Follow me on Twitter RSS FEED

Meu novo brinquedinho

Nas categorias
Aos mais estressadinhos: este não é um post patrocinado. Estou falando bem de um aparelho eletrônico porque eu QUERO. Por gratidão, pois ganhei um belíssimo brinquedo num concurso, e achei tão legal que resolvi fazer um pouquinho de propaganda pros caras aqui no blog. Se você é comunista, nervosinho ou acredita que quem bate cartão não vota em patrão, desencana e não leia os parágrafos seguintes. Aproveita e vai no site da ana maria braga ler as mais recentes piadas do louro josé que estão "oh!".

Ao contrário da grandecíssima sacanagem que eu fiz com a Josi (sacanagem no bom sentido, se é que há algum bom sentido na sacanagem), eu ganhei um brinquedo num concurso de blog, e recebi. Incrível porque descobri que, tirando eu, esses blogueiros são mesmo gente batuta. Eles sorteiam as coisas, e entregam mesmo!

E quero aproveitar pra mostrar pra vocês o meu novo brinquedo, que vai, inclusive, ser útil pra este malfadado, mal escrito e maltrapilho blog. Ganhei uma belíssima máquina fotográfica da Samsung e pretendo encher o cartão de memória dela com fotos e mais fotos de comida. Olha a história...

A Alê, do simpático blog "Vitrines não convencem", ganhou duas câmeras bacanudas da Samsung, uma pra ela, e outra pra ela sortear para os seus leitores (ainda vai chegar o dia que a Ambev vai me dar 2 carretas de Original, uma pra mim e outra pra eu sortear pros meus leitores). Aí ela escreveu um post falando da máquina, e quem escrevesse a melhor frase sobre tal objeto, levaria a câmera pra casa.

Pois então, este que vos digita foi até o blog da garota, rabiscou uma frase qualquer aos 49 do segundo tempo, e... FUI ESCOLHIDOOOOOO. Ganhei uma máquina digital fantástica. Se você quiser saber qual foi, clica aqui.

O diferencial dessa máquina é que ela tem um visor na frente, pra você poder tirar os seus autorretratos sem fazer lambança. Dá uma olhada na foto que eu tirei da sacada do meu apartamento, no último dia de trabalho de 2009:




tirando eu, a foto tá ótima!
Sem essa de meter o dedo na lente, fotografar a testa ou mandar aquele zoom na pança. Basta acionar o visor da frente, e tirar a sua autofoto sem sofrimento.

A mesma foto, porém, sem aquele incômodo objeto obstruindo as lentes.
O legal é que agora poderei tirar boas fotos das carnes e receitas que preparo aqui. Já fazia um tempo que eu havia desistido, pois só tinha câmera de celular e essas aí.. bom, nem preciso falar, né?

A câmera tem uma mega lente que eu, como não entendo picas, nem sei dizer qual é. Mas se a lente tem marca nela, é porque é boa. Ou você acha que eles iam escrever redondinho, em volta da lente, à toa?

Com essa mega lente, dá pra fazer umas fotos de pertinho maravihosas, e fica muito bom pra fotografar comida. Sente a foto que eu acabei de tirar da skol que eu estou tomando agora:



Saca as gotinhas na lata. Nem rolou produção nem nada, encostei a lata no muro, mandei o zoom e bati a foto.

Essa Skol é uma homenagem à Alê, à Samsung e ao Fábio Siqueira, da agência Edelman, que fez bem ao contrário de mim: se esforçou pra que eu recebesse minha câmera no dia seguinte. Valeu galera!!

Bom, agora, com todos os sacos puxados, vamos pro churrasco que as férias começaram!!!

Ah, antes que eu me esqueça: Adriano Martins, leitor do blog, lamentava-se no Twitter que na terra dele, São Pedro interditava o céu e impedia churrasco de laje. A mensagem da hora é: Chora, Adriano!! Olha o tempo maravilhoso aqui em são paulo, e lá vou eu pro mercado voltar com um churrasco!! hehe

Só pra finalizar: Ambev, tá dada a dica hein! Caminhão de Original pra mim, outro pros leitores #fikdik


Chumichurri de presente

Nas categorias
Sou um tratante. E já começo esse post assim, sem mais nem menos, sem churumela e, principalmente sem chimichurri. Mas quem tá sem o chimichurri não sou eu, e é isso que me faz tratante. Picareta, sem-vergonha, cara de pau, vira-lata.

E isso nem é um "mea culpa", é um culpa inteira, por mais que a expressão não signifique, exatamente isto. Mas tratante é tratante e, já que é pra levar a fama, eu compreendo a expressão como quiser.

