Follow me on Twitter RSS FEED

Salmão na grelha

Nas categorias
Quando eu comecei a escrever nessa espelunca, eu nunca imaginei que um dia levaria isso a sério. Na verdade, até hoje eu não levo, mas pelo menos me preocupo um pouco mais com a total, irrestrita e absoluta falta de qualidade das coisas que escrevo aqui, procuro receitas novas, enfim. Comecei a escrever aqui despretensiosamente, e alguns incautos, para a minha surpresa, decidiram que seria uma boa idéia ler estas porcarias. Então me vi obrigado a tomar vergonha na cara, buscando me informar para que pelo menos pareça que eu entendo do que estou escrevendo.

Com isso, acabei encontrando vários blogs e sites bacanas internet afora. Um deles é o Mesa pra 1. A receita de bolo deles é parecida com a nossa: macho na cozinha, fazendo comida boa e falando merda. A gente sabe que isso funciona. Homem escrevendo merda de um lado da tela, homem lendo merda do outro. Entre uma breja e outra, assim vamos indo em direção à derrocada. Enfim, como a direção da derrocada é nossa via de mão única, certa vez encontrei uma receita por lá que me animou muito, e decidi fazê-la, e aqui reproduzo com uma fidelidade malúfica.

A diferença entre os dois blogs é que neste aqui, eu enrolo, enrolo e enrolo parágrafos e mais parágrafos (tá vendo como é fácil enrolar?) pra postar uma receita que poderia ser descrita em 5 linhas, e lá eles metem a mão na massa mesmo. Gente que faz. Em tempo real, ao vivo e à cores, com uma câmera na mão e uma cerveja na cabeça lá vão eles filmando pataquadas gastronômicas e recheando o youtube com uma turminha muito louca aprontando altas receitas numa cozinha do barulho. Sério, o blog é legal, já passei o link, vai lá que eu espero.

...
...
...

acho que o pessoal gostou mais do mesa pra 1

...
...
#jascakszxcz xz @#$#!%ˆ$
...
...
...

voltou? ufa, então vamos à receita.

O esquema é muito simples, e faz o salmão, que já é um peixe muito saboroso (taí o urso marrom, malaco da ilha kodiak, que não deixa a gente mentir), ficar ainda melhor. E não é só simples, não. O esquema é roots, coisa de gente rude, de sola dura e calcanhar rachado. Sem essa de garbo e elegância, se você chora na novela ou passa ppt de paisagem, sai desse corpo que não te pertence, prepara o capitão nascimento que existe dentro de você e TRAZ O SACO AGORA!

O lance é que você deve ter adquirido anteriormente, um belíssimo filé de salmão. Não recomendo disputá-lo na beira da pirambeira com o urso marrom, nem navegar pelos mares da noruega em busca do salmão perfeito. Muito mais fácil conferir comigo que salmão bom é salmão morto, dar um pulo num mercado e comprar uma bunda de salmão fresca, por mais que possamos estranhar essa coisa de bunda fresca. E a bunda do salmão só tá fresca quando tá firme (ai, a luma de oliveira...) e larnja escuro. Fica atento, se o peixeiro te passar um salmão laranja meio branquelo, que parecer meio mole, dá-lhe logo um pescotapa e se manda dali porque esse salmão tá velho.

Beleza, de salmão em punhos, TRAZ O SACO SENHOR ZERO UM e mete o peixoto lá dentro. Pode ser um saco de freezer, saco de pão, saco de lixo, o que você quiser. Apenas se certifique de que o saco não vai vazar, porque além do salmão, você ainda vai jogar mais algumas coisas lá dentro.

E, pra que o salmão não se sinta um peixe fora dágua, você deve colocar ali alguma coisa pra ele nadar. A coisa, no caso, é o mundialmente conhecido molho soyu. Deposite no saco um monte, um copo, uma lata, bastante molho shoyu. O salmão agradece.

Como sabemos neste blog que uma andorinha só não faz verão, sabemos que o salmão não pode ficar ali sozinho, boiando alegremente naquela piscina de shoyu, não? Pois lance mão de toda a cebola que você conseguir carregar. Vai na fé, pra meio quilo de salmão, você pode picotar umas 3 cebolas.

