Follow me on Twitter RSS FEED

Drops de Churrasco - Ed. 2

Nas categorias
Lá vamos nós pra mais uma edição dessa catástrofe literária chamada deitando o gato na grelha. Acerte o seu aí que eu arredondo o meu aqui, segura no apito do árbitro que vai começar a peleja, e te prepara que nós vamos chutar pra cima de você informações rápidas e diretas, acerca do cotidiano sem sal, sem açúcar e sem escúpulos desse mundo do churrasco e demais iguarias.

E por falar em chutar, lá chegou o Dunga chutando bunda de vaca (opa, aí não), chutando o pau da barraca, chutando o balde e chutando pra longe a chance da gente se divertir durante a copa. Olha, acho que nem o lazaroni foi capaz de convocar uma seleção tão cheia de jogadorzinho pereba. Fuja da bicuda, amigo churrasqueiro, e te prepara pra caprichar no churrasco durante os jogos, porque alguma coisa aí tem que ficar boa, e não vai ser o futebol.
Praticamente uma pegadinha do mallandro. Isso me lembrou da vez que o Sergio mallandro me perguntou uma informação na rua, mas isso é pra outro post.

E, já que estamos falando de seleção, tá fazendo o maior fordúncio aí a propaganda da seara com o neymar, o robinho e o ganso. Tá, a coreografia é ok, a música é legal, bla bla bla. Mas eu espero ansiosamente que o caríssimo, letrado e versado leitor tenha atentado para pequenos fatores que, pra mim, fazem desta uma das mais cagadas invenções que os nossos criativos e inventivos publicitários já vomitaram da telinha da tv para a sala da nossa casa. Pensa comigo: Temos ali 3 jogadores de futebol com uma camisa do Brasil. Porém, só um deles está convocado #FAIL. Estou, até agora, tentando imaginar que cacetas fazem 3 marmanjos na televisão fazendo coreografia de uma música chamada single LADIES numa propaganda de linguiça????? Será que os meninos da vila se deram conta do mico? Parece que sim, note a cara de constrangido do Ganso ao longo do comercial, só no sorriso amarelo. Shame on you, nizan guanaes!!!!

Ontem eu inventei uma verdadeira gambiarra. Uma gambiarra que deu certo e, então, foi promovida a invento. Agora, além de palmeirense, churrasqueiro e blogueiro, eu sou também inventor. Chique demais. Mas pra que serve essa invenção? Uma das carnes que eu mais gosto é a costela bovina. Acho que é a carne que eu mais gosto, mas prefiro não falar alto assim porque as outras carnes também têm coração. Inclusive o coração. Só a costela que não tem coração, porque a costela tem osso. Assim como o ofício, que tem o osso do ofício. Não confundir com orifício. Mas o que tem a ver o orifício com o invento? Melhor começar de novo.



Ontem eu inventei uma gambiarra bacana. Eu gosto muito de costela, e já tinha feito de duas maneiras. Uma no celofane, que funciona muito bem. Outra direto no fogo, que funciona bem, mas depende de vários fatores, e nem sempre eu tenho isso na minha churraca. Isso porque eu fui uma anta na hora de escolher a localização dela, mas isso não vem ao caso. Afinal, eu sou o inteligentão que inventou uma parada aqui, rapaziada. Mas inventou o que? pergunta-se o aflito leitor. Inventei uma gambiarra, respondo. Uma gambiarra pra fazer costela no bafo. Cuma? perguntaria o Didi. eu explico, negadis, responderia o mussum.

Uma lata de heineken, daquela de 5 litros, devidamente e deliciosamente esvaziada que, após aberta em um dos orifícios (sabia que isso ia ser útil pra alguma coisa), levou uma dezena de furos, de maneira que eu consegui um respiro no alto, e 4 buracos nas laterais, por onde passa um espeto. Ao passar pelo meio da lata, o espeto leva uma costelada, digo, a costela leva uma espetada e... bom, você entendeu. O espeto vara a lata, e dentro da lata, espetada, fica um pedaço de costela. Aí você põe sobre a grelha e esquece que aquilo existe, por mais que possa parecer estranho uma lata de cerveja gigante com um espeto na sua churrasqueira. Vai parecer que está assando uma cerveja espetada, mas não é. É uma costela. Faça como eu: desbanque a sua mulher e faça uma costela de lavar a alma, porque a patroa vinha tentando me desmoralizar enquanto eu fazia os furos. Elas sempre falam que não vai dar certo, e no final, dá. GPS pra quê? A gente sempre acha.

