Follow me on Twitter RSS FEED

Receitas de panela: Como preparar uma rabada de mestre

Nas categorias
Putz, esse título aí ficou meio sessão-da-tarde. Depois de "Um golpe de mestre", "Jogada de mestre" e outros títulos previsíveis, vem aí: "Uma rabada de mestre: Uma vaquinha muito louca aprontando várias confusões numa panela do barulho!".

Mas como aqui a gente gosta de título mal-feito, vamos mantê-lo assim. Aliás, aproveito o momento pra sugerir que substitua momentaneamente o título deste blog por algo como "Enfiando o Gato na Panela". Afinal, como dissemos no post que abre esta série, está um frio sibérico lá fora e eu não quero congelar meu crânio na churrasqueira que está lá fora. Portanto... Patroa, te prepara que hoje eu vou fazer dessa cozinha um infeeeeernooooo!!!!!

E a primeira coisa que a gente vai fazer é meter o rabo da vaca no fogo. Desculpa aí dona Mimosa, mas hoje nós vamos ver o que é um rabo quente.. Pedimos encarecidamente ao ponderado leitor que feche a playboy da Sheila Carvalho e mantenha a sua atenção dirigida ao rabo que nos interessa no momento: o bovino.

"Esse rabo aí já abanou muita mosca..."

Ao contrário dos nomes das outras carnes, que são quase todos esdrúxulos, o rabo é bem fácil de unir o nome à pessoa. Estamos falando do rabão mesmo, aquele que abana mosca, aquele que a vaquinha levanta antes do cocô, aquele que o peão puxa no rodeio. Aliás, só encontrei essas 3 utilidades pro rabinho da vaca. Além de ir pra panela, claro. Se ela ao menos abanasse o rabo que nem cachorro, mas nem isso. Sendo assim: panela no rabo dela!

Bom, começando os trabalhos.. Dirija-se ao açougue mais próximo, peça 1,5kg de rabo o mais limpo possível. Olha, dá um certo constragimento pedir assim pro camarada do açougue, tipo "Ow, parceiro! Me dá esse rabão bonito aí". Se você já tiver alguma intimidade com ele, pode facilitar as coisas, desde que você não se empolgue. Eu recomendo seriamente que você não o veja cortando o rabo. Isso porque o rabão inteiro se parece MUITO com o rabinho da vaquinha ali, balançando, e vai ser inevitável lembrar daquela levantada de rabo pré-cagada. Pra não perder o apetite, nem veja. 

É importante pedir o rabo limpo, porque é uma peça que tem muita gordura. E, ao contrário da churraca, que derrete a gordura e faz cair no carvão, na panela a gordura fica por lá. E pode deixar a sua comida um sebo só. 

O primeiro passo é dar uma cozida de leve pra tirar o excesso de gordura. Coloque o rabo numa panela grande (procure não pensar besteira, ok?) e cubra com água. Esprema ali um limão, jogue um copo de pinga (isso mesmo, pinga. Ajuda a amaciar a carne) e bote pra ferver. Deixe lá, fervendo, uma meia hora. Você pode aproveitar esse tempo pra tomar umas brejas porque o trabalho a partir de agora é cascudo, e todos nós entendemos o álcool como um facilitador de coisas cascudas. Aquele que nunca pegou uma baranga breaco que atire o primeiro pinóquio.

Ok, enquanto ferve, você pode picotar uma cebola inteira. Não precisa ser tão minucioso e picotar pequeno, porque ela vai virar um refogado e praticamente derreter, mas também não adianta ser animal e cortar a cebola em 4. Ah, entendeu, né? Picote um cebola e pronto. Guarde ela num pote. 

Caro leitor, a partir e agora você vai sujar muuuuita louça. Recomendo manter a sua mãe (ou a patroa, ou seja quem for a dona da louça e da cozinha) bem longe de você, e consequentemente, da cozinha.

Picote, seguindo a mesma recomendação da cebola, uns 4 dentes de alho. Guarde tudo num outro pote. É importante não misturar, compana.

Picote 2 tomates pequenos (ou um grande dããã..) e guarde num terceiro pote. Tá vendo como isso faz um furdúncio na cozinha da patroa?

Legal, você tem 3 potes cheios dos ingredientes da alegria, e uma rabada fervendo na panela. Desligue o fogo e jogue aquela água fora. A rabada deve ter, nesse momento, um aspecto nojento. Se não tiver, tá errado. Mas fica tranquilo que o caminho é esse mesmo. Tem um monte de coisa que a gente come e acha uma delícia, mas em algum momento foi nojento. Deixe a rabada quietinha na panela, já voltamos a ela.