Picotar, não. Corte em rodelas, e eu espero que você saiba como fazer isso. Não vou ensinar marmanjo a descascar a cebola, posicionar na tábua, fazer cortes paralelos e desmontar com as mãos. Não vou mesmo. Enfim, o sabichão aí já deve estar imaginando que a cebola deve IR PRO SACO TAMBÉM. Desse jeito mesmo, com agressividade, macheza e virilidade.

Cebola no shoyu, cebola no olho e a essa hora já tem salmão chorando dentro do saco, certo? Pois então, pra acabar com essa tristeza, nada como uma musiquinha pra alegrar o ambiente, não acha?

Pra animar, pode preparando as suas maracas e o bigodón, que chegou a hora de muito merengue e SALSA, maricón. Isso, picote um maço inteiro de salsinha e MANDA PRO SACO E CADÊ O BAIANO???? Cadê o baiano? Boa, manda lá pra dentro duas pimentas baianinhas, sem picotar nem nada.

Agora que tá todo mundo animado, na maior agitação, hora da sacanagem. Você dá um nó na ponta do saco e deixa a putaria comer solta lá dentro. Pode chacoalhar, pode mexer, pode fazer essa galera balançar o esqueleto na festa que rola dentro do seu saco. O do peixe, claro.

Tamo quase lá. Abre a geladeira, deposita o saco lá dentro e vai acender a churrasqueira. Já te falei pra abrir uma cerveja? Não? Então tá esperando o que, criatura? Aproveita a geladeira aberta e saca uma latinha agora mesmo.

Deixa o saco lá dentro da geladeira, enquanto você acende a churraca e tal. Isso vai demorar uns 15, 20 minutos, dependendo da sua destreza para com as atividades pirotécnicas.

Quando você conseguir acender a churraca e terminar a cerveja, a coisa já deve estar no ponto lá no saco. Agora você abre o saco e procura o salmão lá dentro. Com a mão mesmo, larga de nojinho. Posiciona o peixoto sobre a grelha, com a pele pra baixo, o que parece óbvio, mas sempre é bom avisar.

Agora é bacana: pega toda aquela maçaroca de cebola e salsa, devidamente embriagados de shoyu, e deposite cuidadosamente sobre o salmão. O resultado será surpreendente.

Abra outra breja, e mais outra. A essa hora, o peixe deve estar ficando bom. Você percebe que ele tá bacana quando a pele fica mais durinha, e a carne do salmão começa a fica mais branca. Como salmão é um peixe que se come cru (favor não confundir, mente suja), não tem muito essa de ponto, não. Olha pra ele, gostou? tira. Ele não fica seco, porque tem um monte de salsa e cebola molhadas em cima dele, e fica gostoso mesmo se você tirar antes da hora.

Na hora de tirar, recomendo uma espátula. Você mete a espátula entre a pele e a carne, elas se soltam facinho, você taca o peixe na tábua, dá um garfo pra cada um e come-se assim, no esquema pia de porco, mesmo.

Dica: o shoyu já tem sal, não seja besta e tira esse ajinomoto daí.

O vídeo da receita feito pelo pessoal do Mesa pra 1 é bem legal, clica aqui que eu não vou dar um embed assim, na cara dura. Já chupinhei a receita deles, uai.

Rendimento: 500g de peixe dá pra umas 2 ou 3 pessoas. Mas recomendo um camarãozinho pra ajudar.
Custo: 500g custaram R$11,00, mas acho que você pode encontrar mais barato, depende muito da sua localização geográfica.
Tempo de preparo: 1 breja na cozinha, 2 ou 3 na churraca. Você vai precisar de mais umas latinhas pra servir feliz.


Drops de Churrasco - Ed. 2

Nas categorias
Lá vamos nós pra mais uma edição dessa catástrofe literária chamada deitando o gato na grelha. Acerte o seu aí que eu arredondo o meu aqui, segura no apito do árbitro que vai começar a peleja, e te prepara que nós vamos chutar pra cima de você informações rápidas e diretas, acerca do cotidiano sem sal, sem açúcar e sem escúpulos desse mundo do churrasco e demais iguarias.

