Follow me on Twitter RSS FEED

Receitas de panela: Arroz de coco quebra tudo

Nas categorias
Sempre disse por aí que arroz não é comida. Arroz é acompanhamento e olhe lá. E ainda digo mais: nunca fui um adepto dessa companhia aí.

Arroz é como o miolo do pão: não serve pra nada, mas se você tirar o miolo de dentro do pão, vai ficar aquela sensação de que tá faltando alguma coisa. Imagina uma feijoada sem arroz, por exemplo. Não temos como discordar que fica meio perneta, não acha?

Diante disso, admitamos que o arroz é sim necessário. Vietcongues, eu me rendo: tragam todo o arroz que conseguirem carregar, porque este blog volta às panelas pra preparar um arroz de coco que vai chutar bundas, romper as barreiras do imaginável e fazer o palhaço chorar.

Um adendo importante: companheiro, escuta o que eu vou te dizer: mulheres gostam de caras que cozinham. Elas se derretem com aqueles que superam os limites da preguiça e baitolagem e metem a cara no fogão, preparam aquele jantar à luz de velas e mandam um Johnny Rivers na vitrola. Tá, nem precisa de luz de velas e vitrola, mas que elas curtem homem que cozinha, isso eu tenho certeza. E olha que eu sou casado há mais de 10 anos e não tenho a menor pretensão de sair por aí cozinhando e conquistando corações. Mas se funciona com a minha esposa - repito: somos casados há 10 anos, e a cada ano que passa, menos coisas que os maridos fazem arrancam suspiros das respectivas esposas - funciona com as garotas em geral. Anota isso, você pode fazer esse arroz pra sua vó ou pra sua mãe, mas também pode fazer pra uma garota, se dar bem e poder colocar no curriculo: "peguei uma garota na conta de um arroz". Repete comigo: ARROZ É COMIDA DE MULHERZINHA E É POR ISSO MESMO QUE A GENTE VAI FAZER. Beleza, escreve isso mil vezes e leia os parágrafos abaixo.

Sem mais delongas, vamos à receita. Vou começar bem do comecinho, porque acho bastante provável que muitos dos leitores daqui saibam fazer milagres com uma churraca e um pedaço de boi, mas nunca fizeram um arroz.

O primeiro passo é lavar umas duas xícaras de arroz. Sinceramente, não sei muito bem como fazer isso, então nas duas vezes que fiz, joguei o famoso migué na mulherada mais próxima e consegui que fizessem isso por mim. Pra falar a verdade, esse negócio de lavar tudo o que vem da horta é um saco, não acham? Um dia ainda vou me mudar pra um sítio no interior do nada, plantar eu mesmo os meus alimentos, só pra poder meter um brócoli na panela sem lavar, com a certeza de que não entupiram ele de agrotóxico, e que ninguém fez xixi no pé (do brócoli, não o seu próprio) durante a noite.

Beleza, arroz lavado, deixa ele guardadinho aí. De preferência num escorredor apropriado, pra deixar o arroz bem seco. Vai te poupar umas queimaduras lá na frente, vai por mim.

Agora você deve preparar uma cebola e meia. Ou uma bem grande. Ou duas pequenas. Você entendeu. Mas como assim, "preparar"? Eu não deveria picar a cebola e pronto? - Pergunta o curioso leitor. Olha, eu tenho feito arroz sem picotar a cebola e adorei a minha própria idéia. Pensa comigo: Você corta a cebola em rodelas, bem fininhas. Depois simplesmente separa as rodelas em sub-rodelas. Aí vai ficar com uma cebola transformada num monte de argolas. Pode pegar uma garrafa de cerveja, beber e depois brincar de arremessar as argolas nela.

Pode, mas não deve. Porque isso não é brinquedo, é comida. Porque vai sujar a sua cebola. Porque vai fazer a casa inteira cheirar a cebola. Vai fazer você pagar o maior mico, jogando argola e chorando. Além de ser uma idéia absolutamente idiota (exceto a parte de beber a cerveja que é, na verdade, uma ótima idéia). Além do que, tá na hora de cuidar do alho, e se você ficar brincando com os ingredientes, não vai terminar a receita nunca.

