Follow me on Twitter RSS FEED

Drops de Churrasco - Ed. 5

Nas categorias
E por aqui seguimos nós, eu aqui e você aí, trancados num escritório nesta sexta-feira de sol, curtindo cada pixel do monitor, adorando cada célula deste excel que Deus nos deu, e, no meu caso, mastigando linhas e mais linhas de programação. Adoro isso, passar o dia lendo coisas como "?php echo $this->GetSkinUrl('..." realmente é uma rotinha engrandecedora, faz bem pro corpo e pra alma, deixa a pele mais bonita e os cabelos mais sedosos. Enfim, trabalho é trabalho, cada um tem o seu, cada qual com as suas dificuldades, mas todos aqui temos que concordar com uma única e inabalável verdade: num dia lindo como este, tudo o que a gente gostaria era de sair correndo pelado pelo mundo vestido de Super 15, mas.. como correr pelado e vestido ao mesmo tempo? largar o esqueleto sob o sol e esvaziar a mente, tal e qual a lagartixa, que perde o rabo mas não perde a compostura...

Isso me lembrou de uma expressão genial, que ouvi de um amigo de infância (sim, eu tenho váááários amigos da tenra idade, isso é bem legal). O lance é o seguinte: sabe aqueles dias que a cabeça da gente simplesmente não funciona, o corpo não anda e a alma não aparece nem em centro espírita? Isso costuma acontecer nos pré-feriados, ou pós-esbórnia, a gente sabe disso. Pois é, a expressão diz que nestes dias a gente trabalha em "Modo de segurança". Quem já pilotou um computador com windows na vida sabe bem o que é isso, né? É assim, o sistema carrega, o windows funciona, mas só no basicão. Não abre mais do que dois aplicativos de uma vez, não entra em rede, não mostra nem papel de parede. Sem muito esforço, sem fadiga. Do jeito que a gente gosta, economizando energia.

Esse papo de trabalho em lembrou de uma cena surreal, que presenciei dia desses. Perto de onde moro tem uma casa de comida árabe chamada "Esfiha Chic". A comida lá é bem gostosa, mas não é chic, não. E o atendimento, bem... o atendimento é um show à parte. Estava eu ali, aguardando o pedido número 00003422 sair pela janelinha, quando de repente fui abordado pela garçonete. Vai me oferecer um refrigerante, imaginei eu. Ledo engano. A garota abaixa-se ao balcão e saca um porquinho, escrito "Maria". Sim, um porquinho, daqueles de cofrinho de criança. Na sequencia, vem o pedido: "Moço, ajuda a Maria a voltar pra Pernambuco?". Maria era ela, o crachá denunciava. E eu não tenho muita compaixão com gente que fala de si próprio usando a terceira pessoa. Pensei comigo: "Maria, você não é o Pelé pra se chamar de Edson e você voltar pra Pernambuco não é um problema meu". Pensei tudo isso, mas delicado como um parafuso de trator, disse a ela que não, não a ajudaria. Ah, mas Maria não conseguia entender porque eu não queria colocar a minha moeda no cofrinho dela. Segue o diálogo:
Maria - Mas moço, eu te servi tão bem...
Daniel - Ok, mas pra isso eu estou pagando 10%.
Maria - Mas eu tenho que juntar um dinheirinho pra voltar pra Pernambuco..
Daniel - Boa, continue se esforçando, outras pessoas vão pagar 10% e você vai conseguir.
Maria - Po, moço, o senhor vai ser ruim assim comigo?
Daniel - Maria, se eu fosse teu chefe você tava na rua, minha querida.
Maria - Ô, moooooçoooo......
Enfim, eu não gosto de ser mal-educado com ninguém, e realmente não sou. Mas tem gente que merece, viu. Ah, se alguém se comoveu com a história da Maria, basta dar um pulinho na Esfiha Chic da Avenida Jabaquara, perto do metrô Santa Cruz. Recomendo a esfiha de queijo e o refrigerante de máquina.

Acho muito legal como as empresas tem procurado fazer o seu papel nas mídias sociais. Algumas acertam bem a mão, outras metem os pés pelas mãos. Mas o bom disso é que sempre tem alguma empresa sorteando alguma coisa, e todo mundo gosta de ganhar um agrado, né? Tá lá o Caio Racca que não nos deixa mentir, feliz e faceiro com o seu avental da Maturatta. Pois eu também decidi me aventurar e pleitear algum brinde nessa internetona sem fim. Entrei no twitter do azeite Borges e os caras estavam premiando com um Kit Borges as 5 receitas mais votadas no facebook deles. Enviei a minha do salmão no forno, que fica bem gostosa, diga-se de passagem. E vai azeite, e bastante. O lance é o seguinte: eu não sei exatamente o que eles tem dentro desse Kit Borges, mas se eu ganhar, divido aqui com a galera. Bom, pra quem quiser me ajudar nessa empreitada, basta clicar no botão "curtir" que tem na página da receita. Clica aqui, ó.

E, por fim, falemos de receitas. Tenho algumas novidades, e nesta semana confesso que estou até indeciso sobre o que devo postar no blog. Queria a ajuda de vocês. Uma das opções é uma receita excelente de um leitor, uma tainha na brasa com vinagrete que deve ser uma delícia. A segunda opção é  uma receita de um catchup que eu fiz em casa. Ficou realmente muito, muito bom, perfeito para comer com aquel bom e velho sanduíche-iche. Bom, de deixar o tio Heinz no chinelo, sem brincadeira. Condimentos feitos com ingredientes frescos, sem conservantes e acidulantes e outros "antes" fica sempre muito bom. A terceira opção é uma costelinha de porco diferente, com colorau e limão, muito show. E a quarta, por fim, é a receita de kibe cru, que é muito gostoso, também. Vocês decidem, podem expressar suas opiniões pelos comentários, podem me acionar via e-mail, via twitter, sinal de fumaça e, quem quiser, pode mandar um caminhão de skol pra casa que a gente não acha ruim, não.


