Follow me on Twitter RSS FEED

Deitando o cachorro na grelha

Nas categorias
Caros amigos, isso aqui não é um post típico do DGG. Hoje, nós não vamos falar de nenhuma receita, nem nada relacionado a churrasco. Quer dizer, até que a nossa personagem aqui se dá bem nos churrascos de casa. Afinal, a costela tem osso, e quando a gente come a carne, é preciso dar um fim pro osso, né? E hoje falamos de uma exímia comedora de ossos.

Pra quem não conhece, eu apresento aqui a Preta. Preta, manda um oi pra rapazeada ae.

au.

Se você, em tempos de politicamente correto, se arrepiou com o fato de eu te apresentar alguém que responde pela alcunha de Preta, é porque você ainda não conheceu a figura. E vem comigo conhecer, você não vai se arrepender.

A Preta é, na realidade, uma cachorra. Uma vira-latas daquelas, orgulho da raça. Ou da falta de raça. Ou do excesso, sei lá. Vira-latas são o produto final de uma verdadeira farra da miscigenação baseada na irresponsabilidade. Na putaria, falando claramente. Vira-lata não tem critério na escolha de parceiros, não tem bonito ou feio, nada disso. Vira-lata não tem nota de corte, não tem critério de desempate. Latiu, é parceiro. Abanou o rabo, tou dentro! Esse é o pensamento. No campeonato da evolução viralática, todo mundo é campeão e todo mundo cai pra segunda divisão ao mesmo tempo.

Vira-latas levam consigo a carga genética de um sem-número de outros cachorros, com seus defeitos e qualidades. E, que me perdoem os barões quadrúpedes de apartamento, mas os vira-latas tendem a levar consigo o melhor da genética disponível. E assim é a Preta: uma cadela geneticamente privilegiada, abençoada pelos caprichos do aleatório. Inteligente, esperta, viva, moleca, detentora da eterna gratidão e carência que só tem que já sofreu na rua.

Vi a Preta pela primeira vez numa gaiolinha da Cobasi. Aquele bichinho pretinho, acuado e com olhos vibrantes me cativou na hora. Ah, pra quem não conhece, a Preta fala com os olhos. Mais um vestígio de genialidade genética, tenho em casa um cachorro telepata. E o que aqueles olhos me disseram foi "vai, patrão. Me leva pra casa, eu tenho tudo pra ser um bom cachorro, você não vai se arrepender!". Eu não pude deixar de concordar com um cachorro que entende de telepatia, e decidi levá-la para casa. Quintal razoavelmente grande, crianças, churrascos, ossos depois dos churrascos... tinha tudo pra dar certo.

Uma breve analisada nas suas patas grossas, e me veio um questionamento. Perguntei à moça da Cobasi: "Moça, será que ela cresce muito?". A resposta, brilhante, foi: "Vira-lata é loteria".

Bom, parece que eu acertei as seis dezenas. A Preta cresceu, e se tornou um grande, forte, belíssimo e vistoso vira-latas. Bem tratada, limpa e alimentada, parece até cachorro de raça. Se não fosse a ponta do rabo branca denunciando a ausência de pedigree, diria que se trata de um cachorro valioso quando, na verdade, vale o mesmo que uma colherada de margarina. Rasa.

Barata no valor econômico e caríssima no sentimental, a Preta fez valer cada segundo dos quase 3 anos em que ocupa o quintal lá de casa. Muito carinhosa, inteligente, malandra como todo vira-lata tem que ser, e sem nunca ter dado o menor indício de violência. Fato impactante pra quem tem crianças em casa. Boazinha, essa é a alma da Preta.

- gente, olha a minha cara de gente fina.

Bom, o problema com a loteria é que ela se tornou, na realidade, o meu grande dilema. Explico. Ela cresceu. Muito. Do alto dos seus 3 anos de idade, a Preta virou um vira-lata forte, da altura de um doberman, pesando seus trinta e poucos kg.

Eu moro em prédio. Mas não pense que eu prendo um cachorro grande nos poucos metros quadrados de um apartamento, não. Por um milagre da arquitetura lúdica, no meu apartamento eu tenho um quintal generoso, e posso garantir que a Preta não passa aperto, não.

A questão é que, antes da Preta, já era proibido manter cachorros grandes no prédio. Mas eu não sabia o quanto ela cresceria, e ela cresceu, e eu ignorei solenemente a regra. Bola pra frente.

Acontece que vivemos em sociedade e, ao contrário dos vira-latas, que dedicam suas vidas civilizadamente ao exercício da malemolência, nós somos uns tapados e não conseguimos compreender os limites aceitáveis das coisas. Pra isso, fazemos leis e as seguimos.

