Follow me on Twitter RSS FEED

Gnocchi: Uma comida com nome de barulho. Hein??

Nas categorias
É naquele momento em que o mais malaco dos leitores já anda pensando que você tá comendo capim pela raíz, dormindo de pé junto e cabelo deitado, que você, tal qual um zumbi, ressurge dos cafundós do fundo do plâncton do pântano, quebrando tudo com uma larga insônia e uma vontade louca de tirar a poeira dos dedos, do blog e dessa mente capta (SIC - agora aguenta que voltamos com trocadilho ruim e tudo. Se quiser parar de ler, rabugento leitor, a  hora é essa).

Trocando em miúdos: Levando este blog como tenho feito, me sinto como aquele velho safado cachaceiro de 114 anos, que pra morrer é só deitar com força, mas se recusa a dar o último suspiro. Então, provando que vaso ruim não quebra, que ri melhor quem ri por último e que a última gota é sempre da cueca, profetizo que a espelunca está novamente aberta!!!! Chega junto e traz cerveja porque hoje é dia de lavar o bigode por aqui.

E sem mais delongas, vamos logo meter os dentes nessa enigmática receita de hoje, o Nhoc! E durma-se com um barulho desses (há! mais um trocadilho tão afável quanto inoportuno).

Como já escrito certo pelas linhas tortas aqui neste pergaminho, eu venho de família italiana. Logo, tão certo quanto dois e dois [=SOMA(2+2) e viva o excel] são 4, eu tenho um curriculo invejável na arte e ofício de comer gnocchi. Experiência esta adquirida através da inacreditável habilidade da minha nonna, a Dona Ivette (pensa no nível de fanfarrice da família: uma italiana com nome francês), que sempre preparou o mais suculento, opulento e calorento gnocchi do mundo.

Aliás, esse nome por si só é uma fanfarrice. Não, não vou discorrer sobre o nome francês da minha avó italiana. Embora essa seja uma história à parte, no momento vamos mesmo decifrar o porque essa comida tem nome de barulho.

Antes de mais nada, tem uma coisa que me incomoda nesta madrugada, além dos pernilongos no meu quarto. Gnocchi é uma maneira muito chique e elegante de escrever o nome que, falado, fica fuleiro pra caramba. Então podemos chamar o nosso nobre companheiro de Nhoque?

Pode?
Pode.
Brigadú, fabio junior. Pau no gato, rapaziada!

Nhoque não é crocante. Logo, não deveria ter nome de barulho. Não é como um hotdog, que você morde e fica ali a dentadura marcada no pão, dando a clara noção de que ali rolou um NHOC!. Nhoque não é como as torradas, que fazem uma barulheira dentro da boca e você tem que aumentar o som da TV enquanto mastiga. E por fim, nhoque também não é sucrilhos, que você mastiga de boca fechada, e mesmo assim todos ao redor ouvem. É nessa hora que hora que o sucrilhos nos prova que boca fechada não entra mosca, e nem o mais sábio dos homens saberia porque diabos uma comida tem nome de barulho.

E quando o mais sábio não sabe (olha o trocadilho-lho-lho), é um sinal de que a jiripoca vai piar. E compartilhando com vocês um pensamento que usei mil vezes na minha vida profissional....

Tão importante quanto saber, é saber quem sabe.
Daniel Rodrigues - 1977 /...
Então lhes digo: Eu sei quem sabe. E quem sabe aquilo que o sábio não sabe? Só pode ser aquele bom mafagafinhador, capaz de mafagafar não menos que 7 mafagafinhos: O Google!!

Acho que deve ser por conta da hora, mas quando perguntei pra ele, o Google me pareceu meio confuso. Tirando a baba do canto da boca e com um bafo de leão, ele me falou um monte de coisas. E como esse blog não tem nenhum compromisso com a verdade, muito pelo contrário, vamos com a explicação que achei mais bacaninha.