Costelinha ao molho agridoce

Nas categorias
Querido amigo leitor, você gosta de gente que te surpreende? Mas é surpresa mesmo, gente que de repente aparece e TCHÃRÃNS: Olha lá alguma coisa incrível. Taí uma coisa que eu curto, gente que é capaz de surpreender a gente.

Não tou falando daquele amigo que, de repente, chega pra você e diz que saiu do armário. E tá apaixonado. E é por você. E tá de calcinha da hellokity. Não esse cara não surpreende, esse não é o tipo de coisa incrível.

Pois é, tenho uma filha de 11 anos. Que tem uma amiga. Que tem uma mãe, que é casada com um cara. E são todos gente muito bacana, gente que faz e acontece, brasileiro que não desiste nunca e coisa e tal. Dia desses, convidei todo esse pessoal (filha, amiga, mãe da amiga e marido da mãe da amiga) para um churrasco aqui em casa. O combinado era na base do "traz a cerveja que eu cuido das carnes". O procedimento foi respeitado por ambas as partes, tomamos muita e boa cerveja, comemos muita e boa carne, enfim: gol do Brasil, missão cumprida.

Uma das coisas que acontece quando você aprende a fazer churrasco, é que algumas pessoas acabam ficando intimidadas pelo fato de você saber fazer umas carnes mais maneiras, coisa que muita, muita gente não sabe. Aí tem vergonha de te convidar pra um churrasco. Isso é uma baita de uma bobagem, mas já vi acontecer muitas vezes. Bosta de boi, como dizem os americanos.

Pois o marido da mãe da amiga da minha filha não é um cara de se intimidar, não. Isso já começa a fazer dele uma pessoa surpreendente. No meio do churrasco, com a cerveja mandando e desmandando dos nossos neurônios, eis que ele me manda: "Olha, eu só sei fazer uma receita de churrasco, mas vou fazer pra você. Semana que vem lá na minha casa, leva a breja que eu cuido das carnes". Fechado, alguém aí já me viu recusar convite pra churrasco? #fikdik

Exatos 7 dias depois, dirigi o meu esqueleto e o da minha família em direção à casa deles. Dirigi também o carro 2005 da patroa, carro comum e normalzão, e que fique registrado isso. Daqui a pouco você vai entender o porquê.

Daqui a pouco, não. Vai entender agora: segura as cuecas aí, que você vai se borrar inteiro. EU PILOTEI UM PORSCHE. Isso mesmo, eu pilotei um mega-hiper-extra-fuckin PORSCHE. Não vou entrar em grandes detalhes, mas em algum momento, estávamos eu e o marido da mãe da amiga da minha filha, apareceu na minha frente um Porsche e uma chance de fazer um test-drive. E eu fiz, e isso fez de mim uma pessoa melhor. Vai vendo.

Eu fiz força naquele negócio que tem embaixo do pé direito. O motorzão do bicho gritou alto na minha orelha, o carro deu um coice pra frente e saiu voando, de repente apareceu uma curva, eu caguei de medo e tirei o pé. Ainda bem, porque tinha um carro de polícia logo à frente e eu estava sem habilitação. Fiquei pianinho atrás da polícia, e acabou o passeio. Simples, rapidinho, tranquilo. Mas eu fiz. E um cara que dá um jeito de te meter dentro de um Porsche com a chave na mão direita, só pode ser uma pessoa surpreendente, né? Fato: fiquei surpreso.

Voltando à programação: O cara não parava por aí, não. Quando cheguei lá na casa dele, uma surpresa atrás da outra, até encontrarmos uma deliciosa peça de costelinha suína que pairava sobre o calor da grelha. Mas ela tinha um corte estranho, meio quadriculada.

O lance é o seguinte: Você pega uma peça de costelinha, daquelas bem altas, cheias de carne. Esquece o guilherme arantes e não confunda com "cheia de charme", que isso não é música que combina com costela. No máximo, com uma linguiça furreca.

Você não deve separar as costelas, a peçona vai inteira pra churraca. Na parte de baixo, dê uns talhos no entreosso. Sabe o que é entreosso? Acabei de inventar, mas pode ser entendido como o pedaço de membrana que tem entre um osso e outro da costela. Aliás, me lembrei que uma vez caí de uma árvore e machuquei essa membrana, dói pra burro. Passei um ano rindo que nem o roberto carlos.

Foco, Daniel. Foco. Escreve alguma coisa aí pro leitor entender como é que funciona esse corte.

Legal, faça uns talhos na membrana, e ainda bem que o porco tá morto, porque isso aí dói e demora muito pra sarar. Na parte de cima, na carne da costela, faça um corte meio quadriculado. A idéia é abrir uns sulcos na carne, porque aí o tempero pega que é uma beleza.

Parece surpreendente comer costela de porco em cubinhos? Pois é, amigo.

O marido da mãe da amiga da minha filha fez este corte, e colocou ela pra assar só com sal grosso e deitou na grelha com o osso virado pra baixo. Ficou ali o tempo de detonarmos umas 5 cervejas cada. Ou 6, ou 7. Ah, foi um tempão.

Foi quando começou a coisa mais surpreendente do mundo. O cara pegou um vidro de vinagre vermelho, abriu e jogou a metade na pia. Ralo, fora, lixo. Abriu um vidro de Karo, e completou o de vinagre. Ou seja: tínhamos ali uma espécie de água suja, fruto de porções iguais de Karo e vinagre vermelho. Mas não era água suja, era molho agridoce. E bom demais, por mais surpreendente que isso possa parecer.

Quando a costela começou a fica macia, a brincadeira era ficar espirrando aquele líquido na costela, e virando. Traz o português aqui, que vai começar o vira-vira. Uma espirrada, uma virada. Outra espirrada, outra virada. Com o intervalo de algumas goladas de breja entre uma virada e outra.