Então, larga mão de ser criança e picota bem pequeno uns 2 ou 3 dentes de alho. Deixa o alho separado num pires, não misture com a cebola. Ainda não.

Próximo passo, tenha em mãos uma folha de louro. Se você imaginou tirar uma lasquinha do brad pitt, do paulo nunes ou do roberto leal, recomendo que saia daqui imediatamente e dirija-se ao www.globo.com/maisvoce, ou procure pelo programa do ronnie von. Se você pensou em mutilar o papagaio de pelúcia que conta piadas no programa matinal, chegou bem perto, mas ainda não é isso. Folha de louro é uma folha mesmo, um tempero deveras agradável, que vende em qualquer lugar que vende tempero. Na verdade, abre a gaveta dos temperos da patroa (ou da sua mãe, se você ainda não pulou na água fria) que você vai encontrar umas folhas lá dentro. Pega uma e guarda no bolso.

Agora já estamos na hora de esquentar a barriga no fogão. Numa panela qualquer, jogue um litro de água, dois tabletes de caldo de galinha e tira o pé do chão, bota a mãozinha pra cima e bota pra ferver. Ok, quando ferver, você desliga o fogo e deixa ali quietinho.

Hora do famoso refogado. Acenda o fogo e cubra com azeite extra-virgem o fundo de uma panela razoável (imagina que aquele arroz vai crescer, e você ainda vai jogar um monte de ingredientes na panela. Tem que caber). Quando eu falo de azeite extra-virgem, eu falo de azeite extra-virgem, compadre. Não é pra encher de óleo, nem pra botar aquele azeite fedido que você roubou na pizzaria rodízio. Tou te falando pra correr no mercado mais próximo, gastar R$10,00 e comprar um azeite decente. Ele, mais do que qualquer outro ingrediente, faz a diferença nas coisas que você cozinha. Ingrediente de qualidade = comida gostosa, já dizia o matemático oswald de souza. Não faça economia porca, dizia meu avô. Eu tenho aquilo roxo, dizia o ex-presidente fernando collor.

Espere uns segundos e jogue uma rodela de cebola. Se fizer barulhinho, manda a cebola toda lá pra dentro, tire a folha de louro do bolso e mande lá pra fazer companhia à cebola. Munido de uma colher de pau, de um olho de vidro e de uma cara de mau, comece a mexer aquela coisa toda. Você vai notar que a cebola começa a ficar meio molenga e amarela. Tá fritando, camarada. Continua mexendo.

Só pra sacanear, você pode jogar ali umas 2 pitadas de pimenta do reino preta. Ela vai misturar com a cebola e com a folha de louro, e faz o capeta na sua panela.

A folha de louro, aparentemente, não serve pra nada. Mas é nessa hora de fritura que você começa a entender porque ela tá lá. Ela solta um cheiro agradável junto da cebola, e entenda que, em culinária, se cheira bem, o gosto é bom.

Olha, pensando aqui com meus botões: umas duas folhinhas de manjericão também fariam um belo agrado nessa mistura, não acha? Vai por mim e manda duas folhas de manjericão pra dentro.

Hora que estiver molenga pra mais, você pode jogar o alho. Abra uma pequena clareira na cebola, de maneira que você possa deixar o alho em contato com o fundo da panela. Deixe assim alguns instantes e pode misturar todo mundo. Na minha opinião, esse cheirinho é uma das coisas mais legais que tem na culinária de panela.

A sua missão agora é fritar o arroz. Parece meio esquisito fritar aquele negócio cru, mas vai por mim que o caminho é esse. Joga o arroz todo lá dentro, e começa a mexer. Isso vai fazer com que o gosto do azeite, com cebola, alho, pimenta do reino e louro penetre no arroz. Assim, quando ele cozinhar, vai pegar esse gosto.