A história do prato é bastante antiga. Foi certamente o primeiro tipo de massa caseira - apesar do renomado gastrônomo Pellegrino Artusi, autor do clássico italiano A Ciência na Cozinha e a Arte de Comer Bem, publicado em 1891, não o enquadrar nessa categoria. O espaguete, o ravióli e companhia são posteriores. Supõe-se que o nhoque exista desde os antigos gregos e romanos.Na Itália, chamaram-no primeiramente de macarrão. Na Idade Média, porém, já era conhecido com o nome atual. Em português, escreve-se nhoque. Fica parecendo vocábulo de ascendência tupi-guarani. Em italiano, grafa-se "gnocchi". O sociólogo paulista Gabriel Bolaffi, no livro A Saga da Comida, lançado em 2000, diz significar "algo como pelota, isto é, uma pelotinha de farinha amassada com água".
O link é esse aqui.

Enfim, ninguém sabe nada. Então eu, você ou o barak obama podemos simplesmente inventar uma história e boa. Embora todo mundo tenda a acreditar mais no obama do que na gente, eu prefiro acreditar que um ET perneta, fedido e dentuço desceu de um cavalo marinho feito de cheetos tubinho, encontrou uma jibóia loira e perguntou a ela quem nasceu primeiro, se o ovo ou a galinha. Após uma rápida consulta ao oráculo [/matrix], a jibóia respondeu que pato que come pedra sabe o cu que tem. Nesse momento começou a chover nhoque sobre a face da Terra e foram felizes para sempre.

Enquanto se pergunta qual barbitúrico o escriba desta porcaria anda consumindo, o mais impaciente dos leitores, entre um gardenal e outro quer saber por que estamos há tantos parágrafos nesta enrolação sa-fa-da e não vamos logo para a receita?

Traz o chá de folha de maracujá pro menino e avisa ele que tudo isso é porque esta é uma receita muito, muito fácil. Avisa também que o humilde autodidata que vos escreve aprendeu na novela das 8 que a enrolação faz a graça da trama e que se pode criar um par romântico entre a mariana ximenes e o toni ramos, e no final ninguém vai achar que isso não faz o menor sentido.

Então, pára de achar que as coisas aqui não fazem sentido e cola esse seu globo ocular aqui na telinha [/plim-plim] porque chegou a hora de botar tudo o que conhecemos acima, em prática.

A primeira coisa que você vai precisar é de batatas. A segunda é de farinha. E acabou. Tem gente que floreia a receita com um bilhão de especiarias, óleo de fígado de bacalhau ou purpurina de dendê. Mas não precisa de nada disso. Só batatas e farinha de trigo. Vai na minha que você não passa fome, amigo.

Primeiro temos que ter em mente qual batata usar. Eu prefiro a batata baroa, que é meio rosada. Pensa na cara de pau da cristina kirschner, pergunta mentalmente a cor da casa dela e pega a batata mais parecida. Essa batata fica meio farinhenta, e fica mais fácil chegar no ponto da massa.

Mas a batata comum também serve. Se você quiser tentar, eu já fiz até com mandioca, e ficou bem legal. So recomendo tirar aquele fiapo esquisito que tem no meio da mandioca. A sensação de encontrar aquilo no meio da mordida não é legal não.

Bom, aquiridas as batatas queridas, vamos descascá-las e botar pra ferver [UHU BOTA PRA FERVER DJ]. Pra facilitar este processo, você pode cortá-las em cubinhos pequenos, do tamanho de uma rapadura, porque aí o processo vai mais rápido.

Neste momento, você pode tentar dar uma temperada na batata. Pode colocar um pouco de sal, ou talvez um caldo de legumes. Fica como mandar o seu livre-arbítrio, democrático leitor.

Para saber se as batatas estão no ponto, e este ponto é quando você espetá-las com um garfo e os pedaços se quebrarem, espete-as com um garfo e veja se quebram. Quebrou, tá no ponto. Não quebrou, não tá no ponto. Simples como a soma dos catetos é o quadrado da hipotenusa (eu acho que errei essa de novo).

É importante as batatas estarem bem sequinhas antes de vc começar a massa. Então deixe-as numa peneira ou algo do tipo, e você aproveita pra matar dois coelhos com uma cajadada só: A batata escorre a água, e esfria evitando o posterior e vexaminoso uso de hipoglós pela sua pessoa.

É o tempo de abrir uma cerveja gelada e beber pensando no quanto tudo pode valer a pena se a alma não for pequena. Então, faça valer a pena mergulhando a alma numa cerveja, mas não a pequena.