Depois de um tempinho, o mel começa a virar uma casquinha, e esse é o milagre do surpreendente molho agridoce.

No frigir dos ovos, nessa receita não há ovos. Não, não é isso, eu queria esclarecer que a receita é só isso: costela quadriculada no fogo com sal, mezzo-vinagre, mezzo-Karo, vai borrifando, vira vira vira homem vira vira [/ney matogrosso] e tira quando tiver queimado [/ney matogrosso de novo].

Numa boa, eu detesto essas invencionices culinárias, sou contra as receitas de bacon com uva passa da dona ana, acho uma frescurada passar caramelo pra fazer desenhinho no fundo do prato, e abomino quem coloca folhinha pra decorar prato de macarrão. Logo, tinha de tudo pra eu achar essa receita um lixo. Mas não, a costelinha é muito, muito boa. O azedo do vinagre some, o doce do mel some, o salgado some, fica só um sabor único, saboroso. Recomendo, é surpreendente.

O resultado você vê aqui:


Refiz a receita na minha casa. Na ocasião, troquei o vinagre por uma mistura de limão, um dente de alho picotado e um ramo de alecrim. Mas, honestamente, ficou muito parecido.
Adendo: quando eu escrevo sobre algum amigo, alguma pessoa que conheço, eu sempre aviso, pergunto se posso expô-la aqui. Menos a ana maria braga, porque ela nunca responde aos meus e-mails kkk. Mas o fato é que eu não havia falado com o Edu antes de escrever este post, e tomei todo o cuidado para nem citar o nome dele. Por isso ele sempre foi descrito como "o marido da mãe da amiga da minha filha". Mas ele mesmo comentou aqui, se identificou e enfim. O papel de marido da mãe da amiga da minha filha aconteceu há uns bons anos, quando o conheci. Hoje, é um grande amigo e um cara que eu gosto muito, e o carinho e respeito que eu tenho por ele vai muito além do fato dele ter se casado com a mãe da amiga da minha filha. Resolvi colocar este adendo, pois reli o post e achei que a descrição que fiz dele ficou superficial demais perto do carinho que eu tenho por ele, e pela família que ele construiu. Valeu Edu!!
Custo: Montei um carrinho no supermercado do abilhão, dá uma olhada:



Rendimento: uma peça desse tamanho serve umas 3 ou 4 pessoas.
Tempo de preparo: vá dar uma volta de porsche e nem veja o tempo passar. nunca mais.


Como preparar um sanduíche de pernil matador

Nas categorias
Olha, não sei aí onde você mora, mas aqui na minha terra, esse sanduba é um verdadeiro clássico, capaz de fazer a gente rodar kilômetros enfrentando um trânsito do capeta, índices de poluição chineses e motoboy chutando espelhinho só pra saborear um verdadeiro Sanduíche de Pernil.

Pra quem não é daqui, eu dou a dica: aqui em São Paulo, temos o tal Mercado Municipal. Mercadão, como chamamos por aqui. Aliás, paulistano tem uma mania irritante de mudar o nome das coisas pro aumentativo. Um dia ainda mudo o nome desse blog pra Deitando o Gato no Grelhão.

Voltando ao mercadão: é um local da mais absoluta divindade no que tange comilança e bebelança. O mercadão é como uma feira, só que fica num ambiente fechado. Cada comerciante tem sua barraquinha, porém os produtos vendidos ali são a nata do que tem de bom pra comprar em termos de comida em SP. São temperos, carnes especiais, frutas exóticas, peixes, vinhos, queijos, condimentos, uma infinidade de coisas boas pra se comprar. Tudo com qualidade TOP. E tem, também, algumas lanchonetes famosas, principalmente, por dois motivos: O sanduíche de mortadela, e o sanduíche de pernil.

Se um dia vier à nossa caótica capital, não deixe de passar por lá, vai por mim. Vais comer o pão que o diabo amassou pra chegar, porque o mercadão fica no centro da cidade, e pra conseguir posicionar o esqueleto debaixo daquele teto, terás que suplantar todos os obstáculos anteriormente citados, além de outras bizarrices da nossa cidade, como moleque fazendo malabarismo com limão no farol (há! só paulistano chama sinal de farol), motoqueiro sendo recolhido pelo SAMU, mendigo com a camisa do corinthians (hahahaha zuei) e travesti na esquina usando biquini. Mas garanto que vai valer a pena. O sanduíche, não o travesti, ok?

Pois é, mas eu moro aqui, e não tenho a menor disposição de enfrentar isso tudo só pra comer um sanduba. E assim decidi fazer o meu próprio sanduíche de pernil. E senta-que-lá-vem-a-história, porque esse post é longo. Por um único motivo: a receita é complexa. Complexa, mas não difícil. Ou seja: você vai ter muito trabalho e vai demorar, mas não precisa ser um chef engomadinho e saber em quanto tempo a jaca verde da tunísia pega liga, basta ter paciência e um mínimo de cuidado que você vai conseguir.

Essa é uma receita muito louca, vai no forno, na panela e na geladeira. Você começa a preparar hoje, e só vai comer amanhã, vai comprar vinho vagabundo e ainda por cima ficar feliz com isso. Ah, uma maluquice só. Vem comigo fazer glu-glu e bora pra dentro dessa doidera.

Comecemos pela compra do pernil. Dirija sua carcaça ao supermercado mais próximo. Ou açougue. Ou qualquer lugar que seja capaz de vender um pernil decente. Abre essa sua mão de vaca e compra logo uma peça de pernil de porco, de aproximamente 1kg. Isso, nem precisa ser muito, 1kg dá pra encher vários sandubas.

Aqui tem um detalhe importante: tem partes do pernil que são mais secas, outras tem mais gordura. Prefira uma peça que tenha um pouquinho a mais de gordura. Isso não significa que você deva escolher uma peça que seja SÓ gordura, usa a cabeça e lembra que você não está fazendo sabão, está fazendo um delicioso sanduba de pernil.