Acabo de lembrar que ainda não abrimos uma cerveja. Faça um favor pra nós dois: vai na geladeira e abra uma cerveja. Dê um gole. Respire fundo. Agradeça a Deus pela inspiração dada ao ser superior que inventou a cerveja, reflita sobre a produção intelectual dos chimpanzés da Birmânia, tome outro gole e volte à receita antes que o seu arroz queime na panela.

Agora vamos a um momento que parece uma insanidade, mas é o ponto máximo dessa receita: abra um vidro de leite de coco, e mande pra cima do arroz. Quando fiz essa receita, confesso que fiquei bastante ressabiado com esse lance, porque até então, eu só tinha usado leite de coco pra fazer batida, e sempre achei que aquilo era ingrediente de sobremesa. Mas logo me convenci de que nunca na história desse país, um leite de coco deitou tão bem numa panela de arroz.

Com o leite de coco na panela, você deve mexer bem, enquanto termina aquela cerveja. Assim como a cebola, o azeite, o alho, a pimenta e o louro, o leite de coco vai ser absorvido pelo arroz, e isso tudo vai se transformar em benefício quando a garota colocar o garfo entre os dentes.

Ok, misturou, tomou a cerveja? Agora vire toda aquela água que você ferveu com caldo de galinha. Misture um pouquinho e deixe acalmar. O nível de água precisa ficar uns dois dedos acima do arroz. Se não estiver, pode completar com água da torneira que funciona do mesmo jeito. Tampa a panela, abaixa um pouco o fogo.

Tudo o que você tem que fazer é esperar. Abra mais uma cerveja e seja feliz. Abra outra e seja mais feliz ainda. Abra a panela pra ver o que tá acontecendo, abra sua mente e abracadabra: O arroz vai beber toda aquela água, enquanto você bebe algumas cervejas. É assim que funciona, quem mandou nascer arroz?

Ao contrário da briga de marido e mulher, dessa vez você deve meter a colher. Faça isso, meta a colher de pau no meio do arroz, e verifique as condições do fundo da panela. Se não houver mais água, deve estar pronto. Experimente uma garfada. Se o arroz ainda parecer meio durango, pode jogar mais um pouco de água e voltar pra sua cerveja, se estiver macio, tá pronto.

E, estando pronto, é só comer. O arroz.

Dica: Você pode preparar uma farofa pra acompanhar, certamente fica bom. Veja a receita da leitora Angela, bem legal.

Rendimento: duas xícaras de arroz rendem muuuuito. Dá pra chamar umas 5 pessoas pra comer, ainda mais porque sempre tem algum outro acompanhamento com o arroz.
Custo: O arroz custa uns 3 reais, o pacote de 1kg, e você usa meio dele. Ingredientes diversos tem custo irrisório, e o leite de coco custou uns 2,50. Um prato barato demais.
Tempo de preparo: Uma cerveja pra preparar os ingredientes, uma pra misturar todo mundo e duas esperando cozinhar. Tome rápido e faça a receita com 6 latas. Sirva feliz.


Histórias de churrasco - Mais uma história.... que a vida escreveu

Nas categorias
Eu me lembro que na minha infância, mamãe lavava roupas alegremente (tá, nem tão alegremente assim, vai) ouvindo seu radinho de pilha. No radinho de mamãe, soavam os mil-e-não-sei-quantos kilohertz da Rádio XYZ em amplitude modulada, e quem mandava ali era um cara chamado Eli Correia. Ele mesmo, aquele que falava "ooooiiiiiiiiiiiiii geeeeente!!!!". No programa dele tinha um quadro chamado "histórias que a vida escreveu".

Funcionava assim: as pessoas mandavam suas cartas, com histórias da vida, e o Eli Correia narrava diariamente uma cartinha dessas. Mas ele narrava com um tom melodramático absolutamente desproporcional. Ele conseguia fazer um drama terrível o simples fato da velhinha atravessar a rua pra comprar brócolis na quitanda do seu jorge. Eli Correia era dramático, um cara capaz de deixar o manoel carlos no chinelo.

Lembrei-me disso esta semana, com o lance das histórias de churrasco. Raphael Oliveira tinha uma boa história pra contar. Daquelas, que reúnem família, futebol, porrada, churrasco e cerveja no mesmo balaio. Decidiu dilacerar o seu coração e digitar linhas e mais linhas com o seu caso. Assim o fez, e encaminhou a este que vos escreve.

