Follow me on Twitter RSS FEED

Deitando o cachorro na grelha

Nas categorias
Caros amigos, isso aqui não é um post típico do DGG. Hoje, nós não vamos falar de nenhuma receita, nem nada relacionado a churrasco. Quer dizer, até que a nossa personagem aqui se dá bem nos churrascos de casa. Afinal, a costela tem osso, e quando a gente come a carne, é preciso dar um fim pro osso, né? E hoje falamos de uma exímia comedora de ossos.

Pra quem não conhece, eu apresento aqui a Preta. Preta, manda um oi pra rapazeada ae.

au.

Se você, em tempos de politicamente correto, se arrepiou com o fato de eu te apresentar alguém que responde pela alcunha de Preta, é porque você ainda não conheceu a figura. E vem comigo conhecer, você não vai se arrepender.

A Preta é, na realidade, uma cachorra. Uma vira-latas daquelas, orgulho da raça. Ou da falta de raça. Ou do excesso, sei lá. Vira-latas são o produto final de uma verdadeira farra da miscigenação baseada na irresponsabilidade. Na putaria, falando claramente. Vira-lata não tem critério na escolha de parceiros, não tem bonito ou feio, nada disso. Vira-lata não tem nota de corte, não tem critério de desempate. Latiu, é parceiro. Abanou o rabo, tou dentro! Esse é o pensamento. No campeonato da evolução viralática, todo mundo é campeão e todo mundo cai pra segunda divisão ao mesmo tempo.

Vira-latas levam consigo a carga genética de um sem-número de outros cachorros, com seus defeitos e qualidades. E, que me perdoem os barões quadrúpedes de apartamento, mas os vira-latas tendem a levar consigo o melhor da genética disponível. E assim é a Preta: uma cadela geneticamente privilegiada, abençoada pelos caprichos do aleatório. Inteligente, esperta, viva, moleca, detentora da eterna gratidão e carência que só tem que já sofreu na rua.

Vi a Preta pela primeira vez numa gaiolinha da Cobasi. Aquele bichinho pretinho, acuado e com olhos vibrantes me cativou na hora. Ah, pra quem não conhece, a Preta fala com os olhos. Mais um vestígio de genialidade genética, tenho em casa um cachorro telepata. E o que aqueles olhos me disseram foi "vai, patrão. Me leva pra casa, eu tenho tudo pra ser um bom cachorro, você não vai se arrepender!". Eu não pude deixar de concordar com um cachorro que entende de telepatia, e decidi levá-la para casa. Quintal razoavelmente grande, crianças, churrascos, ossos depois dos churrascos... tinha tudo pra dar certo.

Uma breve analisada nas suas patas grossas, e me veio um questionamento. Perguntei à moça da Cobasi: "Moça, será que ela cresce muito?". A resposta, brilhante, foi: "Vira-lata é loteria".

Bom, parece que eu acertei as seis dezenas. A Preta cresceu, e se tornou um grande, forte, belíssimo e vistoso vira-latas. Bem tratada, limpa e alimentada, parece até cachorro de raça. Se não fosse a ponta do rabo branca denunciando a ausência de pedigree, diria que se trata de um cachorro valioso quando, na verdade, vale o mesmo que uma colherada de margarina. Rasa.

Barata no valor econômico e caríssima no sentimental, a Preta fez valer cada segundo dos quase 3 anos em que ocupa o quintal lá de casa. Muito carinhosa, inteligente, malandra como todo vira-lata tem que ser, e sem nunca ter dado o menor indício de violência. Fato impactante pra quem tem crianças em casa. Boazinha, essa é a alma da Preta.

- gente, olha a minha cara de gente fina.

Bom, o problema com a loteria é que ela se tornou, na realidade, o meu grande dilema. Explico. Ela cresceu. Muito. Do alto dos seus 3 anos de idade, a Preta virou um vira-lata forte, da altura de um doberman, pesando seus trinta e poucos kg.