Legal, então vamos fazer a caminha pra ele nanar. Procura um pote / frasco / refratário / tupperware ou seja lá o nome que se dá a isso, e joga o pernilzim dentro. Pense num pote (vamos chamar de pote) que caiba o pernil e mais um pouco. É importante deixar um espaço porque você vai jogar um monte de coisas pra nanar com ele, maaas.... é importante também não deixar muito espaço de sobra. Já, já eu explico porque, e você vai me dar razão.

Pro bichinho não ficar sozinho durante o soninho, corte uma cebola em rodelas e deita lá no pote. Nem precisa picotar, pode ser em rodelas mesmo. Só não seja ogro, gaste um tempinho nisso e faça direito, nada de cortar a cebola em 4 e dane-se.

Agora, uns 4 dentes de alho picotados. Sem segredo: pega o alho, descasca, picota, joga lá dentro e gol do Brasil.

Prepare as suas maracas que é hora da salsa, muchacho. Hombre que é hombre picota um maço de salsa e cebolinha e manda pra dentro do pote coçando o bigodón e arrumando o sombrero. Seja hombre, maricón, mira la salsa e manda pra dentro!

Não se esqueça do sal. Com comedimento. Olhe bem pro pernil, depois olhe bem pro sal, concentra essa mente abilolada e manda sal lá pra dentro. Não se esqueça que o sal deve apenas salgar, e não destruir o seu pernil. Então, guarda essa colher de sopa e salgue com cuidado. Tou confiando em você. Pode jogar um pouquinho daquela pimentinha que eu sei que você gosta, mas, de novo: tenha comedimento, isso aqui não é comida mexicana.

Agora vamos entender o porquê do tamanho do pote. Recapitulando: você pegou um pote, jogou pernil, cebola, alho, salsa e cebolinha, sal e pimenta, certo? A essa altura, o referido recipiente já deve estar cheio até a boca e você se pergunta: Mas que diabos, o que mais eu tenho que enfiar aqui dentro, se não cabe mais nem uma azeitona? Eis que então você se responde: Macacos me mordam, ainda cabe algum líquido aqui dentro. Isso, vamos encher de líquido. Mas calma aí, não estamos falando de qualquer líquido.

Estamos falando de vinho. Vinho branco. Vinho branco seco. Vinho branco seco vagabundo. Vinho branco seco vagabundo, mas nem tanto.

Captou?

Não?

Pensa comigo: o que você está fazendo é um marinado. Ou seja, a carne precisa ficar submersa em líquidos e condimentos. O líquido é vinho. Além de marinar a carne, o vinho ainda pode marinar a sua alma. É pra isso que ele serve, pra trazer alegria aos nossos embriagados coraçõezinhos, não?

Portanto, se você pegou um pote muito grande, vai precisar de muito vinho pra submergir a carne. Se você usou um pote do tamanho certo, vai precisar de menos vinho. E vai poder beber o que sobrou, com exatamente o mesmo efeito prático sobre a sua carne. Por isso o vinho tem que ser vagabundo, mas nem tanto. Porque você vai desperdiçar um tanto na carne, mas vai beber o resto. Um liebfraumilch de $7 resolve bem o problema. Meia garrafa no porco, meia garrafa na mente e tá feita a felicidade.

Olha lá, o pernil debaixo do tempero todo

Acabamos a primeira parte. Fecha bem o pote (esqueci de falar, ele tem que ter tampa), chacoalha como se não houvesse amanhã e bota a criança pra dormir no aconchego da sua geladeira.

Boa noite, já diria o cid moreira. Mas hoje em dia ele prefere falar jabulaaaaaaaaaaniiiiii. Vai dormir e amanhã a gente continua.

Acordou? Limpa essa remela e vai lavar essa cara. Bora pras panelas que o dia vai ser longo.

A primeira coisa que a gente vai fazer é mandar o nosso marinado pro forno. Despeja todo mundo numa bandeja, coloca um copo d'água pra fazer volume, cobre com papel alumínio e olha pro relógio. Faz a conta, você vai tirar aquilo do forno umas 2 horas depois. Tempo suficiente pra você preparar o resto das coisas, porque, te falei, essa receita dá um trabalho do cão.
Obs: O pernil tem que ficar no forno 2h. Mas isso depende do seu forno, por motivos óbvios. A partir da primeira hora, vale a pena abrir o forno de vez em quando pra avaliar. Se o líquido secar, joga mais água na bandeja. O pernil fica pronto quando você não aguentar mais o cheiro maravilhoso que sair do seu forno, digo, quando você espetar ele com o garfo, e parecer que está espetando uma manteiga derretida. Ele fica macio pra caramba.
Enquanto ele tá no forno, picote mais uns 3 dentes de alho, e guarde num pires. Corte mais umas 2 cebolas médias em rodelas, guarde numa xícara. Praticamente um chá, mas recomendo não beber cebola e alho no café da manhã.

Picote um tomate grande, dois pequenos ou um médio e meio, tanto faz. Faça as contas e tenha tomate picado, que você pode colocar num pratinho.

Pimentão, você vai precisar de bastante pimentão. Três, pra ser mais exato. Um de cada cor. Se você não sabe, as cores são vermelho, amarelo e verde. Picota os 3 e deixa num pote qualquer.

Confere como está o pernil. Se ele estiver macio e o cheiro estiver te enlouquecendo, o pernil está pronto. Retire ele da bandeja sem, necessariamente, jogar fora o líquido que sobra. Pega uma faca e tenha juízo nessa sua cabeçona, picotando o pernil sem comer tudo antes da hora e sem cortar esse dedão peludo.

Hora do refogado. Sabe o que é um refogado? É a base de um moooonte de pratos que você come e acha gostoso. Basicamente, uma fritura de cebola, alho e mais um monte de coisas.