Bebeu? Valeu a pena? Então vem comigo pra labuta.

Com as batatas que já estão um pouco mais frias (não deixe ficar gelada, elas precisam de um pouco do calor), faça um purê. Purê, como diz o sábio, é o ato ou efeito de amassar as batatas até que se transformem num creme homogênio, sem pedaços. Como você vai fazer isso é uma decisão sua para com a sua criatividade, juízo ou inteligência. Pode ser com o garfo, com a makita do vizinho ou com algum aplicativo maroto do seu iphone. O importante é que não fiquem pedaços.

Isto feito, despeje o purê num recipiente grande e manda pra dentro uma mãozada de farinha. Aí começa a festa do estica e puxa e viva a festa da xuxa. Tem que mexer com as mãos mesmo. Sem nojinho, sem frescura. Mexeu, misturou tudo? Tá colando muito na sua mão? Então mete mais farinha. Agora você tem que descer a cinderela que tem em você e usar de sensibilidade. Vai colocando farinha aos poucos até que o xico xavier te diga que tá no ponto. Vais ter que descobrir sozinho. Mas é fácil. Massa com uma textura agradável, grudando levemente nas mãos, desceu o santo e é isso aí.

Pra montar os nhoques, é bem fácil. Você vai precisar de uma superfície limpa e grande. Exemplo: o campo de futebol de botão do seu filho. Me desculpe, Rodrigo Rodrigues, mas eu fiz isso e você nem percebeu.

Para a massa não colar na superfície, espalhe uma mão de farinha pelo campo e bora lá que é hora do gol.

Você deve ir retirando pedaços da massa grande, mais ou menos do tamanho de um limão. Passa um pouco de farinha em volta, taca no campinho e começa a rolar pela farinha, fazendo uma cobrinha. Se você não se chama benjamin button e ao contrário dele, teve infância, já fez cobrinha de massinha no jardim 2 com a tia Rose. O princípio é o mesmo.

Com a cobra na mesa (ui), pegue uma faca e com ela faça cortes. Estes cortes serão bem próximos do tamanho das bolinhas do seu nhoque. Mais ou menos porque elas crescem um pouco com a água. Não precisa enrolar nem nada. A cobrinha cortada fica como uns travesseirinhos de playmobil.

O pulo do gato aqui é uma coisa que eu achava que era pura gourmetice, mas não é. Sabe aqueles risquinhos que tem no nhoque? Então, eles tem um sentido de ser. Serve para o molho agarrar nas ranhuras e quando vc pegar o nhoque no prato, ele vir mais gostoso. Pra fazer as ranhuras, dê uma apertadinha com um garfo na bolinha.

É, amigo. Com nhoque ou sem nhoque...
nós temos bolinhas

Tá pronto o nosso nhoque. O preparo é tão simples quanto roubar um doce de criança. Coloca água pra ferver com um pouco de sal e uma golada pequena de azeite, e deixa o bicho pegar. Nhoque precisa de água fervente. Assim que estiver rolando o vesúvio na sua panela, jogue os nhoques pra dentro.

As bolinhas vão, inicialmente, para o fundo da panela. À medida que elas vão subindo, você conta até 5 e tira para o próprio recipiente onde vai serví-los. A decisão sobre o instrumento mais adequando para retirá-las de lá, eu deixo para a equação que já citamos anteriormente.

Agora é só jogar o molho com surpresa, muito queijo ralado e ser feliz.


É disso que eu tou falando, amigo.

E por que o molho seria uma surpresa, questiona o curioso leitor. Então sem contarem com a vossa astúcia, o sagaz narrador desta epopéia, contrariando gregos e troianos, categoricamente afirma que, SIM, este pirilampo pedaço de papel ressurgiu não apenas para se alimentar das vossas retinas e hibernar o sono dos justos, mas que haverão mais posts, e o próximo deles falará justamente sobre o mais tradicional e glorioso MOLHO DE MACARRÃO.

Por hora, use o molho de sua preferência que eles também funcionam. Até mais, amiguinhos!
.


12 comentários:

Raphael Nascimento disse...

Eu já tava ficando sem desculpas pra cozinhar bebendo uma breja. Agora pintou mais uma receita. Só senti que essa receita leva pouca cerveja, posso aumentar a dose?