Aí eu fui no mcdonalds ontem, experimentar o tal do McBrasil. Não tenho palavras pra descrever. Aliás, tenho uma: ruim. Não experimente essa porcaria, é caro, seco, feio, chato e bobo. A melhor coisa do lanche é a cocacola de 750ml que, desculpa aí, é uma cocacola e vende em qualquer lugar. O lanche tenta ser um sanduíche de pernil, e começa bem, muito bem. Contrariando toda a filosofia da culinária mcdônica, o hamburger de pernil estranhamente tem gosto de pernil. Imaginei que fosse como os outros hamburgeres da rede, onde a carne tem o mesmo gosto da embalagem, mas não. Acontece que nada mais no lanche é bom. O pão, achei seco demais. A salada, pra variar, ficou toda na caixinha. O queijo, nem notei e tinha um molho lá dentro que tava apimentado. No final, tirei o hamburger de dentro do pão e comi só o hamburger. Quer uma dica? economiza 15,50 e não come esse treco. Lanche ruim, de fazer o palhaço chorar.

Sabe quando você mete o pé na jaca, enche os cornos e fica bêbado como uma lhama? O instituto de pesquisas tecnológicas Gato na Grelha apurou que 9 entre 10 bêbados, no dia seguinte prometem que não vão mais beber. E 9 entre cada 9, furam essa promessa. E, num desses dias, nos quais o fígado passa o dia alojado em algum lugar obscuro e impronunciável do corpo, entre o branco do olho e o tendão de aquiles, descobri um santo remédio pra curar a ressaca e colocar o corpinho novamente em funcionamento. E essa descoberta tem fundamento científico, não é chute e não foi a mãe dinah que me deu a dica. Foi o Terra, mesmo. Vai lá ver, descubra o que um sanduíche de bacon pode fazer pela sua alma e nunca mais se sinta um pedaço de estopa vagando encharcado pelo mundo à espera de um transplante.

Enfim, era isso. Tenho novas receitas na mente, mais trabalho do que eu consigo fazer e uma falta de habilidade ímpar com as palavras que me fazem gastar uma hora inteira pra escrever aqui no blog, mas aguardem, quem espera sempre alcança. Ou dança? ou cansa? como era mesmo o velho ditado? ou seria um velho deitado?

melhor parar. bom final de semana.


17 comentários:

Adriano Martins disse...

POSTA A FOTO DA HEINEKEN AÍ, VEIO...
NÃO DEI CONTA DE ENTENDER ESSA COISA...
SE VC FAZ OS FUROS PRÁ PASSAR O ESPETO, COMO VC ENTRA COM A COSTELA?
NO ADEMAIS, CONCORDO COM VC... O QUE VAI MANDAR É O CHURRASCO...
E TEMOS QUE TORCER PELO DUNGA..PELO MENOS TEREMOS MAIS MOTIVOS PRÁ CHURRASQUEAR..SE FOR PRÁ PERDER, QUE SEJA NA FINAL E DE GOLEADA

Daniel Rodrigues disse...

Falae Adriano!!

Vou tirar fotos sim, essa do bafo vai virar um post a parte. Mas é assim, você mete o espeto, lá dentro você espeta a costela, e passa o espeto pelo buraco do outro lado. Deu pra entender marromeno?

Prometo umas fotos, nem vai precisar me cobrar no twitter :-)

Abs
Daniel Rodrigues

Personal Grill disse...

Ideia legal da lata! Mas faltou a foto, fiquei curioso dela pronta. Faça um update logo antes que eu tente fazer o mesmo com um botijão de gás!
Se bem, pensando melhor... Tenho uma churrasquerinha de bafo e uma churrasqueira de tambor grandona, vou "mergulhar" a de bafo na grandona com um bela peça de costela. Vai dar menos trabalho do que ficar furando lata. Mas de uma coisa vou ter certeza: a dona Maria vai dizer o mesmo: "Isso não vai dar certo!". Foi a mesma coisa do cupim de araçatuba que fiz. Tive que comprar o cupim escondido, pois se ela visse eu comprando, ela não ia deixar comprar. Ela só foi ver na hora da "bicha" já assando. Olhou desconfiada e falou que não ia ficar bom. Esse fim-de-semana com a visita da minha ilustre sogra, dona Encrenca fez uma bela propaganda do meu cupim para ela, contrariando o olhar torto que ela fez para o meu cupim.

Abraços!