Eu moro em prédio. Mas não pense que eu prendo um cachorro grande nos poucos metros quadrados de um apartamento, não. Por um milagre da arquitetura lúdica, no meu apartamento eu tenho um quintal generoso, e posso garantir que a Preta não passa aperto, não.

A questão é que, antes da Preta, já era proibido manter cachorros grandes no prédio. Mas eu não sabia o quanto ela cresceria, e ela cresceu, e eu ignorei solenemente a regra. Bola pra frente.

Acontece que vivemos em sociedade e, ao contrário dos vira-latas, que dedicam suas vidas civilizadamente ao exercício da malemolência, nós somos uns tapados e não conseguimos compreender os limites aceitáveis das coisas. Pra isso, fazemos leis e as seguimos.

Alguns vizinhos, que não necessariamente moram num apartamento com quintal e não tem espaço pra manter um cachorro grande, começaram a encher o condomínio com animais de grande porte, aprisionados em apartamentos de 80 metros quadrados. Esses cachorros ficam sozinhos, latem, fazem algazara, fazem sujeira. Eles são cachorros, ora. E devem mesmo fazer as coisas assim. Mas não num espaço confinado. Não num espaço que é compartilhado com outros. E isso incomodou, justamente, os outros.
Que reclamaram, e agora exigem o cumprimento da regra. Regra esta que, embora injustamente, precisa se aplicar a mim, e precisa se aplicar à Preta.

Semana passada recebemos um comunicado. Todos os apartamentos que mantivessem cachorros de médio e grande porte, deveriam se desfazer dos mesmos, cumprindo a lei número qualquer coisa do estatuto blablabla do edifício condomínio jardins.. sei lá, da Babilônia.

O fato é que eu estou errado e preciso obedecer. A genética foi generosa com a Preta, que cresceu e virou um belo, alegre e saudável cão. Mas foi traiçoeira com uma vira-latinha que saiu das ruas, foi acolhida pela ong que trabalha com a Cobasi, e posteriormente ganhou uma família, com casa, comida, crianças, alegria, amor e carinho. E agora precisa perdê-la.

Vou manter a Preta no meu quintal, desafiando o condomínio, até que comecem a chegar as multas.
Aí, não poderei mais lutar. Até lá, tenho o desafio de arrumar um novo lar pra ela. Gente que goste de cães, que tenha espaço, que possa dar a ela uma vida boa, como a que ela tem hoje. Gente que eu saiba que não vai soltá-la numa rua desconhecida quando chegar a viagem de férias, gente que vai alimentá-la com o mesmo zêlo, que dê carinho e assistência pra ela. Pra que ela possa continuar a alegre existência dela com a malandragem e felicidade que se a gente só vê nos olhos de um vira-latas.

Na verdade, esse texto foi escrito há alguns meses, e deixei a coisa andar. Até que o cerco apertou, e a situação está se tornando mais difícil. De forma que aqui estou, pedindo àqueles que tem melhores condições de cuidar dela, que se apresentem. Infelizmente, este blog nem está aqui pra isso, mas tenho que recorrer. Agradeço.
Bom, agora que já falamos da parte ruim, sente o paparazzo da moça:





32 comentários:

Angela Machado disse...

Nossa Daniel que chato.. eu não sei o que faria se tivesse que se desfazer da minha melhor amiga... provavelmente eu mudaria de casa! porque eles passam a ser parte da nossa família, e se desfazer deles é impossível.
Boa sorte na sua impreitada! tomara que você encontre um bom lar para ela!
grande abraço.
www.quasecheff.blogspot.com.br

Daniel Rodrigues disse...

Oi Angela, tudo bem?

Pois é, é uma situação complicada, tentei lidar até o fim, mas no frigir dos ovos, eu estou errado. Já estava antes, só não imaginava que ela fosse crescer. Mas eu estou tentando colocar ela numa casa legal, com espaço, família e tudo o que ela ama. Tenho fé que vai dar certo.