Daniel Rodrigues disse...

Falae Raphael, beleza?

Claro que sim!!! Naquele lance: se precisar de ajuda, me chama kkk

Na verdade, o nhoc suja muito a mão, dificultando a utilização da breja. Você pode pedir pra alguém te levar a lata à boca, ou deixar pra entornar o caldo depois que ele tiver pronto, como eu fiz :-)

Abração
Daniel

Renan Furlan disse...

Descobri seu blog hoje, com a receita da ponta de agulha e vi que não posta mais com frequência, quando reparo que postou hoje kkk muito bom! Avanti Palmeiras

Daniel Rodrigues disse...

Tá vendo só, Renan??

Morto que volta sempre traz uma energia com ele, atrai carne nova e aí já era kkkk

Valeu Palestrino!! Quarta feira é nóis!!
Abs
Daniel

Anônimo disse...

Ano bissexto tem dessas surpresas.

Cliquei num link empoeirado já achando que ia dar de cara com receita de 2014, era pré-Friboi, e eis que bato com a cara num "novo" de 2015!
Evolução!!!
Abração Daniel!

E VÊ SE NÃO DEMORA TANTO PRA ESCREVER AS BESTEIRAS ALIMENTÍCIAS PÔ...kkkkk

Agora vou ler a receita.

Ayrton

Daniel Rodrigues disse...

Falae Ayrton, velho de guerra!!! Tudo beleza, meu compana?

Pois é, de vez em quando eu ainda posto alguma coisa aqui.. Eu tenho umas receitas novas bem legais, como o haburguer de rabada, etc. O que falta mesmo é o tempo pra escrever.

Mas não desista deste blog. Um dia essa espelunca ainda há de reviver os seus anos de ouro :-)

Abração!
Daniel

Matheus Lourenço disse...

Descobri seu blog a pouco tempo, como também sou descendente de italianos curto muito um bom nhoc, mas ainda prefiro o bom e velho churrascão com gelada rs,espero que vc poste mais receitas, o modo divertido com o qual escreve torna uma leitura muito divertida e agradável; Abraços.

Daniel Rodrigues disse...

Falae Matheus!! Beleza, parceiro?

Eu tb estou sentindo falta de um churrasquinho.. Ultimamente tenho feito com muito menos frequencia do que gostaria :-(

Ultimamente descobri uma maneira de fazer a costelinha de porco de uma maneira matadora - e simples pra caramba. Vamos ver se consigo postar aqui.

Obrigado pela força, ragazzo!

Abs
Daniel

RICARDO TOLEDO disse...

Amigão achei muito bacana seu blog, somos aqui de São Paulo e também como vcs adoramos a arte de se fazer e também aprender dicas para um bom churrasco, em meu blog http://churrasdomicilio.blogspot.com.br/ também falo um pouco de cada assunto e também tenho assuntos gerais pois numa roda de amigos comendo um churrasquinho sempre temos estes assuntos do nosso dia a dia né rsrs, também convido a conhecer nosso blog, é novo mas com conteúdos bem diversificados e interessantes ok. Abraços.

Daniel Rodrigues disse...

Oi Ricardo, tudo bem?

Gostei do seu blog.. Trata de vários assuntos mesmo, parece uma mesa de bar :-)

Boa sorte lá!!

Abs
Daniel

Aline disse...

Aproveitando que somos LÍDER do campeonato, você poderia escrever mais uma receita. Sentir essa fase boa e tudo mais!!!! "Né não" ??? Apresentei seu blog para povo aqui da empresa (é, não temos muito o que fazer no momento) e todos estão sedentos de novidades!! Avanti Palmeiras e volta "pufavô" !!

Daniel Rodrigues disse...

Oi Aline, tudo bem?

Palestrina é sempre bem vinda aqui :-D

Tou preparando uma nova aqui, fica sussa. Fiz um croquete de camarão recentemente que valeu a vida kkkk

Abs
Daniel

Postar um comentário

Torrou a picanha? Fez a receita e não deu certo? Dúvidas, sugestões, vai encarar? Escreve aí o que quer, mas não coloca propaganda que isso aqui não é a casa da sogra.

Blog Widget by LinkWithin