Daniel Rodrigues disse...

Falae Personal Grill, tambem conhecido como Raphael

Então, ontem eu usei a lata de novo, e já imaginei outras maneiras de fazer a churraca. Vou fazer de novo, e quando chegar a um resultado satisfatório, eu escrevo aqui, tiro fotos, vídeo no youtube, etc. hehe

O legal é que eu tenho que tomar um latão de cerveja a cada experiência. Tudo pela ciência!! hehe

Abs
Daniel Rodrigues

Personal Grill disse...

Porque fui ler seu artigo Daniel!!!
Não está saindo da minha cabeça essa sua ideia. Se não aparecer serviço neste domingo vou fazer uma churrasqueira atômica para assar uma costela.
A ideia é como falei anteriormente: a de bafo pequena dentro da grande. Vai ter carvão dentro da pequena e por fora dela também. Se eu não publicar essa experiência é porque provavelmente a casa foi para os ares.
O bom é que enquanto a costela estara assando posso fazer outras carnes enquanto isso e molhando a guela também que ninguém é de ferro.
Vou ver se consigo tirar umas fotos para publicar no meu blog e compartilhar essa experiência.

Daniel Rodrigues disse...

Fala Raphael

Então, o princípio é bem esse, mesmo. Alguns pontos, que são os que eu quero melhorar na minha:

Não adianta colocar a lata sobre a grelha, porque entra ar por baixo, e quando pinga gordura faz labareda. Você precisa achar uma maneira de meter a lata dentro do carvão.

Não tenho uma abertura no alto, apenas alguns furos, e uma abertura por baixo. Ou seja: não tenho acesso à carne. Fica dificil de acertar o ponto (tá, mede pelo tempo, mas seria bom poder ver), e;

Como não tenho acesso, não salguei a carne. Minha idéia era tirar do bafo, salgar e deixar na grelha mais alguns minutinhos. Moral da história: esqueci a porra do sal, e cortei a carne sem sal. O mais incrível é que a costela fica gostosa mesmo sem sal :-)

Quem deve funcionar muito melhor do que a lata de heineken, é a latona de óleo. Algum restaurante perto de você deve ter uma pra te arrumar.

Taí, se você fizer, me dá as dicas e manda fotos, assim construímos juntos a traquitana.

Abs
Daniel Rodrigues

Caio Racca disse...

Cara,

Depois de ler umas 3 vezes é que eu entendi... Cê meio que arrancou o fundo da lata de cerveja, fez uns furos na parte de cima e (com um pedaço de costela introduzido pelos fundos da lata) espetou a carne pelas laterais!!!

Como sou burro!!!

Abs,

Caio Racca

Daniel Rodrigues disse...

Fala Caio

Nao é não, eu que não soube explicar direito.

É bem assim:

Abri uma das extremidades da lata, que ficou igual a um baldinho de cerveja. Inclusive, eu usava pra isso.

Na outra extremidade, fiz um monte de buraco pra sair a fumaça.

No meio da lata, fiz 4 furos, dois de cada lado, paralelos.

Aí eu meto o espeto de um lado da lata, espeto a carne DENTRO da lata, e o espeto sai pelo outro lado. Aí coloco na churraca com a boca virada pra baixo.

Deixa eu acertar melhor a gambiarra, digo, o projeto, e depois eu posto aqui, com fotos.

Abs
Daniel

Caio Racca disse...

Opa...

Esqueci de comentar um comentário acima (redundante)...

A melhor solução para evitar as labaredas, é colocar as cinzas do churrasco passado em cima do braseiro, depois de pronto e na temperatura ideal.

Abs,

Caio Racca

Daniel Rodrigues disse...

Caio

Ja que você comentou o comentário, eu discordo da sua concordância :-)

Acho que a melhor maneira de evitar labareda, é tomar cuidado mesmo, e tirar a carne que tá perdendo gordura de perto do fogo. Ou melhor, nem coloque carne que perca gordura assim tão perto do fogo.

Na minha concepção, não faz sentido você botar fogo pra depois apagar, ou seja: jogar carvão pra depois estragá-lo com fuligem.

Ou você põe pouco carvão, ou você tira a carne gordurosa de perto.

Nesse caso da lata de heineken, a cada vez que subia labareda, eu levantava a gambiarra pra um nível superior e ela baixava sozinha.

Mas isso é só uma opinião, você pode muito bem estar certo, e eu só faço de outra maneira. Churrasco é legal por isso :-)

Abs
Daniel Rodrigues

Personal Grill disse...

