.Afgerventei-as devépera, com água e sal, retirei toda a placa de gordura e reservei um tanto para fazer a "tua vaca atolada com batatas". Rapaz! ficou um estrago de tão bom!!
Abraços
João

João disse...

Corrigindo: toda terça, Aferventei-as, de véspera (rsrs)
João

Daniel Rodrigues disse...

Fala João, beleza?

Ce viu só, camarada? Isso aqui virou um papo de boteco sem fim! hehehehe

legal que seja assim, tem blog que só rola quebra-pau, baita coisa chata. Aqui só tem churrasqueiro sangue-bão :-)

Po, maneiro o teu trabalho hein!! Poxa, você serviu a vaca atolada pra galera ou comeu tudo? Fala a verdade, menino! hehehehe

Abs
Daniel

João disse...

Na verdade, Daniel, eu retirei apenas um pouco da costela para a "vaca atolada". O resto foi tudo para o sopão.
Abs
joão

Daniel Rodrigues disse...

Tava brincando, João...

Mas deve ter ficado gostosa essa sopa, hein!! Bacana do açougueiro ter dado uma costelona...

Se quiser fazer um jabazão, manda brasa! Passa endereço, telefone, chama o pessoal pra ajudar e tal..

Abs
Daniel

Ayrton Torres disse...

Daniel, legal o que o João faz né?

É esse tipo de "empreitada" que me faz ainda acreditar na raça humana.

Nem consigo imaginar como se preparam 400 litros de sopa...

Aqui na cidade tem uma instituição que faz isso.

Abração

Daniel Rodrigues disse...

Ayrton

Concordo com você. Eu tenho um amigo que faz esse lance de sopa todo final de semana.

Mas eu não sou bom nessas coisas. Quando eu ajudo, prefiro ficar no background.

Eu ajudava uma casa que cuidava de crianças que a justiça tira dos pais. Criança de 3 anos que já foi estuprada e daí pra baixo. Ajudava bastante, mas nunca gostei de visitar a casa. Quando eu ia lá, passava duas semanas deprimido. Enfim, não sei lidar com certas mazelas da nossa sociedade.

Enfim, esse nem é o assunto por aqui... Parabéns ao João pela iniciativa

Abs
Daniel

Sueila Luz disse...

Não sei se dou risada ou se fico com água na boca... só não posso fazer os dois ao msm tempo senão vai ser uma nojeira só!kkkkkk

Daniel,

Mais uma vez, parabéns por suas ótimas tiradas e maravilhosas receitas.
E olha que eu te descobri hj hein... mas essa história está no post da linguiça cuiabana...

Muito legal!
Adoro vaca atolada e é a próxima receita sua que vou experimentar!

Beijao!

Daniel Rodrigues disse...

Sueila

Tá pegando o espírito da coisa, hein!! Isso mesmo, babar rindo não deve ser legal, não heheheheh

Valeu aí, tomara que se divirta bastante por aqui. Como diz o saco de pão: servimos meia boca pra servir de vez em quando :-)

Nossa, faz a vaca atolada, não vai se arrepender hehehehe..

Abs
Daniel

Sueila Luz disse...

Bom...

Fazer não vai ser o problema,o problema mesmo é a dieta amigo!
Vida de mulher não é fácil e a gente ainda encontra uns caras como vc que adoram botar a gente pra engordar mais ainda aí ferrou! uahauaha

Mas vou fazer sim!
Aqui no Rio já comi tbm pelas barracas de sopas e caldos e afins da vida rs... mas nem todas são de fato boas...

Em Cuiabá... bom... minha terra é uma das melhores em iguarias culinárias, diga-se de passagem... aí sim haja regime e força de vontade!
Engordei uns 5 kilos ano passado qndo fui visitar minha mãe, só pra vc ter uma idéia..rs...

Mas é isso querido!
Espero encontrar cada vez mais receitas pra sabotar a minha dieta mesmo e dane-se... o negócio é comer e ser feliz! kkkkk E lógico, dar boas risadas contigo...

Beijinho...

Daniel Rodrigues disse...

Ah, Sueila...