Aliás, não: voltemos agora. Se a rabada for muito gordurosa, essa é uma boa hora pra pegar uma faquinha e rancar, na mão, o excesso de gordura. É um puta trampo chato, mas pode ser a diferença entre uma rabada legal e uma rabada tipo chiclete. Agora sim, guarde esse rabo aí e voltemos à programação normal.

Agora o refogado. Guarda esse nome porque quase tudo o que se faz na cozinha é refogado. Pelo menos quase tudo o que eu sei, o que significa quase nada. 

Numa panela de pressão (sem a tampa, não é pra meter pressão AINDA), coloque um pouco de azeite. Mais ou menos 2 goladas. Recomendo usar a cabeça, e não a boca pra medir 2 goladas. Deixe esquentar por uns instantes e jogue a cebola picada. Ah, companheiro... o cheiro disso é bão dimais. Você deve mexer com uma colher de pau durante uns 5 minutinhos, até a cebola começar a ficar meio transparente. Isso significa que ela tá fritinha, e aí começa a mágica. 

Misture, agora, o alho. Eu costumo empurrar a cebola pros cantos da panela abrindo uma clareira, e tacar o alho lá dentro. Porque, em contato com o fundo da panela, o alho frita rapidinho, e fica com aquele crocante legal. quando ele começar a ficar queimadinho, e fica esperto porque isso acontece bem rápido, mistura tudo. Putz, o cheiro da cebola e do alho fritando juntos é indescritível.

Agora o tomate. Manda ele todo lá no meio e fica mexendo, durante um tempo. O tomate começa a se desmanchar, fazendo daquilo tudo uma pasta. Taca lá dentro uma folha de louro (ah, ana maria braga... que saudades da senhora), inteira mesmo, nem precisa picar. Agora, um lance importante pra rabada: açafrão. Pode ser daqueles saquinhos de tempero que vende no mercado, mesmo. O açafrão é um tempero meio vermelho. Dá uma sapecada lá dentro, que deve dar, mais ou menos, uma tampinha de garrafa de breja. Se não sabe o quanto, compre uma breja, beba, lave a tampinha, seque, encha de açafrão e enfie no rabo (no bom sentido, claro). Pode ser, no mínimo, uma boa desculpa pra enxugar mais uma. Misture tudo, jogue sal com comedimento e voilá: Nesse momento, parabéns, compana: você acabou de fazer um refogado! 

Se você é do tipo que curte dar uma caprichada, recomendo picotar umas folhinhas de manjericão e orégano frescos (ui!). Guarda isso, orégano e manjericão funcionam bem em qualquer coisa que se possa mastigar. De pão com manteiga a cavalo no rolete, vai na fé que sempre ajuda.

Pegue a leiteira da mãe (ou da patroa), encha de água e bote pra ferver. Depois te explico pra quê você vai precisar disso.

Agora, voltemos à vaca fria. Fria mesmo, porque o rabinho ficou guardado e deve ter esfriado. Jogue todo o rabo dentro da panela de pressão com o refogado. Mistura direitinho, dá um certo trabalho, mas eu sei que você consegue. 

Com muita parcimônia, vai tacando aquela água que ferveu. É importante ela estar quente. A vaca faz a maior frescura com esse rabo, e se vc meter água fria, o rabicó da mimosa endurece e aí ferrou com a tua receita.

Isso, jogou a água toda? Misturou? Então continua a misturar até a água ficar cremosa. A essa hora o cheiro começa a ficar bem legal. Essa misturada aí deve levar uns 30 minutos. Aproveite pra tomar mais umas brejas. Só fica atento pra não deixar o nível da água descer demais. Tem que ficar na altura dos rabinhos. Ou seja, nenhum rabinho fora d'água, entendeu?

Quando a água estiver cremosa, e o nível estiver legal, feche a panela de pressão. Conte, a partir de agora, meia hora no relógio. Se você pensa que vai aproveitar essa meia hora pra tomar mais brejas, acertou. Tome mais meia hora de breja.

Mas, se você pensa que vai ficar ali, de perna pro alto tomando breja, errou. Enquanto a panela faz o capeta com a sua rabada, você deve picar meio maço de salsinha e cebolinha. Fica esperto na hora de comprar porque a salsinha se parece muito com o coentro, e são duas coisas completamente diferentes. Digo isso porque eu mesmo já fiz essa cagada algumas vezes.