Comece escolhendo uma panela grande, pense que você vai ter que colocar tudo isso que você preparou dentro dessa panela. Deite um pouco de azeite extra-virgem (já falei mil vezes que existe uma diferença gritante entre um azeite bom e aquele óleo que você jogava no tanque da mobilete, não preciso repetir, certo?) na panela e manda pro fogo.

Alguns segundos depois, jogue lá toda a cebola. Vai começar a fazer barulhinho, cheiro gostoso na cozinha, aquela coisa toda. Misture um pouco com uma colher de pau.

Sempre que eu faço refogados, costumo jogar uma folha de louro na hora da cebola. Ajuda a ficar mais bacana, pode confiar.

Assim que a cebola começar a murchar e ficar meio amarelinha, jogue o alho picotado. Essa é A HORA.  O cheiro é coisa de louco. Mexa um pouquinho pro alho dar aquela queimadinha bacana, e jogue todo o resto: pimentões e tomate.

O seu trabalho daqui pra frente é, basicamente, mexer essa coisa. Fica mexendo até os pimentões ficarem meio molengas. O pimentão é o ingrediente mais rígido da receita toda, quando ele estiver mole, todo o resto já tá sabendo que a pipa do vovô não sobe mais.

- ritmoooooo.... ritmo de feestaaaa...

Lembra do pernil? Já comeu tudo, ou você conseguiu segurar a gula? Jogue o que sobrou dentro da panela, picado pequeninho. Aproveite e mande pra panela também aquele resto de líquido que sobrou na bandeja. Aquilo é cebola, alho, vinho, caldo do próprio pernil... Não tem como ficar ruim, né?

Bacana, agora basta mexer até misturar bem, deixa ferver um pouquinho todo mundo junto, o recheio do sanduíche não pode ficar muito líquido, você deixa ferver até reduzir um pouco. Tá quase pronto, finalmente.

Recomendo roubar um pedacinho da panela, embora eu duvide veementemente que ainda não o tenha feito. Nesse momento, você pode corrigir o sal, se for necessário.

Enquanto ferve, mande alguém buscar pão fresco na padaria. Mande o dinheiro contado, você vai esquecer de pegar o troco, eu te conheço. Tome uma cerveja enquanto ferve, ainda não havia lembrado disso.

Pronto. O pessoal voltou da padaria, abra um pão, jogue o pernil lá dentro e seja feliz.

chora, ruth lemos: isso que é sanduíche-iche.

Rendimento: um monte. Dá pra fazer uns 10 sandubas fácil, fácil.
Tempo de preparo: um monte. Vire um escravo da sua própria cozinha.
Custo: O pernil vai custar uns $12. O pimentão é caro pra dedéu, você vai gastar uns $12 de pimentão, acredite. Cebola, tomate, alho e afins devem somar mais uns $5. Vinho vagabundo custa $7. Fora o pão. Pense que vai gastar umas 30 pratas, mas vai alimentar um monte de gente.


Drops de Churrasco - Ed. 4

Nas categorias
A copa acabou, a vuvuzela miou, a Espanha ganhou. E agora, José? E agora você? E agora lá vamos nós, voltando à programação normal mesmo sem nunca ter saído dela, abrindo a semana com mais um drops de churrasco, rapidamente churrasqueando sobre fatos absolutamente desimportantes acerca do nosso ambiente churrasquístico.

Começamos com a agradável visita que recebi aqui na minha casa, quando o leitor Caio Racca abriu mão da instituição dos Correios e veio até aqui buscar o seu prêmio. Ganhador bão é assim, esquece o Sedex, o cara vai buscar. Gente que faz. E ele fez. E ganhou o seu Kit Maturatta, ganhou um café e ambos ganhamos agradáveis minutos de boa conversa. Mais uma vez, agradecimentos mais que especiais ao Caio, ao pessoal da Maturatta (que é da Swift, Friboi, JBS, enfim. Essas empresas ficam se vendendo o tempo todo só pra gente não entender depois). Mas agradecemos do mesmo jeito, afinal: Quem bate uma bola na grelha fica _________ (complete com o seu trocadilho predileto). BRINKS!

Aliás, o Caio, quando veio buscar o seu prêmio, me lembrou de um detalhe. Certa vez, num comentário de alguém, eu disse que havia feito um sanduíche de pernil. Porém, eu nunca escrevi a receita desta iguaria aqui no blog. Devidamente lembrado, prometi a ele que o faria durante o feriado. Como de praxe, prometi e não cumpri. Acontece que uma barbeiragem tecnológica deste que vos escreve me fez passar o feriado todo off-line, olhando para a cara do modem 3G e sem saber o que fazer com ele. Como dizem os americanos, cocôs acontecem! E eu fiz um dos grandes. Diante do fato, nada me resta a não ser postar uma foto do referido sanduba aqui, e prometer mais uma vez que desta vez cumprirei a promessa não cumprida e aguarda aí que esta semana eu escrevo a receita. E posso garantir que vocês não vão se arrepender, esta é uma das melhores do meu maltrapilho repertório culinário.

Tem mais uma novidade, mas essa ainda não tem foto e nem prazo pra acontecer. Quem leu o post da resenha da Tramontana Grill, pode ver que fui acompanhado a tal recinto de meus amigos Luiz Caprioli e Vince Vader. Pois então, pra quem não sabe, o Vader é um especialista em games de toda a natureza. E no mesmo dia da resenha, ele me disse: Dani, vou fazer pra você um cardgame de churrasco. Sim, um jogo de cartas de churrasco. E não é que o cidadão fez mesmo, e não é que ficou legal, e não é que eu vou produzir e ofertar aos ilustres e iluminados leitores desta espelunca? Aguardem, vai ficar mega bacana.

Por enquanto é só, pe-pessoal. Aguardem por mais receitas. E a partir de agora, com fotos. Aprendi a usar a fabulosa máquina que ganhei, agora todos os posts de receitas virão devidamente ilustrados.