Aqui temos um problema.. e não é só mulher que sofre com isso, não...

A gente faz churrasco, a gente toma cerveja.. aí vem aquela pancinha de breja nada sexy, a bochecha cresce e a cara da gente fica parecendo uma bolacha barbada, complicado.

Eu faço churrasco direto, tomo cerveja como um louco... mas procuro jogar um futebolzinho semanal, fazer um esporte aqui ou ali.

Sabe uma coisa engraçada? Eu vou no mercado de bicicleta. Levo uma mochila e volto com uma caixa de breja, carne, álcool, linguiça... já voltei com um saco de gelo dentro da mochila.. Ou seja: vou mandar um churrasco e bilhões de calorias pra dentro, mas pelo menos rolou um exercíciozinho..

Um dia contei pra caixa do mercado que eu ia pedalar com um churrasco nas costas, a mina rachou o biquinho dela heheheheh

sabota a dieta, mas não esqueça que tem que gastar essa energia aculumada aí!!

Abs
Daniel

João disse...

Boa Noite, Daniel!
Tô aqui, preparando o molho da macarronada de amanhã. Vem a parentada toda aqui no sítio (mais de 20). Também já temperei o carneiro (será à caçadora) e dois frangos caipiras. Mais arroz, angú e cuscuz. O molho tá ficando divino e pra variar, tô fazendo com costelas e 1 copo de vinho tinto(minha avó italiana só fazia assim) e...dá-lhe pimenta cumari. rsrsrs
Abs
João

Daniel Rodrigues disse...

Grande João!!!

Então somos doisl parceirão!! Amanhã tem feijoada em casa, e adivinha: tou nas panelas, preparando a feijuca.

Ah, a costelinha defumada... comprei crua, tou fazendo lá na minha churraca, bem devagarinho.. hehehehehe

Boa cozinha aí pra você!! Família e amigos, todo mundo refastelado de comer amanhã hehehehe

Abs
Daniel

Ayrton Torres disse...

João, o que me deu fome na sua descrição foi a pimenta cumari.

Figurinha impossível de encontrar por aqui e a que eu mais gosto...é um saco isso.

Amanhã aqui tem sushi.

Abração e boa comilança aí.

Daniel Rodrigues disse...

Hehehehe

Todo mundo se preparando pras comilanças de amanhã! hehe

Bom final de semana a todos!

Abs
Daniel

Personal Grill disse...

Cumari, em alguns lugares conhecida como pimenta de passarinho. Achá-la madura até algum tempo atrás era difícil pois os passarinhos comiam antes do sol nascer. Sendo assim só se achava verde. Mas agora me parece que eles viram a burrada de deixar tudo para os passarinhos e estão acordando cedo para colher.

Airton, aqui em BH é facílimo encontrar. Recomendo a marca Imperial (olha o jabá).
www.condimentosimperial.com.br

Caso goste de ardência o Extrato de Pimenta deles é fantástica (e forte, muito forte).

Para mim é a melhor pimenta que existe.

João disse...

Sabe, ainda sobre a pimenta cumari, lá no meu primeiro livro eu discorro sobre suas propriedades, começando mais ou menos assim: de picância média a forte (rsrs), é muito encontrada, em forma silvestre, nos pastos do sul e sudeste do Brasil...
Além de servir-se como excelente tempero, ela tem a função medicinal de antioxidante e bactericida e eu tenho vários potes aqui em casa e conservo-as apenas na pinga e sal (assim elas nunca se estragam.
Bem, deixe-me voltar para as panelas que logo chegam os famintos parentes (se bem que com essa chuva, "arguém vai faiá!!)
Grande abraço
João

Daniel Rodrigues disse...

Nossa, eu tenho um potinho de cumari aqui em casa, mas nunca experimentei.. Vou dar uma pitada no próximo churrasco

João, não sabia que vc tinha escrito um livro. Que legal, passa um link ae

E eu tb preciso correr pras panelas. A feijoada eu fiz na madruga, agora falta só fritas as costelinhas e o couve.

A feijuca ficou animal :-)

Abs
Daniel

Ayrton Torres disse...