E por falar em chutar, lá chegou o Dunga chutando bunda de vaca (opa, aí não), chutando o pau da barraca, chutando o balde e chutando pra longe a chance da gente se divertir durante a copa. Olha, acho que nem o lazaroni foi capaz de convocar uma seleção tão cheia de jogadorzinho pereba. Fuja da bicuda, amigo churrasqueiro, e te prepara pra caprichar no churrasco durante os jogos, porque alguma coisa aí tem que ficar boa, e não vai ser o futebol.
Praticamente uma pegadinha do mallandro. Isso me lembrou da vez que o Sergio mallandro me perguntou uma informação na rua, mas isso é pra outro post.

E, já que estamos falando de seleção, tá fazendo o maior fordúncio aí a propaganda da seara com o neymar, o robinho e o ganso. Tá, a coreografia é ok, a música é legal, bla bla bla. Mas eu espero ansiosamente que o caríssimo, letrado e versado leitor tenha atentado para pequenos fatores que, pra mim, fazem desta uma das mais cagadas invenções que os nossos criativos e inventivos publicitários já vomitaram da telinha da tv para a sala da nossa casa. Pensa comigo: Temos ali 3 jogadores de futebol com uma camisa do Brasil. Porém, só um deles está convocado #FAIL. Estou, até agora, tentando imaginar que cacetas fazem 3 marmanjos na televisão fazendo coreografia de uma música chamada single LADIES numa propaganda de linguiça????? Será que os meninos da vila se deram conta do mico? Parece que sim, note a cara de constrangido do Ganso ao longo do comercial, só no sorriso amarelo. Shame on you, nizan guanaes!!!!

Ontem eu inventei uma verdadeira gambiarra. Uma gambiarra que deu certo e, então, foi promovida a invento. Agora, além de palmeirense, churrasqueiro e blogueiro, eu sou também inventor. Chique demais. Mas pra que serve essa invenção? Uma das carnes que eu mais gosto é a costela bovina. Acho que é a carne que eu mais gosto, mas prefiro não falar alto assim porque as outras carnes também têm coração. Inclusive o coração. Só a costela que não tem coração, porque a costela tem osso. Assim como o ofício, que tem o osso do ofício. Não confundir com orifício. Mas o que tem a ver o orifício com o invento? Melhor começar de novo.



Ontem eu inventei uma gambiarra bacana. Eu gosto muito de costela, e já tinha feito de duas maneiras. Uma no celofane, que funciona muito bem. Outra direto no fogo, que funciona bem, mas depende de vários fatores, e nem sempre eu tenho isso na minha churraca. Isso porque eu fui uma anta na hora de escolher a localização dela, mas isso não vem ao caso. Afinal, eu sou o inteligentão que inventou uma parada aqui, rapaziada. Mas inventou o que? pergunta-se o aflito leitor. Inventei uma gambiarra, respondo. Uma gambiarra pra fazer costela no bafo. Cuma? perguntaria o Didi. eu explico, negadis, responderia o mussum.

Uma lata de heineken, daquela de 5 litros, devidamente e deliciosamente esvaziada que, após aberta em um dos orifícios (sabia que isso ia ser útil pra alguma coisa), levou uma dezena de furos, de maneira que eu consegui um respiro no alto, e 4 buracos nas laterais, por onde passa um espeto. Ao passar pelo meio da lata, o espeto leva uma costelada, digo, a costela leva uma espetada e... bom, você entendeu. O espeto vara a lata, e dentro da lata, espetada, fica um pedaço de costela. Aí você põe sobre a grelha e esquece que aquilo existe, por mais que possa parecer estranho uma lata de cerveja gigante com um espeto na sua churrasqueira. Vai parecer que está assando uma cerveja espetada, mas não é. É uma costela. Faça como eu: desbanque a sua mulher e faça uma costela de lavar a alma, porque a patroa vinha tentando me desmoralizar enquanto eu fazia os furos. Elas sempre falam que não vai dar certo, e no final, dá. GPS pra quê? A gente sempre acha.