Porém, o destino fez com que o meu Gmail mandasse, deliberadamente, o e-mail dele para a minha pasta anti-spam. O Gmail não quis saber, triturou os sentimentos do nobre leitor, mandou para o limbo o coração do Raphael.

E pois foi que, num golpe da mais pura sorte, resolvi clicar na pasta anti-spam e encontrei o e-mail dele.

E pude notar que, além de manoel carlos e eli correia, o Raphael também é um ótimo contador de histórias. E a história dele é muito boa mesmo.

Sendo assim, tirem as crianças da sala e deleitem-se com a galopante aventura churrasquística contada abaixo, sem nenhum grifo, sem nenhuma correção, na íntegra.

Com vocês... Mais uma história... que a vida escreveu:

Minha história é a seguinte. Foi no início do ano de 2008, por causa de um amigo, o Flavio, que  queria fazer um churrasco no aniversário para o filhinho dele. Ele nunca tinha sido um pai muito presente, porém de emprego novo e mais provido de papel moeda no bolso, queria correr atrás do prejuízo e resolveu fazer um churrasco. Nem tanto para agradar o garoto que faria 10 ou 11 anos . Ele queria calar os críticos e  iria convidar toda a família da mãe do moleque para mostrar seu valor, segundo as próprias palavras dele. Somos do subúrbio do Rio, mas precisamente de São Gonçalo e por aqui não temos o costume de contratar profissionais para fazer um churrasco. Isso fica por conta de um amigo que tenha um pouco de intimidade com a arte de "queimar uma carne na brasa", que é como nos referimos ao churrasco por estas bandas.

Tudo ia razoavelmente bem, descontando os comentários maldosos da mãe e outras tias da mãe do moleque acerca da procedência da carne, das bebidas e do tal novo emprego do meu parceiro. Ele por sua vez, ficou o tempo todo ajudando a preparação das carnes e se lamentava que a família da moça teria sido o motivo da separação precoce. Conforme o grau etílico aumentava a prudência diminuía. A dele e a minha também. Esse meu amigo é parceiro das antigas. Inclusive de Maracanã, onde praticávamos a mesma religião. O Flamengo.

Conforme a galera se empapuçava, nós, como bêbados típicos, íamos filosofando sobre família, religião, separação, filho de pais separados, amizade, tudo regado a bastante cerveja e batida de limão. Quanto mais bebíamos mais a qualidade da carne ia caindo. Com medo de cometer o crime de torrar a carne, o bife ia saindo quase cru. Em escala inversa as críticas iam aumentando e o clima de tensão se agravando. Pra piorar, era dia de final do campeonato carioca. Mengão e Botafogo. E o meu parceiro teve a infeliz idéia de colocar uma TV para assistirmos o jogo. O evento ocorreu na casa onde a Ex e o menino viviam atualmente, ou seja no campo do adversário .Os fariseus eram todos vascaínos e estavam obviamente secando o "Mais Querido".

Final de jogo. Flamengo campeão. Dois gols do craque Obina melhor que Eto'o e um do Diego Tardelli. A essa altura já estávamos totalmente enzinabrados e na empolgação da final do Campeonato. Gozações, cantorias e aquela discussão característica de vencedores e supostos vencidos. A discussão que era sobre futebol, inevitavelmente mudou de rumo:  Você nunca foi Pai ! vociferou um Tio. Cambada de invejosos ! respondeu o Flavio. Quem você pensa que é seu cachaceiro ?!! Debochou a ex-sogra. Sai pra lá Bruxa !!! E um esbarrão maroto derrubou a velha no chão. Bastou !!! Umas 40 pessoas contra 1!!! Contra 2 melhor dizendo, pois só senti o vento de um prato passando a dois dedos da minha cabeça !!!  Só me lembro de devolver a gentileza jogando pedaços de contra - filé, um saco de carvão pela metade, uma garrafa pet ( não o gringo Petkovic, mas essas de refrigerante dois litros ) cheia de batida de limão e sair correndo. No caminho derrubei mesa, cadeira, caixa de isopor com gelo e cerveja. O Flavio também se virava como podia. O negócio ficou russo. E tome pescoção, rasteira, soco, rabo de arraia, ponta-pé. O bicho pegou feio. A sede dos adversários no meu parceiro era insaciável. Consegui me desvencilhar, até porque não era o alvo principal, e chegar até o portão. Não sem sofrer algumas escoriações. Já na rua  e preocupado com o Flavio dei uma meia parada e olhei para trás. O parceiro passou por mim feito bala e disse: Não pára não sangue-bom !!!! Não pára não !!!! O bicho pegou !!!!!