Acontece que eu prometi um chimichurri pra um dos leitores nos posts anteriores, e quem ganhou foi a Josi, de Curitiba. Num sorteio honesto, tudo dentro dos conformes, ISO 9000. E no mesmo dia em que eu ganhei uma câmera digital maravilhosa, num sorteio em outro blog. Já falaremos dela, mas o que interessa mesmo, é que eu recebi o meu prêmio em menos de um dia e a Josi... Bem, a Josi ainda está esperando o dia em que o carteiro baterá à sua porta, levando o chimichurri prometido, minha palavra e a minha honra, que anda mesmo meio surrada.

Mas isso tudo tem um motivo. Não estou torturando à toa a nossa querida leitora que ganhou, mas não levou. Acena à minha porta, neste momento, a incrível e maravilhosa possibilidade deste que lhes fala através destas linhas mal escritas entrar em férias, em alpha e em órbita, coisa que não acontece há alguns bons milênios. E nem preciso dizer aqui o quanto este malfadado ano de 2009 foi tenebroso, porque tenho certeza de que todo mundo quebrou a cara, logo depois que quebraram os Lehman Brothers.

E com essa feliz oportunidade batendo à minha porta, eu aproveitei este mês de dezembro para trabalhar como se não houvesse amanhã, digo, para colocar o trabalho todo em dia e começar 2010 sem arrastar rebarbas deste ano maldito que termina. É como se alguém pegasse o Usain Bolt, que faz 100 metros em 9,58 segundos, e botasse ele pra correr uma maratona. Sem perder o pique.

A parte boa disso, é que o próprio fato de eu estar escrevendo aqui significa que fui bem-sucedido nessa aventura, e aguardo lenta e preguiçosamente o final do dia de hoje, quando entro alegremente em recesso, e prometo alcoolizar cada célula do meu corpo, mantendo-as em eterno estado de letargia até o dia 5 de janeiro do ano que vem, quando devo retornar aos gramados.

Mas o que isso tem a ver com o chimichurri da Josi? Ah, eu explico. Camaradas, meu cabelo tá grande. Minha unha do pé também. Já passou da hora de cortar, faz umas duas semanas. No último mês, deixei de jogar bola pelo menos umas 4 vezes, e olha que isso é uma coisa que eu NUNCA fiz na minha vida. Sempre tive como regra que o futebol é a minha terapia, e nunca medi esforços pra correr atrás de uma redonda. Mas este mês, eu nem joguei bola, e nem cortei o cabelo, e nem a unha do pé. E o barbeiro fica do lado dos Correios, o que explica o fato de a Josi ter ficado chupando o dedo. Ou seja: mal saí de casa nos últimos tempos.

Num desses atribulados dias de dezembro, parei tudo pra fazer o chimichurri da Josi. Além disso, eu queria experimentar a fabulosa máquina digital que ganhara da Samsung. E fiz. Com capricho, com bons ingredientes, dosando bem cada coisa, fotografando cada passo... E o molho dela ficou muito bom. Mas muito mesmo, o melhor chimichurri que eu já fiz.

E é aí que está a grande sacanagem. Não no fato dela chupar dedo, mas no fato de eu ter comido todo o chimichurri que fiz pra ela. É como se o papai noel trouxesse um autorama pro Joãozinho, tirasse do saco e brincasse até acabar a pilha. O molho dela ficou na geladeira, olhando pra mim. Num dia, bifinho na frigideira, e lá se vai um pouquinho do molho. No outro, bifinho grelhado, e lá se vai mais um teco do molho. Até que ontem, deu-se o veredito: Daniel, o homem sem palavra, o tratante, deu cabo ao presente que prometera à solícita leitora.

Como dito anteriormente, o próprio fato de estar escrevendo aqui, significa que o ritmo de trabalho diminuiu, e o dono desta espelunca sobreviveu a um mês de trabalhos forçados e.. Opa! O que é que eu estou fazendo aqui, quando poderia estar fazendo o chimichurri da moça? Ah, seu blogueiro preguiçoso, larga já esse computador e vai lá faze...

Este post se encerrou automaticamente por falta de atividade do blogueiro, que promete que, ainda hoje, movimenta seu esqueleto até a agência dos Correios para cumprir a sua palavra.


Histórias de churrasco - Resumo, final e sorteio

Nas categorias
Todo mundo tem telhado de vidro aqui. Não me olha com essa cara de santo que eu não caio nessa, não. Quando eu comecei com essa série "histórias de churrasco", eu imaginava os leitores, estes fanfarrões, mandando e-mails e mais e-mails contendo as suas peripécias e parlapatices, que eu poderia publicar fanfarrices repletas da mais sagaz embriaguez, cheias de alegria e animação, o mais puro creme do milho verde.