Alguns vizinhos, que não necessariamente moram num apartamento com quintal e não tem espaço pra manter um cachorro grande, começaram a encher o condomínio com animais de grande porte, aprisionados em apartamentos de 80 metros quadrados. Esses cachorros ficam sozinhos, latem, fazem algazara, fazem sujeira. Eles são cachorros, ora. E devem mesmo fazer as coisas assim. Mas não num espaço confinado. Não num espaço que é compartilhado com outros. E isso incomodou, justamente, os outros.
Que reclamaram, e agora exigem o cumprimento da regra. Regra esta que, embora injustamente, precisa se aplicar a mim, e precisa se aplicar à Preta.

Semana passada recebemos um comunicado. Todos os apartamentos que mantivessem cachorros de médio e grande porte, deveriam se desfazer dos mesmos, cumprindo a lei número qualquer coisa do estatuto blablabla do edifício condomínio jardins.. sei lá, da Babilônia.

O fato é que eu estou errado e preciso obedecer. A genética foi generosa com a Preta, que cresceu e virou um belo, alegre e saudável cão. Mas foi traiçoeira com uma vira-latinha que saiu das ruas, foi acolhida pela ong que trabalha com a Cobasi, e posteriormente ganhou uma família, com casa, comida, crianças, alegria, amor e carinho. E agora precisa perdê-la.

Vou manter a Preta no meu quintal, desafiando o condomínio, até que comecem a chegar as multas.
Aí, não poderei mais lutar. Até lá, tenho o desafio de arrumar um novo lar pra ela. Gente que goste de cães, que tenha espaço, que possa dar a ela uma vida boa, como a que ela tem hoje. Gente que eu saiba que não vai soltá-la numa rua desconhecida quando chegar a viagem de férias, gente que vai alimentá-la com o mesmo zêlo, que dê carinho e assistência pra ela. Pra que ela possa continuar a alegre existência dela com a malandragem e felicidade que se a gente só vê nos olhos de um vira-latas.

Na verdade, esse texto foi escrito há alguns meses, e deixei a coisa andar. Até que o cerco apertou, e a situação está se tornando mais difícil. De forma que aqui estou, pedindo àqueles que tem melhores condições de cuidar dela, que se apresentem. Infelizmente, este blog nem está aqui pra isso, mas tenho que recorrer. Agradeço.
Bom, agora que já falamos da parte ruim, sente o paparazzo da moça:





Especial Churrasqueiras: o semi-deschurrasqueirado

Nas categorias
Começamos este fatídico post logo de cara comunicando aos nobres leitores a ocorrência de um prejuízo. Zica, catimba, chulé, chame como quiser, mas a verdade clama, e é com as calças na mão que nós somos obrigados a admitir que Houston, we have a problem, porque a partir de agora, eu sou um semi-deschurrasqueirado. Pernas pra que te quero e salve-se quem puder!

Antes que você possa dizer Adeus, mundo cruel, o escriba aqui castiga as pedras do teclado pra elucidar ao mais enigmático leitor o que é um semi-deschurrasqueirado. Comecemos, ora pois, pelo começo.

Semi é aquele que é quase. Semi-Deus é um cara quase Deus. Semi-analfabeto é um cara que quase não sabe ler, e semitério é o lugar pra onde eu vou, se continuar maltratando o português só pra encaixar o trocadilho. Ou seja, o semi é aquele que chega perto mas não leva. Não leva a medalha de ouro, não vai pro pódio, não tem pedigree, não deixa cheiro e não solta as tiras [/havaianas feelings]. Rubinho Barrichelo é um semi-piloto, por exemplo.

Então você entendeu que eu estou quase em alguma coisa, certo? E essa coisa que eu estou quase é deschurrasqueirado. Vem comigo desvendar mais essa fanfarrice morfológica da nossa linda e pulsante língua portuguesa de desportos. O "Des" sempre lembra a perda. O curintia, recentemente, foi DESclassificado da copa Libertadores 2011 pelo Tolima kkkk.

Quando a gente coloca o ado/ada no final da frase, estamos dando um sentido de posse àquela expressão. "Mamãe, estou gripado". Significa que eu tenho, sob minha posse, uma gripe. "Muita cerveja me deixa mamado", significa que eu, após a ingestão de quantidades industriais de cerveja, adquiro mamas. E, como subsequente, nelas mamo, ficando mamado. Não, não mamo nas minhas próprias mamas, mas você entendeu o que eu quis dizer.

Esse é o sentido da coisa. O cara semi-deschurrasqueirado, no caso, EU, está quase sem churrasqueira.