Resenha de churrascaria vagabunda: visita à Tramontana Grill

Nas categorias
Uma das coisas mais legais desse blog é o envolvimento dos leitores. Isso mesmo, você que está aí do outro lado da tela, babando e pensando naquela carne malpassada enquanto lê as estapafúrdias e catastróficas aventuras que cometemos atrás de um único objetivo: comer churrasco. Se você está duvidando, leia os comentários em qualquer post.

Pois esta semana fui surpreendido por um grupo de leitores. Leitores estes que respondem pelos singelos nominhos de Markito Mesquita, Luigi, Gordão e Japonês Fuleiragem. Recebi um e-mail do Markito Mesquita, o que me fez, acima de tudo, levar um baita susto.

Neste ponto, ter hipermetropia é uma coisa bacana, que pode te fazer dar boas risadas em momentos inesperados. Isto porque a hipermetropia, esta alegre e animadora anomalia da visão, pode confundir algumas letras na hora de ler alguma coisa sem óculos, e pra você dar risada, basta ter um inconsciente fanfarrão, o que este que vos escreve tem.

Isto posto, assim que chegou o email, estava eu sem os referidos óculos, e de pronto li que havia recebido um e-mail do Markito, o homem sem mosquito. Não sabe quem é? Vai no goooogle e ria.

Enfim, era o Markito Mesquita, que nada tem a ver com mosquito.

Markito Mesquita é leitor do blog, e ao ler a resenha da Tramontana Grill, aqui descrita, salivou. Salivou como nunca antes salivara. Rapidamente, recrutou um grupo de corajosos amigos, e dirigiu-se à Praça da Árvore, afim de saborear as iguarias que este que vos escreve, resenhara.

Daqui pra frente, passo a palavra para o leitor Markito Mesquita. E fica meu agradecimento pela confiança, e fico bastante feliz e confortável por não ter mentido na resenha.

Quinta-feira, dia 1 de Julho de 2010.
Cheguei normalmente ao trabalho, ao entrar no Twitter vi um RT com a palavra “churrascaria”. Como grande amante de carnes que sou, cliquei sem pensar e sem terminar de ler do que se tratava.
Era minha primeira visita ao Deitando o Gato na Grelha. Mal sabia eu como esse clique iria mudar o andamento do meu dia.
Por bondade do destino, o post do dia era sobre a Tramontanna Grill. Ao ver o texto longo imaginei que não iria conseguir ler até o fim... Estava errado, a cada linha eu me sentia praticamente dentro daquele templo carnívoro e econômico.
Terminei a leitura, e passei o dia em guerra com meu estomago, eu precisava conhecer aquele lugar! Não poderia esperar um ou dois dias. Decisão tomada, recrutei os participantes do sagrado evento. Pessoas escolhidas a dedo: Markito Mesquita, Luigi Perez, Marcelo “Fuleragem” Narita e Cássio “Gordão” Farhat! Horário marcado. E lá fomos.
Ao chegar no metrô, logo vimos aquela fachada sem qualquer sinalização. Apenas uma placa com o preço R$ 12,99. Sim amigos, a Tramontanna Grill existe! Não só existe como acabou de se tornar vital para o bom andamento da vida gastronômica dos 4 guerreiros presentes.
Atendimento incrível, carnes sangrando, cerveja gelada! Cada detalhe falado no review do blog é real! O sotaque, os detalhes, as carnes... Parecia que eu via um filme que já tinha lido o roteiro. E esse filme, meus caros, merece ganhar o Oscar!
O momento merecia um registro, por isso, anexo algumas fotos da nossa visita a esse lugar fantástico chamado Tramontanna Grill! Esse blog ganhou nossa confiança eterna.
Grande abraço. 
Markito Mesquita e cia carnivora.

Abaixo, as fotos enviadas pelo leitor. Parece que a coisa estava boa, por lá.

Note que, realmente, não tem placa na porta.

o interior do palácio, com a mesa de vegetais.

mesa surrada, ventilador desligado e quadro feio na parede.

olha a cara da rapazeada kkkk

Mais uma vez, Valeu Markito!!!


Quem quer ganhar um KIT MATURATTA? - RESULTADO

Nas categorias
Amigos, após essa rrrrridícula [/galvão bueno] eliminação do time dos amigos do Dunga, é com lágrimas nos olhos que eu digito a vocês que asl,cma sdlc sldkvn sdvmasjfac aksf baksbj kabj jksz k.

Droga, deixa passar um guardanapo nas lágrimas.

Pronto, tá limpinho.

Bom, voltando à vaca fria, eliminada e expulsa aos 20min do segundo tempo que eu comunico que o grande vencedor do sorteio do Kit Maturatta é o querido leitor:

CAIO RACCA

Grande garoto!! Entra em contato comigo através do e-mail danielwalterrodrigues@gmail.com e a gente vê como eu faço pra entregar o seu prêmio.

O sorteio foi meticulosamente auditado pela minha esposa e pelo meu filho de 4 anos. O sorteio foi realizado com toda a lisura e transparência: perguntei à minha prima um número entre 1 e 38, ela mandou 19 e tá lá o Caio Racca com a maturatta na mão. Só contar e ver o número do comentário dele.

Parabéns, garoto. Valeu À Swift-Friboi-Maturatta, valeu a todo mundo que participou.

Se alguém conhecer algum emprego novo pra oferecer pro Dunga, entra no twitter e manda #empregonovoprodunga. retranqueiro maldito.


Resenha de churrascaria vagabunda: Tramontana Grill

Este post foi escrito a 6 mãos, 30 dedos, 3 cabeças e outras coisas que eu nem quero citar aqui. Nesta empreitada, fui honoravelmente acompanhado pelos meus grandes amigos Luiz Caprioli e VinceVader, que meteram os seus cascos na produção desta resenha. Agradecimentos muito especiais pela boa companhia e pela ajuda com a primeira resenha de churrascaria vagabunda.