Ah, mudar de casa aqui é impossível. por vários motivos, que não cabem ao blog agora. Mas já foi cogitado, saiba disso..

um detalhe: visitei o "quase chef", você tá mandando bem!! Só que digitou o endereço errado. pessoal, é quasecheff.blogstpot.com

Abs
Daniel

Anônimo disse...

Cadê o João?

Esse seria o cara perfeito para a Pretinha. Gente boa, com amplo espaço e, o melhor, excelente gourmet. A cadelinha iria se esbaldar.

Abs.

Daniel Rodrigues disse...

Fala Parceiro!

Sabe que o primeiro nome dela foi mesmo "Pretinha"? Tá até escrito na casinha dela kkk..

Só que a bicha cresceu, e não tem cabimento chamar um bichão desses no diminutivo hehehehe

Não sei do João, mas é isso mesmo que eu procuro pra ela: quintal, gente boa, etc..

abs
Daniel

Anônimo disse...

Daniel, jogo rápido aqui.
Não existe lei (nem de condomínio, ok?) que obriguem a ninguém tirar o cão de edifício e tal, independente do tamanho, raça e credo.
Te informa com alguém de ONG ou sociedade protetora, que eles estão mais por dentro que eu.

É isso

Abs

Carlos Sá

Daniel Rodrigues disse...

Fala Carlos

sim, eu sei disso. Já consultei um advogado, e descobri que posso brigar até o último fio de cabelo pra manter a Preta aqui. Mas o condomínio também tem como infernizar a minha vida em relação a isso...

Enfim, estou tentando todas as alternativas. Se eu conseguir um lugar legal pra ela, ok. Se não, continuamos a fundo com a briga.

Que situação, né?

Abs
Daniel

Carlao disse...

Velho, sempre tive cachorro... e na maioria vira lata...

so fa do teu blog e te falo q nao deve ser facil sua situação... vivi isso a uns anos devido meu aquario nao sustentar nestas estantes de casas bahia da vida... e tive que me desfazer (so um detalhe ele pesava mais de 200kilos...rs).

hoje tenho a filo... uma pincher vira lata... por sorte ainda moro com quintal... mas tb provavel mude pra um ap... to ate vendo ja...

cara abraço sincero... e que voce ache um lugarzinho abençoado pra ela... tb concordo... joao mais um voto pra vc ficar com ela!!!rs

abraço a todos e bom final de semana

Daniel Rodrigues disse...

E ae Carlão, beleza?

Pois é, não é fácil não. Me sinto o Bial eliminando alguém que tava no paredão.. heheh

Po, coitado do João. Foi só ele falar que tem um quintalzão que acabou herdando a coisa hehehehe

Abs
Daniel

Renata disse...

Dani, o Lucas perguntou se euquero adotar a preta, que por ele tudo bem... rs bem que agente queria, mas aqui onde agente mora tbm é proibido animais de grande porte.
Vo ajudar a divulgar no facebook tbm..
Bjão Primo

ah.. e como diria a D. Ivette, "..é uma beleza ler um texto bem escrito!" Parabéns!

Daniel Rodrigues disse...

Ow, Rezinha, que bacana você por aqui!!!!

Relaxa, a Preta vai acabar achando um lugarzinho bacana pra ela, bola pra frente.

Texto bem escrito quem faz é a Dona Ivette (pra quem não sabe, a Re é minha prima, e a D. Ivette é a dona vó).

Valeu querida

Bjo
Dani

João disse...

Olha o João aqui, galera!!
Nossa, judiera mesmo, heim Daniel?! E as crianças, então!!,
Sabe,meu filho trouxe um rottweiler aqui pro sítio, semana passada. Prendeu o coitado lá no fundo do aterro do açude para latir no caso de alguma visita indesejada. Tô morrendo de dó do bicho.
Essa tal de "Preta" seria ideal para mim, pois é mansa e gosta de crianças (e eu tenho um monte de netos). Será que ela come pinto, patinho, coelhinho,etc?. Tentei criar alguns cachorrinhos, desde novinhos pra ver se acostumavam com as aves mas todos acabavam matando algumas, mesmo sem querer, na brincadeira.
É permitido enviar cães por SEDEX? rsrs
Abs
João

Polly e Wago disse...