Aí eu fui no mcdonalds ontem, experimentar o tal do McBrasil. Não tenho palavras pra descrever. Aliás, tenho uma: ruim. Não experimente essa porcaria, é caro, seco, feio, chato e bobo. A melhor coisa do lanche é a cocacola de 750ml que, desculpa aí, é uma cocacola e vende em qualquer lugar. O lanche tenta ser um sanduíche de pernil, e começa bem, muito bem. Contrariando toda a filosofia da culinária mcdônica, o hamburger de pernil estranhamente tem gosto de pernil. Imaginei que fosse como os outros hamburgeres da rede, onde a carne tem o mesmo gosto da embalagem, mas não. Acontece que nada mais no lanche é bom. O pão, achei seco demais. A salada, pra variar, ficou toda na caixinha. O queijo, nem notei e tinha um molho lá dentro que tava apimentado. No final, tirei o hamburger de dentro do pão e comi só o hamburger. Quer uma dica? economiza 15,50 e não come esse treco. Lanche ruim, de fazer o palhaço chorar.

Sabe quando você mete o pé na jaca, enche os cornos e fica bêbado como uma lhama? O instituto de pesquisas tecnológicas Gato na Grelha apurou que 9 entre 10 bêbados, no dia seguinte prometem que não vão mais beber. E 9 entre cada 9, furam essa promessa. E, num desses dias, nos quais o fígado passa o dia alojado em algum lugar obscuro e impronunciável do corpo, entre o branco do olho e o tendão de aquiles, descobri um santo remédio pra curar a ressaca e colocar o corpinho novamente em funcionamento. E essa descoberta tem fundamento científico, não é chute e não foi a mãe dinah que me deu a dica. Foi o Terra, mesmo. Vai lá ver, descubra o que um sanduíche de bacon pode fazer pela sua alma e nunca mais se sinta um pedaço de estopa vagando encharcado pelo mundo à espera de um transplante.

Enfim, era isso. Tenho novas receitas na mente, mais trabalho do que eu consigo fazer e uma falta de habilidade ímpar com as palavras que me fazem gastar uma hora inteira pra escrever aqui no blog, mas aguardem, quem espera sempre alcança. Ou dança? ou cansa? como era mesmo o velho ditado? ou seria um velho deitado?

melhor parar. bom final de semana.


Nome aos bois - parte 1

Nas categorias
Eu queria muito saber quem foi o primeiro camarada que abriu o primeiro boi e saiu dando nome pra tudo o que ele encontrou lá dentro. Sério.

Afinal, caro leitor, vamos combinar que os nomes das carnes são de uma fanfarrice ímpar. Sujeito controverso, este. Controverso, no sentido da antagonia da sua própria fanfarrice, seja lá o que isso signifique. Controverso porque ele encheu a cara, abriu o boi e deu nomes esdrúxulos e bizarros pras carnes, mas o inusitado se fez presente, e aí todo mundo acreditou no que ele tava dizendo, e os nomes continuam sendo falados nos açougues desse nosso Brasil varonil afora, comprovando a controvérsia da coisa. Controverso, côncavo e convexo. Ou não.

Sério, eu queria muito bater 15 minutos de conversa com esse cara, que abriu o primeiro boi e mandou logo um "Caracas, tem um pato aqui dentro. Tem um lagarto, também. Ou seria um tatu? E tem uma agulha, e um cupim, e um peixinho, uma fralda e uma raquete!!! Maneiro!".

Sigamos adiante.

Aí eu me lembro que meu nome é Daniel Walter, e quem um cara que tem dois nomes tão diferentes pensa que é pra questionar uma peça de carne de BOI que chama LAGARTO? Logo depois eu me lembro que a isso se deve o fato de Walter ser sobrenome, e não nome, e me dou conta da sorte que tenho de ter nascido homem, porque a minha irmã se chama Monica Walter, e minha prima Carol ganhou na escola o apelido de CaWalter durante o duro e cruel período da adolescência. Me lembro também que o sobrenome Walter é de origem germânica, e, definitivamente alemão não é um povo bom pra dar nome às coisas, taí a Volkswagen pra provar. Então, mais uma vez, me lembro da sorte que tenho da minha mãe ter me dado o simples e comum nome de Daniel e abdicado da criatividade chucrútica impregnada na nossa corrente cromossômica. Eu poderia tar matando, eu poderia tar roubando, eu poderia me chamar Hans, Wolfgang ou Fritz, e isso seria bastante ruim. Mas isso me faz lembrar de que a minha avó não teve esse ato de bondade e deu o nome de Gudrun pra minha mãe. Mas a grande sacanagem é que a minha avó se chamava Joanna, o que mostra que a nossa família, geração sim, geração não, sacaneia os filhos com nome de cerveja. Mas eu não passei adiante, meus filhos são Júlia e Rodrigo.