Hoje estou rindo muito, ao lembrar desse caso, mas na hora a parada foi feia. Dias depois contando ao meu Pai o motivo de algumas manchas roxas pelo corpo, ele me perguntou onde eu estava com a cabeça em aceitar um convite como aquele pois qualquer um em sã consciência saberia que não iria dar em boa coisa. Aí eu me lembrei que não via  o Flavio há algum tempo e o convite foi feito quando nos reencontramos e bebíamos umas e outras relembrando os tempos passados. Não tive como não aceitar. Um bom amigo, um convite para um churrasco e feito na base de várias cervejas e boas lembranças. Pois deu no que deu!

Um forte abraço e espero que tenha gostado da aventura.

Saudações rubros-negras,

Raphael 

Taí a emocionante história de um pai, que ao buscar o reconforto do filho, amputou ao rebento 12 ou 15 anos de terapia. Essa história poderia gerar mil comentários de minha parte, mas prefiro deixar assim: cada um tire as suas conclusões. Só dispenso a parte das saudações, ok?

A próxima história fala dos larápios, safados e picaretas que sorrateiramente se infiltram em nossos churrascos. Aguardem!


Histórias de churrasco

Nas categorias
Aviso aos simpáticos e ansiosos leitores deste blog, que minha demora na atualização e consequente ausência de receitas e aventuras recheadas neste recinto se deve a um fator único, temporário e bastante importante: promovi, recentemente, uma reviravolta na minha vida profissional. Coisa de Viva la Revolución mesmo. Agora, estou trabalhando mais, mas mais gostoso. Como seria possível trabalhar gostoso eu deixo a cargo da sua imaginação, com apenas uma pista: não tem nada a ver com putaria, seu mente suja.

Vamos ao que realmente importa.

Já percebeu que sempre acontece alguma merda num churrasco? Ou melhor, um churrasco é um evento potencialmente provável para o acontecimento de alguma merda. E isso tem um motivo bem lógico. Na verdade mais de um.

Álcool. Esse é o nome da coisa. E não tou falando daquele que acende o fogo, não. É o álcool que a gente bebe, álcool que acende gente. Cana, mesmo. Breja, cachaça, caipora. Não existe churrasco sem álcool. Num churrasco, até existe aquele cara que não bebe e tal. Mas nunca vi um churrasco onde ninguém bebe. Isso não acontece. Não existe o "churrasco anual de confraternização de não-bebedores".


 - Dotô, chegou a cana que o senhor tava esperando pro churrasco!

Logo, se tem álcool, alguém fica bêbado. Ou mais de uma pessoa fica bêbada. Ou todo mundo fica bêbado. E é aí que acontece a merda. Historicamente, bêbado faz merda.

A isso soma-se outro fator. Filosofemos.

Conversando via e-mail com o Raphael, churrasqueiro profissional de BH e leitor desta espelunca, chegamos a um ponto que agora trago à mesa aqui, para discussão: já notou que churrasco sempre tem uma vibe boa? Sério, pensa nisso.

No começo deste blog, eu era super preocupado com os rumos que poderiam ter as discussões nos comentários, e moderava tudo e bla bla bla whiskas sachê. Depois de um tempo, percebi que nenhum, absolutamente nenhum comentário deste blog era negativo. As pessoas, desde o começo, comentavam suas impressões sobre a receita, tiravam dúvidas, davam dicas preciosíssimas, mas sempre na paz, numa vibe bacana. Nem modero mais os comentários. Por isso, eu acho que quando alguém pensa em churrasco, já esvazia a mente, já mete o sorrisão na cara.