E aí Daniel, como foi a feijoada?

Personal e João, aqui só aparece malagueta e dedo de moça.

Quanto a ardência, eu acho a cumari fraca...mas pra quem come habanero, isso não é vantagem.

Tenho sementes de Bhut Jolokia (também conhecida como Naga Jolokia, Ghost Chili, Ghost Pepper ou Naga Morich, a mais forte do mundo em ardência), e quando plantar, vai ser só pra olhar, porque se frita o céu da boca, na saída deve arrancar a tampa do...

Mas o sabor da cumari é imbatível.

Personal, valeu pelo link. Vou tentar comprar com eles as cumaris e o extrato.

Em tempo, a sushizada aqui hoje foi ótima.

Abração.

Daniel Rodrigues disse...

Falae Ayrton, beleza?

A feijuca foi um sucesso! Tuo devidamente fotografado e documentado, daqui a pouco vira receita aqui no blog hehe

Fico te devendo o entusiasmo em relação à sushizada.. não sou fã de culinária japonesa, não..

Ontem fiz um molhinho de pimenta com cumari, dedo de moça e biquinha.. ficou maneiríssimo!

Abs
Daniel

Ayrton Torres disse...

Cara, adoro feijoada, mas tem uma negona aqui na minha cidade que faz uma imbatível. E ela é meio McGyver, porque você vê ela e mais nada na cozinha, e algum tempo depois, aparece um míssil intercontinental fumegando no panelão...KKKKK

Quanto ao sushi, é uma das poucas coisas que me faz trocar um bom churrasco...putz...dizer isso num blog de carnes...tô morto...KKKKKKKK

Em minha defesa, fui criado na beira do mar, numa época de oceanos limpos (ao menos bem mais do que atualmente), com golfinhhos na Baia de Guanabara, ajudando pescadores a puxar redes e ganhando algumas das vítimas pelo meu esforço infantil. Com isso, peixe sempre foi top em minha lista. E quando descobri que podia comê-los crus, foi literalmente juntar a fome com a vontade de comer. Porque eu também adoro carne crua (quibe cru, carne beeeeemmmm mal passada, quase mugindo, etc).

Abração e sai prá lá com essa água benta...rs

Daniel Rodrigues disse...

Ayrton

A minha avó faz a feijoada das feijoadas. Simplesmente incrível. Eu peguei todas as dicas com ela, e tou ficando bom nisso tb. Minha feijuca é bastante honesta..

Aqui em casa, criamos uma tradição bem legal. A feijoada do dia das mães. Nós fazemos uma fejioca de grandes proporções, e chamamos o maior número de mães possível. Minha mãe, da minha esposa, de amigos.. é bem legal, este ano tivemos mais de 20 pessoas na mesa :-)

Adoro peixe. Mas cru, não dá não. Não consigo me acostumar. Certa vez, fui num restaurante japa, pra um aniversário de um primo, por quem eu tenho muito carinho. Peguei um sashimi e acendi o esqueiro embaixo do bicho, quase apanhei hehehehehe

tb curto carne crua. Faço um kibe cru muito gostoso tb. A patroa aqui em casa é pirada no carpaccio. O KC tá na manga pra vir pro blog tb.

deu fome hehehe

Abs
Daniel

Ayrton Torres disse...

Opa...então coloca o KC and the Sunshine Band no topo aí.

É sempre bom dar uma olhada nessas receitas, porque apesar de parecer simples, sempre tem algum segredo/macete.

Abração

Daniel Rodrigues disse...

Ayrton

A próxima é da kafta, que fica mega animal. Na sequencia, vamos de kibe cru.

E olha, eu acho que o kibe cru é uma das receitas que mais tem macete, apesar de simples. Porque se você não seguir pequenas regrinhas, o KC vira um lixo..

Abs
Daniel

Postar um comentário

Torrou a picanha? Fez a receita e não deu certo? Dúvidas, sugestões, vai encarar? Escreve aí o que quer, mas não coloca propaganda que isso aqui não é a casa da sogra.

Blog Widget by LinkWithin