Passada a meia hora, brejas na cara e salsa picada, hora de abrir a panela. A rabeta deve estar molinha, e você pode até tirar um tequinho pra experimentar. Se ainda estiver meio dura, cheque o nível da água, feche a panela e manda mais 10 minutos. 

Se ela estiver bem macia, pode jogar lá dentro a salsa picada e a cebolinha e se plepalar pla mistular a labada dulante tleze minutos. Com a panela aberta, não é mais pra mandar pra pressão.

Agora é só jogar tudo, com água e o escambau, numa boa travessa e chamar a mãe, a patroa, o pai e os vizinhos pra comer. 

Uma informação importante: a cozinha ficou um inferno. Tome todas as providências para que a dona da cozinha não tenha que ir buscar nada lá até o final do almoço. E não coma demais, pode ser que você precise correr quando virem a bagunça.

Custo da rabada: R$15,00 por 1,5kg. Honesto, vai. Ainda tem a cebola, tomate, alho, tempero e água, mas nem vou colocar isso na conta.
Rendimento: Umas 4 pessoas, se não forem vikings nem ogros.
Tempo de preparo: Umas 3 horas. Sirva bêbado. Bem bêbado.


17 comentários:

Ayrton Torres disse...

Oi Daniel.

Cara, a minha avó faz uma rabada com agrião que faria a ana maria braga (dá-lhe analytics...rs) passar pelo subsolo daquela cozinha EMO que ela usa...debaixo da mesa é pouco.

Parte "Sem ser chato"...
Begin
a cor do açafrão (o mesmo que cúrcuma aqui no Brasil)é amarelo ouro, quase mostarda...o que é quase vermelho é o colorau (colorífico), feito de urucum.
End

Pra não deixar uma mensagem em cada post, e deixando uma dica legal pra essa fase dentro da cozinha, fiz ontem um CUPIM que impressionou até a minha nona.

Aqui também tá dando pra deixar a breja gelando na varanda, então me mudei pra cozinha. Abri a geladeira e resolvi fazer a corcóva do zebuíno.

Como não tive saco pra fazer o processo do forno (8 horas + ou -, celofane, etc), coloquei a bolota na panela de pressão com os temperos que eu faço, cobri com água fervendo (se não fizer isso, ela vê a Medusa no ato...vira um pedaço de pedra) fechei e deixei o cupim lá cozinhando por 1:40. Depois tirei e simplesmente coloquei no forno só com o grill aceso pra dar a torradinha.

Resolvi o problema de tempo e o do excesso de gordura. E ficou macia, derretendo. Durou o tempo de fatiar, pra você ter uma idéia.

Cara, deu até vontade de nunca mais fazer cupim na churraca devido ao trabalho. Só não faço isso porque os churrascos aqui são quase contados em dias e também como aí, quem fica até o fim são os chegados.

Abração

Ayrton

Daniel Rodrigues disse...

Taí um cara que sabe das coisas!! Grande Ayrton!!!

Um adendo pra não ser chato: eu usei o açafrão mesmo. O vermelho que eu cito na receita é o tal amarelado que vc falou. Questão de calibragem :-)

Cara, animal essa tua idéia. Vou fazer com toda a certeza. Uma coisa que me incomoda um pouco no cupim é que demora muuuuuuuito pra fazer, e não é uma peça como a ponta de agulha, que realmente faz a festa quando fica pronta. Com a diferença que o cupim dá até mais trabalho, por causa de celofanes, ficar virando e outras coisas.

Essa da panela de pressão, certamente vou experimentar.

E, pra finalizar, adorei a parte de olhar pra medusa e virar pedra. Sensacional!

Abração
Daniel Rodrigues

Creuza Moura disse...

Uau. Fiquei com vontade de comer uma rabada bem suculenta....
adoro o humor que permeia a receita, quando indiquei o blog pra uma amiga ela pemsou que se tratava de uma piada....

com certeta este será o prato de deomingo la em casa.

um abraço

Daniel Rodrigues disse...

Oi Creuza
Pior que parece piada mesmo, mas te juro que todas essas porcarias que eu escrevo aqui ficam boas de comer também :-)

Valeu ae moça!

Abração
Daniel Rodrigues

Ayrton Torres disse...

PAREM AS PRENSAS!!!!

Daniel, esqueci de informar uma coisa IMPORTANTÍSSIMA sobre o Cupim na Panela de Pressão.