Logo, podemos concordar que não existe churrasco sem álcool, assim como não existe churrasco de gente séria. Junta-se os pauzinhos, conta-se 2 + 2 e chegamos à conclusão de que gente pouco séria, com a cara cheia de álcool faz merda. O aritmético leitor concorda com o repetente escriba deste pergaminho?


- Tenho plena consciência das minhas faculdades mentais!

Começo, no próximo post, uma série sobre as merdas que eu fiz, ou já vi fazerem em churrascos. E dou a primeira dica: ainda não decidi se vou escrever sobre o dia em que eu montei nas costas da réplica do Cristo Redentor, se escrevo do dia em que a churraca expoldiu, ou se escrevo do cara que entrou num churrasco chutando o cachorro.

E você? Qual a sua história? Aposto que encheste a cara e fizeste merda, caro leitor. Não adianta olhar com essa cara de santo que eu sei bem o que vocês fizeram no verão passado.


- ... e aí eu falei: tem que virar essa linguiça aí, cumpadi!
- jura?

Quem quiser ter a sua história publicada, pode me mandar pra danielwalterrodrigues@gmail.com que eu publico as melhores. E ainda tem mais: o espírito da benevolência acaba de tomar a minha alma, e antes que você possa soletrar Zíbia Gasparetto eu prometo que vou sortear para os que participarem (ou mesmo comentarem) um vidro de molho chimichurri, preparado por mim. Como eu vou entregar isso, não sei. Mas promessa é dívida e eu agarântio.


Molhinho da vovó

Nas categorias
Não tenho como saber em qual dia e horário você estará lendo este post, mas eu posso te garantir que eu sei em que dia e hora estou escrevendo. E te digo: hoje é segunda-feira, e já passamos de meia-noite. Informação esta que me coloca numa saia justa, porque eu garanti que seria segunda, mas na verdade já passou da meia noite, transformando automaticamente essa segunda numa terça.

Ok, segunda ou terça, tanto faz. O que nós podemos concordar é que, salvo feriados ou aqueles dias da mais absoluta lambança, segunda ou terça não são exatamente os melhores dias da semana pra fazer um churrasco, não é?

Somando a isso o fato de que eu abusei da prerrogativa de ser carnívoro neste final de semana e devo ter comido, entre sexta e domingo, uma vaca inteira. Vaca, daquela que muge e come mato, de quatro patas e rabo abana-moscas. Limpe essa sua mente ruminante e decrete comigo: hoje não vamos falar de churrasco.

E tira a mão desse agrião aí, moleque.
Um adendo importantíssimo a respeito do agrião, que eu já vou te avisando agora, pra você não estranhar na hora: eu ainda vou escrever um post aqui sobre o agrião. Já notou como é gostoso comer agrião tomando cerveja? Sério, pára tudo e experimenta. Bom, tá avisado. Qualquer dia eu vou escrever sobre as propriedades embriagadoras da dupla agrião e cerveja, e não quero você fazendo beicinho (ui) e nem olhando feio pra mim. Tá avisado.
Onde eu queria chegar? Ah, aqui, na minha vó.

Vó é o maior barato, sou fanzaço da minha. Provavelmente da sua também. Porque casa da vó é sinônimo de comer bem. Taí a Dona Benta, fazendo bolinhos de chuva pro menino Pedrinho, lá no Pica-pau amarelo. E vou te falar: Perdeu, Narizinho, porque se a tua vó faz bolinho de chuva, a minha faz comida. E comida boa, não é qualquer bolinho, não. Dona Ivette, a nonna, manda bem até quando passa manteiga no pão.

E foi numa dessas que eu aprendi a fazer um verdadeiro manjar, uma maravilha da culinária Donivética, que você pode preparar na sua casa, aproveitando pra fazer amigos e influenciar pessoas.