Dizem que futebol é uma caixinha de surpresas. Não é. Quem inventou essa bobagem não tem a menor idéia do quão surpreendente é a churrascaria que abre esta série. Uma surpresa atrás da outra, um lugar que, definitivamente, foi criado para alegrar os nossos malpassados coraçõezinhos. Vai vendo.

Se você já andou pelo metrô de São Paulo, provavelmente já passou pela estação Praça da Árvore. Pois o que você nem imagina é que logo acima da terra, nas imediações da estação Praça da Árvore, existe um gênio incompreendido, um verdadeiro templo da comida barata, antro da melhor gastronomia popular. Este mestre da culinária responde pelo nome de Tramontana Grill. Vai por mim, quando estiver no metrô, passando pela Praça da Árvore, cancele os seus compromissos, desça do metrô, caminhe pela rua Guaraú até o número 70 e separe $12,90 pra saborear o melhor churrasco que você pode comer com pouco dinheiro.

E a Tramontana Grill não é só excelente enquanto churrascaria, é um verdadeiro espetáculo, um local de diversão e arte. Entrenimento completo pra você pra toda a sua família.

Comecemos esta resenha pelo local. Pequeno, apertado, não tem placa na porta e não tem nada de mais. Mesas simples, toalha surrada, cadeira velha, enfim. Sinceramente, não esperava nada de luxuoso lá.

Sentamos na única mesa disponível, bem no centro da Tramontana, o que, pra quem conhece churrascarias, é uma boa estratégia, porque sempre tem garçom passando. Porém, na nossa mesa sentou-se também um cara, um desconhecido. Provavelmente devido à falta de lugar nas outras mesas. Azar o dele, teve de almoçar ouvindo a gente falar bobagem e comemorar os gols do paraguay. Mas como notei que, eventualmente ele segurava o riso, tudo beleza.

O atendimento foi um show à parte. Nada disso de fingir que você não existe, passar direto pela mesa, nada disso. Sem miséria, serviço 100%. Assim que chegamos, um simpático garçom paraibano veio nos perguntar, com sotaque gaúcho, quais as bebidas que gostaríamos de apreciar. Como não quis beber em horário comercial, pedi um guaraná com gelo e laranja, a melhor combinação de todos os tempos entre frutas e refrigerantes. Aliás, uma característica peculiar do local: todos os garçons, não importa de onde vierem, precisam ter sotaque gaúcho. Se a Tramontana contratar um garçom holandês, ele vai ter que aprender a falar bah, tche, chamar moleque de guri e levar guampo da patroa. O próprio Luiz notou que um dos garçons era barman do Madame Satã, e lá ele não usava sotaque gaúcho.

Isto posto, fomos checar a mesa das saladas. Peguei um prato, entrei na fila e coloquei nele algumas beterrabas. Foi quando eu me perguntei que diabos eu tava fazendo ali e larguei a fila pra lá, uma vez que eu não tinha ido à Tramontana pra comer salada. Pra quem gosta de desperdiçar espaço no estômago com salada em churrascaria, a mesa parecia bem completa, com folhas, verduras e todas as coisas coloridinhas que os nutricionistas dizem que fazem bem. O Vader foi mais saudável e acabou se servindo de alguns vegetais. Segundo ele, a mesa de saladas estava fabulosa, com picles, farofa e cebola aperitivo dignos de um manjar de rei egípcio, seja lá o que isso possa significar numa churracaria. Danem-se os vegetais, estamos aqui pra falar de CARNE.

Voltamos à mesa, e o ótimo atendimento já começou a mostrar os seus sinais. Os refris estavam na mesa, já no copo, excelência total. Porém, o meu guaraná com laranja não era um guaraná com laranja, e sim um guaraná com limão. Ficou ruim pra caramba, mas gostei do toque lúdico. Certamente, a primeira fanfarrice de uma equipe de garçons feita pra divertir você. Lembrei da propaganda da skol e achei redondo rir de mim mesmo. Ri redondo.

Imediatamente, um graçom bahiano com sotaque gaúcho me perguntou se eu queria alcatra. Sim, segurei um pedaço com aquele trequinho que eles deixam na mesa, e o garçom cortou um generoso pedaço pra mim enquanto a peça pingava na toalha. Deve ser pra deixar aquele cheirinho de carne no ar, coisa de gente criativa e solícita. Se meu companheiro Luiz sentisse vontade de comer mais alcatra, podia lamber a mesa. A carne, em si, estava razoável. Acho que a peça estava na mão do garçom há algum tempo, porque estava meio fria e, consequentemente, dura. Mas o sabor estava ótimo, carne bem no ponto, nota 7.

Na sequência, passou um garçom pernambucano com sotaque de gaúcho oferecendo um pedaço de fraldinha. Novamente segurei a carne com o trequinho, novamente pingou na toalha, enfim. Aí fomos surpreendidos novamente , porque a fraldinha estava sensacional. Temperada só com sal, sem nenhuma boiolice, mas muito saborosa. Dou a ela uma nota 9, sem pestanejar.

Depois da fraldinha, o japonês bateu o pênalti no travessão e a churrascaria levantou. Sensacional, acho que todo mundo lá na Tramontana estava com o mesmo sentimento que eu, aquele medo de ter que torcer "tcha, tcha" se algum time oriental ganhasse a copa. Enquanto isso, Vader dava nota 10 pra kafta.

Chegou a hora da picanha, trazida por um garçom alagoano com sotaque gaúcho. Enquanto a peça pingava na toalha, escolhi mais um pedacinho e peguei com o trequinho. Aliás, estávamos em 3 na mesa (fora o tiozinho desconhecido), e só tínhamos 2 trequinhos. Deve ser mais uma fanfarrice dos garçons. "Viu aquele cara pegando a picanha com a mão?", devem comentar os garçons no busão de volta pra casa. Entretenimento interno, coisa de gente alegre.