Vou contar a história da minha churraca.

Há alguns anos atrás, eu morava num apartamento muito bacana, que tinha uma sacadinha modesta. Era uma casa muito engraçada, aquela coisa toda, e não me interessava se ela não tinha teto, não tinha nada, ou se as pessoas não podiam fazer xixi. O que importava era a sacadinha. Além da sacadinha, eu tinha uma churrasqueirinha de alumínio, que me acompanhava todo santo final de semana, corajosamente desafiando as leis do condomínio e periculosamente esfumaçando as retinas dos meus vizinhos.

Até que surgiu uma oportunidade e eu fui morar em outro apartamento, este com regras de condomínio mais flexíveis, e no lugar da sacada, um quintal. Pois é, um apartamento com quintal é tão paradoxo quanto uma moto com airbag, um avião com bote salva-vidas ou um tanque de guerra com cd-player e ar condicionado. Mas, se os publicitários vendem carro fazendo propaganda com um cachorro-peixe, eu me dou o direito de morar em apartamento e ter  quintal. E, garanto, tem cachorro. Mas não tem peixe. Enfim, vida que segue.

E, como de bobo eu não tenho quase nada (ou tenho quase tudo, vai saber), antes mesmo de mudar já fiz questão de meter uma churraca no quintal. Fiz tanta questão que meti os pés pelas mãos, pisei no tomate e entrei pelo cano. E o resultado é esse: Meu nome é Daniel, eu sou um semi-deschurrasqueirado e só por hoje, eu ainda não fiz nenhuma lambança. Só por hoje, mas naquele dia, eu fiz.

Assim que a notícia do apartamento novo surgiu, os amigos, no sorrateiro silêncio do msn messenger combinaram que me dariam uma churraca de presente. E não me contaram isso. Eu, com a ansiedade e o auto-controle de uma manada de búfalos em fuga, só conseguia pensar em rechear aquele recinto com uma churrasqueira, fosse ela qual fosse. Os amigos, na sabedoria milenar que só a amizade é capaz de proporcionar, serenemente confabulavam: "tomara que aquele idiota não meta qualquer churrasqueira no quintal, enquanto procuramos a melhor churrasqueira do mundo pra dar pra ele". E, Murphy salva, lá foi o idiota aqui desgovernadamente rumo ao leroy merlin mais próximo, adquirir QUALQUER churasqueira que coubesse no porta-malas do meu automóvel.

Avisados pela minha prestativa senhora, os amigos se uniram às pressas e correram ao meu encontro para, pelo menos, assinar o cheque e me prover tal iguaria. No fim das contas, eu havia escolhido uma churasqueira que não era aquilo que eles queriam me dar, mas deram porque senão eu ia comprar. Coisa de gente equilibrada e serena. Eu sou assim, pode perceber.

Era uma churrasqueira pré-moldada, daquelas de concreto. A churraca em si é uma boa churraca. Mas fica reservada às limitações de um produto de concreto, sem qualquer proteção, depositada ao relento, trabalhando sob chuva e sol (literalmente, por acreditar).

E, tal e qual acontecido com suzana vieira, hebe camargo, cláudia raia, fafá de belem e outras tantas beldades que o tempo enrijeceu, minha churraca sucumbiu ao caminhar do tic-tac. Pela primeira vez, me arrependi por não ter seguido os sábios conselhos da madrinha deste blog, a apresentadora matinal que encheu a face, os seios e sei mais o quê de botox e silicone buscando a juventude eterna; optei por não pintar, e nem recobrir a minha churraca, o que, assim como no caso da apresentadora, poderia representar algum photoshop na sua decadência.

E o fato é que, passados bons 3 anos de trabalhos forçados, comunico que a minha churraca não morreu, mas tá na rampa. Pra morrer, só falta deitar. Fiz churrasco no frio, ela trincou. Choveu, ela encharcou, eu botei fogo de novo, e a trinca aumentou. A sujeira de centenas, milhares de churrascos impregnou nas suas entranhas, que agora não tem nem mais cor. E chegou a hora de adquirir uma nova.

Logo, nada mais justo do que reviver a saga "Especial Churrasqueiras" aqui do blog, registrando a minha busca pela churraca, desta vez, ideal.

Assim sendo, torçamos para que a minha brava companheira não decrete a auto falência múltipla dos próprios órgãos, enquanto eu procuro uma nova.

Aceito dicas, sugestões, palpites e todo tipo de críticas a respeito da minha insuportável falta de controle emocional. Afinal, se tivesse deixado os amigos fazerem o seu trabalho, eu JÁ teria a churraca que estou agora procurando.


Blog Widget by LinkWithin