Comida na casa da vó, mesmo que durante a semana, costuma ser almoço. Ela prepara com carinho, faz o show que ela bem sabe e serve aquele almoção fantástico.. Mas teve uma vez, que o combinado foi diferente, e acabamos marcando um jantar. Lanchinho, segundo ela.

Na hora marcada, chegamos, batemos um papinho e fomos pro lanchinho. Vovó vai pra cozinha e volta com um pão francês cortado ao meio, recheado com alguma coisa maravilhosa que parecia queijo+presunto derretidos, mas não era bem isso.

Não era bem isso, mas ao mesmo tempo era, então perguntei à nonna como é que ela conseguia fazer um simples sanduíche de queijo e presunto ficar tão bom, ela me respondeu e te prepara pra fazer o melhor lanche da história do pão francês.

O primeiro passo é picotar uma cebola. Uma cebola das pequenas, não queremos fazer um sanduíche de cebola, ok? Prepara uma faca afiada, engole o choro e liberta o Jason que há dentro de você. Queremos essa cebola bem picotada, pra você não sentir nacos de cebola no seu lanche futuramente, ok? Guarda a cebola picotada num pote.

Aproveita o embalo e picota, muito pequeninho, uns 2 dentes de alho pequenos. Não precisa colocar muito alho, mas se você não pô-lo, vai fazer falta. Seja comedido, picote e guarde em outro pote.

Isso, suje louça mesmo. Dê um migué e peça pra alguma garota lavar depois. Comigo, sempre funciona.

Agora, os tomates. Picote em pedacinhos, uns 2 tomates médios. Na verdade, esses tomates não precisam ser tão pequenos como a cebola e o alho, mas vale ter um certo cuidado.

O principal da receita é o queijo e o presunto, não? Então, picote uns 300g de presunto. Se você comprou fatiado, ponto pra você. Rapaz astuto! Fica mais fácil picotar, você deita todas as fatias na tábua, e faz um tabuleiro de xadrez sobre ela. Assim, ainda pode retirar alternadamente e arrumar uma diversão enquanto cozinha.

O queijo, por motivos óbvios, você não precisa picotar. Se não entendeu ainda, fica aí o mistério no ar. Mas confia em mim, não precisa picotar o queijo. Até pode, mas não precisa.

Seguinte, o preparativo é bem facinho, e tudo o que você tem a fazer é meter todo mundo na panela, respeitando minimamente uma certa ordem. Vamos a ela:

Deite, numa panela, umas 2 goladas de azeite. Mais ou menos o suficiente pra cobrir o fundo da panela. Não precisa por muito, animalesco leitor. Lembre-se que o queijo vai derreter, e ele já tem muita gordura. Pense na sua coronária e seja comedido no azeite.

Aqueça o azeite no fogo. Ou você também não entendeu porque colocamos o azeite na panela? Quanto mistério... Já sacou porque não precisa picotar o queijo?

Quando o azeite estiver quente, jogue toda a cebola picotada. Sempre digo que esse é o começo da mágica. A cebola faz barulhinho, fica bonita e cheirosa, quando frita no azeite. Coisa linda.

Alguns segundos depois, a cebola começa a parecer meio transparente, fica meio molenga. Essa é a hora que você pode encher o peito, e fazer todo mundo ouvir do Ipiranga às margens plácidas: A cebola tá fritaaaaaaa!!!

Joga o alho lá pra dentro, mistura. A coisa começa a ficar supimpa dentro da panela.

Na sequencia, hora do tomate se juntar aos seus amigos fritantes. Mexendo sempre. O tomate começa a dissolver, e fazer daquela fritura um verdadeiro molho. Parabéns, nesse momento você entendeu o que é fazer um refogado. Mas continuemos, estamos perto do fim.


Perto do fim.

Nessa hora, aposto que você já comeu a rainha branca, alguns peões e corre porque o cavalo preto tá vindo aí, e manda o tabuleiro de presunto pra dentro da panela.

Como o presunto é meio borrachento, ele vai ajudar a destruir os tomates. Vai mexendo.