Daniel, bom dia!
Não podemos ajudar com a Preta, moramos no interior do Paraná... Boa sorte na busca!

Conhecemos o blog hoje, através do Oráculo - digo, Google - atrás de orientações pra preparar um bom pernil de carneiro. Encontramos um post teu de 2009, fantástico, deu tudo errado mas no fim deu tudo certo! Parabéns pelo blog, adoramos e já está nos nossos Favoritos! Forte abraço e bom domingo!

Caio Racca disse...

Cara,

Que meleca...

Eu posso dizer que conhecia Preta e não me pareceu tão grande assim... Não tem outro jeito?

Boa sorte,

Caio Racca

Daniel Rodrigues disse...

João

não sei se ela comeria, não. Pelo menos a Bo ela não comeu. A Bo é uma poodle forte como um... como um pintinho hehehee

se quiser, podemos marcar pra você conhecer o trambolho, digo, a Preta hehehe

Abs
Daniel

Daniel Rodrigues disse...

Polly e Wago, tudo bem?

Obrigado pela força, com essa positividade toda, daqui a pouquinho a Preta vai estar bem.

Que bom que gostaram do blog, fico feliz.

Grande abraço
Daniel

Daniel Rodrigues disse...

Falae Caio, tudo bem?

Pois é, quando você foi lá ela ainda estava em fase de crescimento.. agora já ficou bem maior mesmo....

Valeu pela força!

Abs
Daniel

Emerson Luiz disse...

Putz, Daniel, que situação foda!
Faz uma cara que acompanho teu blog, e sempre indico pros meus amigos, mas comentei somente uma vez aqui.
Depois de ler esse post, tive que me solidarizar com você. Tenho dois cachorros em casa, e não há a mínima possibilidade de eu doar um deles.
Espero que consiga doar a Preta para algum amigo seu, ou parente, para que você consiga manter contato com ela. Você e suas crianças.
Abração, e força aí!

Daniel Rodrigues disse...

E aí, Emerson, tudo bem?

Pois é, cara... que situação, ne? O complicado é que eu estou mesmo errado, não podia ter cachorro grande aqui antes da Preta.. O problema mesmo foi que a Preta cresceu, né?

Valeu pela força, a garota vai acabar ganhando uma casa bacana

Abs
Daniel

Carlao disse...

Fala ai daniel! blz?

como é? acho algum lugar pra pretinha ja??? atualiza ai pra nóis...

abraço do ogrocarlao - valinhos

Cinemusique disse...

Dani, quero saber tb com anda a história da Preta! Minha mãe tb tem dois vira-latas que são pretos, eles se chamam Vinil e Vitrola. Vinil chegou primeiro, da Sunipa, lá de Niterói. Depois minha mãe pegou a Vitrola na rua, toda ferradinha (na loteria dela ela ficou pequenininha). Ela tem esse nome (eu que dei!) pq veio pra tocar o coração de Vinil, que anadava meio endurecido, hehehe.
Essa história do seu prédio é muito chata, no caso de vcs que têm um quintalzão (que eu vi e comprovo! e vi a Preta tb e comprovo td que vc disse sobre ela!) a coisa deveria ser reconsiderada...

Daniel Rodrigues disse...

Falae gente..

Putz, ainda não conseguimos dar um bom caminho pra essa história, não.. A Preta ainda tá no quintal, fazendo farra do jeito dela.. e o pessoal do condomínio ainda tá bravo, enfim... Bola pra frente.

Abs
Daniel

Anônimo disse...

Oi Primo! kkkkkkk

Todo mundo fica fã dos seus textos né?
Eu já sou muito fã e tô aqui há pouco tempo.
Lamento muito pela Preta... temos um em casa, e como já disseram aí, eles fazem parte da família.
Fico aqui na torcida por um final feliz.
Abs
Grécia Rodrigues (Prima kkkkkkkk)

Daniel Rodrigues disse...