A picanha estava boa, como deveria ser uma picanha de churrascaria. Eles fazem aquele rolinho, espetam, salgam e deixam na churraca. Ela fica boa sempre. Se uma churracaria errar a picanha, corre dali que tem algum muito errado acontecendo. Nem vou avaliar, porque picanha é sempre nota 10.

Foi quando fomos surpreendidos novamente. Novamente. O gerente, um gaúcho com sotaque gaúcho, veio perguntar pra gente se a carne estava boa, se queríamos mais alguma coisa, se o atendimento estava divertido o bastante. Incrível, jamais imaginei que isso aconteceria num restaurante popular. Pedi mais um guaraná com laranja, o Vader pediu coraçãozinho (que depois se revelou outra iguaria) e o Luiz lembrou que não havia visto costela bovina. Quase pedi um pedaço de pão pra passar na toalha, aquilo devia estar delicioso.

O milagre do atendimento trouxe coraçãozinho enquanto o gerente ainda estava na mesa. 10 no coraçãozinho de frango, 10 no coraçãozinho da gente. Telepatia também é entretenimento. Se é entretenimento, é Tramontana Grill. O garçom rapidamente trouxe o meu guaraná, mas entregou ao Luiz. Definitivamente, não era o meu dia de tomar guaraná com laranja. Sorte que ele é um bom camarada e me devolveu o guaraná, desta vez com a laranja. Se fosse o tiozinho desconhecido, acho que eu ficava sem. Trouxe também um javali, que estava muito bom, nota 8. Tinha um temperinho especial nele, fabuloso.

A costela foi o ponto fraco do dia. Acho que, na tentativa de ser solícito, o gerente mandou tirar a costela antes da hora. Um garçom cearense com sotaque gaúcho trouxe um pedaço generoso, mas que não pingou na mesa, e parecia meio durengo, não tava legal, não. Nota 3.
Aqui temos uma discórdia, pois o Vader deu nota 10 à costela bovina. Ou seja: é loteria. No meio da costela boa, eles colocam uma duranga. Entrenimento é isso aí.
Pois é, se você pensa que acabou, fomos surpreendidos novamente, pela terceira vez. Um garçom maranhense com sotaque gaúcho apareceu com uma belíssima peça de cupim. Mais uma vez, repeti o procedimento com o trequinho e, antes que ele pudesse ir embora, gritei pra quem quisesse ouvir: pega um pedaço dessa porra!

A idéia era apenas comunicar ao Vader e ao Luiz que a carne estava muito boa, mas acho que exagerei um pouco no volume, e assustei o tiozinho desconhecido. Mas não pude me conter, aquele foi um dos melhores cupins que eu já comi na vida. Muito, mas muito melhor do que o meu cupim ao alho, famoso nos churrascos que faço. Macio, saboroso, carne bem molhada e com sal na medida, com uma casquinha por fora. Repeti duas vezes. Uma delícia, levou nota 10.

Enfim, chegou a hora de pagar a conta e levantar dali. Nos dirigimos ao caixa com a comanda na mão, dividimos a conta em 3. O custo final ficou em $17,00 pra cada um, uma bagatela. Preço de banana, mas é carne, que é muito melhor do que banana.

E se você pensa que a fanfarrice termina aí, está muito enganado. Eu pedi um cartão da Tramontana pro cara do caixa, que se assustou e deixou a máquina da Visa cair no chão. Sorte que eu já havia acertado a minha parte, porque a partir daí, ninguém mais pagou com visa. Enquanto isso, outro garçom deixava cair um copo d'água no Vader, acredita? Uma fanfarrice atrás da outra, só pra nos alegrar. E alegres ficamos, 100% de aproveitamento.

Pra finalizar, o site da Tramontana Grill é um espetáculo à parte. O preço tá errado (no site mostra 14,99, mas é 12,99), os garçons da fotos são os mesmos, o logo é o mesmo, mas o ENDEREÇO NÃO É O MESMO. Isso mesmo que você leu: o endereço, localização, mapa no site, fotos do local estão todos errados. Mas os garçons que aparecem na foto trabalham mesmo lá. Isso significa que eu não errei de site, o site que errou de churrascaria. Mais uma trapalhada meticulosamente calculada pra nossa diversão. Pensa que é num lugar, vai no outro. Sensacional, adorei! Deve ser por isso que não tem placa na porta.

Tramontana Grill é um lugar que eu recomendo. O Deitando o Gato na Grelha aprova, bate o carimbo e garante com o selo "ESSA CHURRASCARIA VAGABUNDA É 10".

Tramontana Grill, obrigado por você existir.


Resenha de churrascaria vagabunda

Nas categorias
Quem aqui nunca pisou naquele restaurante mequetrefe, aquela pia de porco? Aquele caso clássico, que você entra, se arrepende de ter entrado, tenta fugir, mas sempre aparece aquele garçom solícito que te convence a ficar e degustar aquela comida gordurosa, aquela salada mal-lavada, aquele pão surrado.

Quem nunca passou por uma situação assim que atire o primeiro coliforme.

Por outro lado, sempre tem aquele boteco porco que aparentemente não vale nada, e acaba por lhe proporcionar momentos do mais puro deleite, lhe permite cravar os dentes em iguarias nunca dantes vistas, verdadeiras maravilhas da culinária popular.

- bem passado, no capricho pro cliente da mesa 3!

Pois te cuida Fasano, te cuida Fogo de Chão, porque a partir de agora, este blogueiro, em defesa dos leitores desta esplunca e dos botecos injustiçados deste Brasil varonil, sai em busca das maravilhas encontradas em restaurantes baratos e churrascarias vagabundas mundo afora.

Seja bem-vindo, traga os amigos, limpe os pés antes de entrar e prepara aquele velho e surrado ticket refeição, porque começa aqui a mais nova série deste blog: resenha de churrascaria vagabunda.

PS: Ainda tá valendo a promoção do Kit Maturatta, vai até amanhã, dia 2 de junho! Leia o post anterior!


Blog Widget by LinkWithin