Cada coisa que eu tou me lembrando hoje. Sigamos com a história.

Já que é pra lembrar, lembrei de mais uma, e quando a gente fala de nomes de coisas, tem uma pessoa que é imbatível, uma autoridade no quesito nomes-bizarros-pra-coisas. Estamos falando da Baby do Brasil.

capa de disco com peitola de fora, colar de talheres,
pintura de índio e bebê mamando: é disso que eu tou falando.

Primeiro porque a Baby do Brasil se lançou na carreira artística sob o nome de Baby Consuelo, mesmo se chamando Bernardete Dinorah. O que, por si só, já nos mostra que estamos tratando de uma pessoa dotada de altos índices de noção.

Em determinado momento da carreira, Baby Consuelo achou que algo ia mal, e que era a hora de dar uma mudada nesse nome. E aí, quando todo mundo pensava que ela ia trocar o Baby por Juliana, Alessandra, Fernanda ou algo do tipo... ela tira o Consuelo e põe Do Brasil.

ééééééééé......   do brasilllllll!!!!!!!!!!!!!

Baby do Brasil é o tipo de pessoa que chamaria um pedaço de carne de raquete. Vai por mim.

Mas isso não é tudo, nossa feliz colaboradora não terminou por aí. Preocupada em perpetuar o seu legado de criatividade e alegria na arte de nomear pessoas, Baby do Brasil se uniu ao seu guitarrista pepeu gomes, copulou e se reproduziu, daí a capa do disco. Hippies e bebês foram feitos um pro outro. Assim nasceram pessoas da mais fina elegância, gente que merece o nosso respeito pelo simples fato de ter respondido chamada durante a vida escolar sob a alcunha de "Riroca", "Zabelê", "Nana Shara", "Pedro Baby", entre outras pérolas.

E isso não é apelido. É nome. Cidadão chamava Pedro Baby. Envelhecia, tinha filhos, ganhava profissão, e continuava chamando Pedro Baby. Você contrataria um advogado chamado Pedro Baby? Como você se sentiria ao ouvir "boa tarde, passageiros, aqui é o comandante Pedro Baby, estamos viajando a 8.000 pés sobre o oceano pacífico e..."?

Enfim, aí a Riroca, revoltada, atingiu a maioridade e correu para o cartório mais próximo da sua residência, embuída da missão de se livrar desse nome mezzo doce do interior, mezzo apelido de vó. E assim procedeu, trocando o nome Riroca por... Sara Sheeva.

SARA. SHEEVA.

Isso, assim se faz as coisas com perspicácia e sapiência. Trocando um nome ridículo por um nome feio. É como se o Patinho, infeliz com o nome que o tiozão que abriu o boi lhe deu, corresse no cartório pra mudar o nome de Patinho pra Roda Gigante. Ou Abajour. Ou Alfazema, ou abacaxi, ou berinjela.

Bom. Muito bom.

Muito bom que não foi a baby do brasil, nem a riroca baby que deram o nome às carnes.

Enfim, agora que todo mundo já tá curioso, eu aproveito pra contar que isso não é um post, é uma série, e aos poucos eu pretendo pesquisar sobre os nomes divertidos das nossas carnes, e contar aqui, uma a uma. Leitores cultos e letrados são muito bem vindos nessa epopéia em busca da arca perdida do que bebeu o fanfarrão que abriu o primeiro boi e deu os primeiros nomes às peças.
Uma dica importante: Se você está grávida (o) e ainda não decidiu que nome dar a seu rebento, recomendo veementemente que mantenha toda a distância possível deste post. Tememos que más idéias impregnem a sua mente e façam uma criança infeliz por toda a sua existência. Grato.


Blog Widget by LinkWithin