Opa, olha só!!! Mais um legítimo representante da malemolência portuguesa! hehehe

Tem Rodrigues pra todo lado nesse mundo. Acho que o primeiro Rodrigues, o cara que inventou o sobrenome, realmente comeu meio mundo e espalhou esse gene ruim pelos 4 cantos do universo hehehehe.

Semana passada fui numa entrevista, o meu entrevistador era um português muito gente boa, e adivinha o nome dele: Sérgio Rodrigues. Mais um primo kkkk

Bom, sobre a Preta... Ainda não consegui nada, acredita? Tou começando a ficar preocupado.. Enfim, eu acabo me achando.

Abs
Daniel, o primo da Grécia

Anônimo disse...

Fala meu velho!
Tem churras nesse blog?

Daniel Rodrigues disse...

Fala parceiro.

Tem. Tem cachorro também. Isso aqui é uma farra

abs
Daniel

Anônimo disse...

Oi Daniel, td bem?

Só pra constar, adoro o jeito que vc escreve, acompanho sempre o blog!

Vc já conseguiu um lugar pra preta?

Eu me mudei essa semana para uma casa que tem quintal na frente e atrás, tenho dus virinhas adotadas da rua, resumindo amo cachorros e já passei por essa situação de ter que dar um amigo por conta do condomínio encher o saco...

Gostaria de conhecer a preta, quem sabe, se ela gostar de mim, do meu filho e das minhas pretas ela pode fazer parte da familia.

Me manda um e-mail e a gente conversa
jumababy@hotmail.com

Abs.

Ju

Daniel Rodrigues disse...

Opa, que bacana, Ju!!!

Vou te mandar um e-mail, sim, vamos apresentá-la à Dona Preta!

Abs
Daniel, torcendo por um final feliz para a Preta :-)

Daniel Rodrigues disse...

Ah, e obrigado pelas palavras.

Fico feliz que goste do blog :-)

Abs
Daniel

Dea disse...

Como está a novela da Dna. Preta? Nossa, tinha um tempo que não acompanhava o blog e qdo vejo me deparo com essa notícia triste?! Mas tenho uma amiga numa situação parecida, doando 2 labradores machos e irmãos...Moro no interior e tenho um Sr. terreno e se tivesse condições por mim pegava todos os três...BOA SORTE MESMO ASSIM Daniel. Abraço...esposa de um Rodrigues

Daniel Rodrigues disse...

Oi Dea

A novela está querendo caminhar pra um final feliz. Torçamos todos, quem sabe a Pretinha não ganha uma nova família

Obrigado pelas palavras

Abs
Daniel

Anônimo disse...

Conheci o blog só hj, enquanto estava procurando uma receita de picanha no alho (por falar nisso, vou tentar sua receita hj, me deseje boa sorte :)) Acabei lendo outros posts e fiquei comovida pela Preta.
Como foi o desfecho dessa história? Conseguiu um final feliz?
Abs,
Danielle (e, por coincidencia, Rodrigues tbm)

Daniel Rodrigues disse...

Oi Danielle, tudo bem?

Boa sorte aí com a picanha.... não se preocupe, essa aí não tem o que errar, moça.. Amanhã eu farei um churrasco depois de muito tempo fora da atividade... foi bom vc ter lembrado disso, vou preparar uma piqueta com alho sim..

O lance da Preta acabou bem, sim... Apareceu um cara que tinha uma pizzaria, se apaixonou pela cachorra e levou ela pra morar com ele na pizzaria...

Abs
Daniel Rodrigues

Postar um comentário

Torrou a picanha? Fez a receita e não deu certo? Dúvidas, sugestões, vai encarar? Escreve aí o que quer, mas não coloca propaganda que isso aqui não é a casa da sogra.

Blog Widget by LinkWithin