Mas não. Os leitores, sempre tão prestativos e colaborativos desta espelunca não quiseram tirar seus gatos de cima do telhado, se acovardaram e fizeram do seu medo e reclusão a síntese do fracasso desta série. Confesso que também não escrevi as minhas, e por isso ajudei a naufragar mais um capítulo deste malfadado blog.

E, como série boa é série morta, entenda este post como a pá de cal que chafurda esse fracasso no limbo da eternidade. Morando na terra dos pés-juntos, de cabelo deitado e comendo grama pela raíz, esta série dá o último suspiro e ainda resume, em tópicos, algumas histórias. Vamos lá:

1 - Ladrão de churrasco
A leitora Josi Stanger corajosamente me mandou a história do Serjão, o vizinho ladrão. Sente o drama: A família dela mandou um churrasco daqueles tipo lambança: carne, caipirinha, acompanhamentos, tudo muito bom e em quantidades acima do necessário. Gente que sabe das coisas. Acontece que a maratona gastronômica botou a família pra dormir, enquanto um espeto permaneceu na churraca, ainda com carne. Quando todo mundo acordou, deu-se o EPA: o espeto sumira. Algumas semanas depois, aparece o Serjão, o safado pimpão, com o espeto na mão, com um papo mole de que achou o espeto no terreno baldio, e culpando o cachorro do outro vizinho. Mas ele se esqueceu de um detalhe, o espeto não tinha nome e endereço, e como saberia o Serjão a procedência do mesmo? Abre o olho com a vizinhança, Josi...

Diante dos fúnebres fatos a que acometeu esta série, abro o coração pra contar, resumidamente, peripécias que o álcool já me proporcionou durante os churrascos que os 32 verões deste escriba testemunharam. Senta que lá vem a história:

2 - Não entre num churrasco chutando o cachorro.
Vocês precisam conhecer o Caetanão. Bom, confesso que vai ser difícil, porque o Caetanão mora hoje em Detroit, que fica meio longe. Mas foi justamente no churrasco de despedida do Caetanão que eu vi a coisa mais sem-noção que um cidadão pode fazer num churrasco. Imagina a cena: churrasco de prédio, ou seja, a área da churrasqueira é meio que afastada do resto do condomínio. Estávamos todos lá, alegremente bebendo, comendo e celebrando a ida do nosso enfurecível amigo para a terra do Tio Sam.
Enfurecível, porque Caetanão é um cara de pavio bem curto. Diria que Caetanão é um cara sem pavio. Pois é, Caetanão tinha um cachorro daqueles pequenos, do tipo que a maior aspiração possível para ele seria se transformar num poodle. E um cachorro que queria ser um poodle não tem condições de causar perigo a ninguém que tenha mais força do que um hamster, não concorda comigo?
Mas o então vizinho do Caetanão, um incauto cujo nome desconheço, e chamarei apenas de Gordo Careca, não pensava assim. Num raro momento, o cachorro se afastou do churrasco (cachorros nunca abandonam um churrasco) e se misturou à população do prédio. Gordo Careca parece não ter gostado da presença do totó e decidiu devolvê-lo. A chutes.
Estávamos todos na área da churraca, quando entram em cena: o cachorro, rolando, e o Gordo Careca, descendo-lhe a bica. Minha prima, esposa do Caetanão, correu pra socorrer o dog, quando o Gordo Careca decidiu que, além de chutar o cachorro, deveria gritar com ela. Ledo engano, adiposo amigo desprovido de couro cabeludo. Caetanão, o homem sem noção e sem pavio, com o apartamento vendido e passagem na mão, não pensou duas vezes e desferiu-lhe uma garrafada no coco careca. Sem derramar a cerveja, o que classifico como uma proeza. Na verdade, não pensou nenhuma vez, afinal ele não tem pavio.
Moral da história: esta é uma história imoral, foram todos pra delegacia, Gordo Careca deu uma passadinha no hospital pra ganhar umas costuras, nada aconteceu e o churrasco continuou.