Colocando mais gordura pingando no carvão, concordo plenamente com o Daniel, se está pegando fogo tire o que está pingando da labareda e "zéfinim". Já ouvi falar dessa técnica da cinza, se não me engano pelo "mestre da carne" Marcos Bassi, mas não acho muito interessante pois a fuligem da cinza velha com a força da labareda pode ser que essa fuligem suba para a carne. Outro detalhe é a linguiça que tem que ser bem lacrada para que evite os pingamentos na brasa. E não me venha furar a linguiça! Pelamordideus! Às vezes quando sobe a labareda, tiro a carne "problema" e dou uma remexida na brasa e coloco mais algumas pedras de carvão. E coloco a carne para um lugar com menos calor.

Daniel Rodrigues disse...

Isso, quem falou isso foi o Bassi. Meu sogro fica enchendo o meu saco pra eu guardar a fuligem de um churrasco pra jogar no carvao do outro.

Não acho uma técnica errada, nada disso. Só acho que não precisa.

E, pelamordedeus, não me venha com esse garfo querendo furar a linguiça que isso é sacrilegio :-)

Abs
Daniel Rodrigues

Ayrton Torres disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ayrton Torres disse...

Daniel,

ÓTIMA essa idéia do upgrade da churrasqueira comum 1.0 se tornar uma Bafo Maker 2.0, mas fica um alerta...

Algumas latas tem um verniz interno (para evitar que o produto entre em contato com o metal) que DERRETE e seguramente não fará bem a sua saúde.

Não sei se é o caso do barril da Heineken, mas nas latas de óleo, tem.

Faça o teste: pegue uma lata de óleo dessas de 900ml vazia e esquente...vai sair (além de um cheiro forte e ruim) um líquido que não é óleo e sim o verniz de proteção derretido.

Se o latão não tiver o verniz, vou fazer uma também...rs

Um abraço

Ayrton Torres

Daniel Rodrigues disse...

Ayrton

Muito bem observado. Mas e aí, como saber se a lata tem o tal verniz ou não?

No caso da heineken não tem, porque senão minha carne tinha ficado com gosto de tinta, e olha... a carne tava boa, viu..

Será que se a gente der uma raspada com um prego na parte de dentro da lata dá pra notar o verniz?

Abs
Daniel Rodrigues

Ayrton Torres disse...

Daniel, espero que algum dos universitários do tio Silvio leia essa dúvida e responda.

Você notou se após o uso, dentro do barril, ficou alguma marca de escorrido? Se bem que antes tinha uma costela lá dentro e o que não faltaria seria uma marca de gordura escorrida...

Podemos escrever pra ana maria braga e ver o que ela diz. Provavelmente vai dizer que é esse verniz que dá a "suculência" (ô palavra ordinária...deve ter sido inventada pelos gerundianos de algum telemarketing) na carne.

Acho que vale até descobrir quem fabrica o barril e ver o que eles dizem.

Tem algum dado do fabricante no fundo do barril?

Dei uma pesquisada e achei isso:

- Leia o penúltimo parágrafo:
http://www.quimicaederivados.com.br/revista/qd444/verniz4.html

- Baixe esse PDF e leia...é rapidinho e informou algo alarmante no 4 parágrafo...podemos virar mocinhas graças ao Bisfenol A...rs

Saí pra lá estrogênio que churrasqueiro não tem TPM.

http://www.cetea.ital.org.br/cetea/informativo/v21n3/v21n3_artigo4.pdf

Mesmo assim continuo achando ótima sua invenção.

Abração.

Ayrton

Daniel Rodrigues disse...

Ayrton

Minha nossa, o cara é um poço de conhecimento. Ou sabe usar o google muito bem :-)

Muito, muito interessante o teu comentário. Fui lá avaliar a minha gambiarra, e não me pareceu ter nenhuma marca, escorrido, ou até mesmo cheiro dentro dela. Pode ser que no meu caso, como a lata era hermeticamente fechada, o fabricante nem passou verniz.

Mas o teu alerta é bastante importante, não dá pra sair cortando qualquer lata pra fazer churrasqueira, não.

Valeu pela contribuição!!

Abs
Daniel Rodrigues

Postar um comentário

Torrou a picanha? Fez a receita e não deu certo? Dúvidas, sugestões, vai encarar? Escreve aí o que quer, mas não coloca propaganda que isso aqui não é a casa da sogra.

Blog Widget by LinkWithin