ANTES de colocar o dito sob pressão , tem que selar ele para a gordura não fugir e você perder 1:40 cozinhando um toco petrificado, ok?

A pedido dos familiares e não tanto do meu irmão cardiologista, fiz o Cupim novamente...com o mesmo resultado espetacular.

Abração

Ayrton Torres

Daniel Rodrigues disse...

Caramba, Ayrton!!

Eu quaaaaaase fiz essa carne ontem!! Ainda bem que não fiz e vc deixou a dica! Magina que merda, ia ficar um tijolo e eu ia te xingar! hahaha

Quanto ao irmão cardiologista, pensa pelo lado bom: pelo menos o suporte tá por perto :-)

Valeu garoto!

Abração
Daniel Rodrigues

Ayrton Torres disse...

Oi Daniel.

Assim que fizer, se gostar e quiser publicar, tá liberado o copyright ok? ;)

Abração
Ayrton Torres

Daniel Rodrigues disse...

Fala Ayrton!!

Quase fiz ontem, mas como o frio deu uma trégua, acabei fazendo um churasquinho mesmo... Fiz aquela vinha d'alhos do cunhado, ficou animal..

Sabe o que eu penso a respeito desse lance de copyright de receita? A culinária já existe há tanto tempo, que eu duvido que a gente consiga inventar algo realmente novo. Por isso que eu publico as minhas coisas aqui sem dó. Mas pode deixar que, ao menos, os créditos eu dou :-)

Abração
Daniel Rodrigues

Ayrton Torres disse...

Daniel, o que você disse está certo. Senão a ana maria braga não ia ter programa.

Só mais uma dica quanto ao cupim.

Antes de fazer o bicho, deixa ele de molho ao menos 24 horas na geladeira (vinha d'alhos ou o tempero que for).

E lá se vão 3 cupins...acho que vou errar a mão no próximo pra ter descanso fim de semana... ;)

Próximas experiências...vieiras na grelha e uma corvina dourada de linha (tente sempre comprar peixe de linha) no aluminiun's oven (também na grelha).

Abração

Daniel Rodrigues disse...

Ayrton

Tou começando achar que é melhor esperar mais algumas semanas pra fazer esse cupim. Tou achando que você ainda vai fazer mais algumas vezes, e dar dicas cada vez melhores. hehehehe

E você tem razão: cupim marinado é o bitcho!!!

Valeu compana! Acho que esse fds eu preparo esse cupim aí. Depois conto como foi

Abração
Daniel Rodrigues

joão disse...

Daniel.. chorei de rir vendo sua receita.. parabéns!!

visita lá meu blog...

ahh se um dia vc ver essa receita copiada lá não estranhe... será uma homenagem ao seu estilo...parabéns.,.

Daniel Rodrigues disse...

Fala João, beleza?

Po, muito legal o João e o Fogão. Adorei a receita do croc de maminha. Vou experimentar sim.

Vou linkar teu blog aqui, parabéns, receitas bacanas e blog de qualidade!!

Se quiser colocar a receita lá, pode colocar. Só mantem os creditos e linka pra ca que tá tudo em casa.

Abração
Daniel Rodrigues

Dênis Abreu disse...

Rabada é coisa linda de Deus! Pra acompanhar, um bom pirãozinho com o caldo e arroz branco. Cabou-se tudo. Uma cervejinha pra acompanhar e uma boa pinguinha pra abrir os caminhos e tá feita a festa.

Excelente tua receita.

Daniel Rodrigues disse...

Po, Denis... 11:55 e você me lembra dessas coisas... assim eu não vou aguentar e vou estragar o teclado, de tanta baba. hehe

Valeu a força

Abração
Daniel Rodrigues

Aline Penha disse...

Não tinha foto neste post?!

Daniel Rodrigues disse...

Oi Aline, amiga querida...

Não tinha.. A rabada é um prato que dá um trabalho do capeta pra fazer, e quando ele fica pronto, vc tá tão enlouquecido pelo cheiro de horas cozinhando debaixo das suas barbas (no caso, as minhas, pq você é uma bela donzela e não as tem), que não dá tempo nem de pegar a máquina fotográfica. :-)

Bjos
Dani

george emanuel reis disse...

Fiz e amei... Parabéns...

Postar um comentário

Torrou a picanha? Fez a receita e não deu certo? Dúvidas, sugestões, vai encarar? Escreve aí o que quer, mas não coloca propaganda que isso aqui não é a casa da sogra.

Blog Widget by LinkWithin