3 - Cadê o Batata que tava aqui?
Quando éramos mais novos, eu e meus amigos gostávamos de andar pelo simpático bairro de Interlagos, onde eu morava, durante a madrugada, meio sem rumo. Juntávamos todos os centavos que tínhamos (vida de estudante é duuuura), comprávamos um Sangue de Boi e saíamos pela rua, bebendo e jogando conversa fora. Numa dessas andanças, já com vinho terminado e bastante embriagados, questionávamos a infame incapacidade de, tal e qual fizera Jesus, realizar a multiplicação do vinho, quando passamos na frente de uma casa onde acontecia um churrasco. Churras daqueles de faculdade, onde tem um monte de gente, entra-e-sai e aquela coisa toda. Pois é, decidimos nos aventurar por ali, mesmo sabendo que não conhecíamos o dono, nem ninguém. Coisa de bicão mesmo (vergoooooonha). Todos, menos o Batata, que estava muito bêbado e ficou de nos esperar lá fora. Ok, entramos, fizemos amizades, comemos, bebemos... No começo, as pessoas nos olharam meio ressabiadas, mas como nesses churrascões ninguém sabe direito quem é quem, logo se acostumaram com a nossa presença. Ficamos por lá, camuflados na paisagem durante algumas boas horas. Na hora de ir embora, cadê o Batata?
Procuramos, procuramos, e nada do Batata aparecer. Uma hora depois, chega à casa uma pickup, e assim que estaciona, desce o Batata correndo da caçamba e se põe a correr desloucadamente. O salutar legume, digo, amigo, no auge do enjôo e todos os males que o consumo desvairado de Sangue de Boi pode acarretar, decidiu que seria uma boa idéia vomitar na caçamba da pickup ali estacionada. Não contente em liberar seus dejetos na caçamba alheia, ainda achou que poderia utilizar o restante da caçamba para uma soneca. Porém, ele não contava com o pior: o dono da pickup estava na festa, e decidiu sair pra um "passeiozinho" na madruga atrás de drogas na favela mais próxima. O que se sucedeu foi um Batata desesperado, ao acordar na caçamba de um carro vomitado, em movimento, nas ruas de uma favela. Neste dia, ele jurou nunca mais beber. Não cumpriu, bebi com ele ontem.
De onde vieram estas histórias, todas verdadeiras e eu tenho como provar, existem muitas outras. Mas, assim como os leitores não compartilham as suas, também não vão ler as minhas. Afinal, eu sou o dono da bola aqui e se eu não quiser, ninguém brinca . E olha que essas aí nem são as melhores, viu?

Mas enfim, como palavra de blogueiro é palavra de blogueiro e vice-versa, segue o resultado do sorteio do Chimichurri. Ah, não lembra? Eu prometi reunir todo mundo que enviasse história, ou comentasse nos posts desta série, e daria um chimichurri feito por mim com todo o carinho, consternação e um mínimo de higiene. Sendo assim, que rompam as trombetas (é rompam mesmo? Não tinha outra palavra pra isso?) que lá vai no nome do feliz proprietário do molho mais agradável do universo para o acompanhamento de carnes grelhadas:

JOSI STANGER

Josi, faça o favor de entrar em contato com o departamento de logística e promoções integradas desta espelunca para que os trâmites da entrega do prêmio sejam concluídos.

Este sorteio foi feito utilizando a técnica universal de papel dobrado no saquinho, sob a auditoria e supervisão do meu filho Rodrigo, de 3 anos, que retirou o papel vencedor. Trata-se do mais gabaritado profissional para tal realização, visto que não sabe ler e não teria como fraudar as nossas urnas.


Começando bem a semana

Nas categorias
Depois de um período de trabalho insano, eis que começo a segunda-feira sem luz. Isso significa que tenho que ficar parado, esperando a luz voltar, enquanto o trabalho acumula. Nessa hora, tudo me leva a crer que terei uma semana do cão, não é?

Pois minha sorte mudou!! A luz voltou, não tinha nenhuma ecatombe nuclear na minha caixa de entrada, e o mais incrível aconteceu.

Uma blogueira, a Alessandra do ótimo blog Vitrines não convencem, fez um sorteio bancado pela Samsung, que daria uma câmera digital mega-uber-super-master pra quem inventasse a melhor frase sobre a tal câmera.

Pois não é que este mal-letrado escriba foi escolhido o autor da melhor frase? Leiam lá, vejam que máquina legal que eu vou ganhar!!!

Isso é um feito incrível, visto que, em 32 anos de vida, até hoje eu só ganhei um disco do Aerosmith na falecida 89FM aqui de São Paulo.

O bacana disso, é que sempre reclamei que me faltava uma máquina bacana pra fazer fotos das receitas do blog, e agora este problema foi solucionado graças à Alessandra, e à Samsung. Nossos mais sinceros agradecimentos a eles.

Bom, agora é segurar a ansiedade, e aguardar a câmera chegar.

É um sinal, caros leitores, minha sorte está mudando!! Aguardem, o próximo prêmio vai ser a mega-sena da virada, vai por mim!


Blog Widget by LinkWithin