Agora é o fim do mistério: Joga o queijo, picotado ou não, pra dentro da panela. Ele vai derreter com o calor, o que faz com que não importe nada, se ele estava picotado, fatiado ou com uma escultura de michael jackson. A única informação que você precisa ter é que ali existem 300 felizes gramas de queijo mussarela.

Só pra dar um agrado, você pode jogar uma colherada de orégano lá dentro. Tem tomate, tem queijo, tem presunto? Joga orégano, que esse é da turma.

Assim que derreter o queijo, é só cortar o pão no meio e rechear. Tou aqui, no aconchego do meu lar, confiante de que você sabe como fazer essa parte.

Divirta-se. Encha o bucho. Vá pela sombra.

Custo: Somando todos os ingredientes, deve sair uns 10 cruzeiros. Bem barato.
Rendimento: Bastante coisa. Sendo generoso na hora de rechear os pães, essa quantidade rende uns 10 sanduíches.
Tempo de preparo: Umas 3 latinhas, rapidinho e vale a pena.


Concurso de microcontos

Nas categorias
O caro leitor vê o título deste post e já deve imaginar que estou sendo pago para falar de algum concurso, e bla bla bla whiskas sachê.

E errou, nobre leitor. Não sou pago pra nada nesse blog.

Isso aqui é uma dica de uma brincadeira divertida que pode te render um Mega Drive. Isso mesmo, aquele, que você jogava quando ainda era virgem. Porque eu jogava isso quando era virgem.

O gamer e amigo Vince Vader está promovendo um concurso de microcontos no Twitter, e você participa apenas mandando o seu microconto pra @vincevader. Depois os leitores elegem o melhor, que leva um megadrive.

O que é um microconto, pergunta-se o mais curioso dos leitores desta espelunca. Funciona assim: você cria um personagem, uma situação e um desfecho em apenas 140 caracteres. Veja o microconto que criei para o concurso:
@vincevader Carneiro, o gamer churrasqueiro, não entendia porque Jogos de Verão tinha surf e BMX, mas não tinha churrasco nem cerveja gelada
Sacou a vibe? Aproveitei o ensejo e já meti um churrascão no meio da parada.

Vai lá, cria o seu! Aposto que vai viciar na arte de escrever microcontos.

Pra entender melhor, visite o blog que o Vader criou pro concurso.

Se você ganhar o Mega Drive, me chama pra jogar!


Maturatta é maturada? => FINAL

Nas categorias
Gosto de gente séria. Até foi por este motivo que escrevi o primeiro post sobre a Maturatta.

E você nem precisa ler os comentários que lá se encontram pra sacar que a Friboi é gente séria. Tá, a Friboi não é gente, mas o Flavio Saldanha, gerente de marketing de lá é. E gente séria.

Enviei um e-mail (na verdade 2, mas isso não tem a menor importância) à Friboi, questionando se a tal carne Maturatta era mesmo maturada. A Friboi, personificada na figura do seu gerente, o Flavio, não respondeu ao meu e-mail, mas fez coisa melhor: veio diretamente aqui no Blog responder diretamente a vocês através dos comentários. Coisa de gente séria, não?

Resposta esta que, conforme prometido, é transcrita aqui, na íntegra:

Olá, Realmente a Maturatta é Maturada. A linha toda passa por um processo de Maturação de 15 dias em túneis de Maturação nas unidades do Grupo JBS/FRiboi.
Obrigado pela dica de conteúdo do site www.maturatta.com.br; realmente temos que aprimorar e faremos isto com o auxilio de vcs.
Obrigado pelas dicas
Flavio Saldanha - Ger. Mkt - Grupo JBS

Flavio Saldanha, simples e direto: sim, a Maturatta é maturada. Pra mim, a discussão morre aí. É maturada e ponto final.

Friboi, ponto pra você. Além de preparar cuidadosamente os boizinhos que deitaremos na nossa churraca, ainda responderam ao nosso questionamento, num prazo bastante razoável, e através do seu gerente de marketing e não de um SAC qualquer com respostas prontas.

Tem um ponto que eu acho legal frisar. O site da Maturatta não deixa muito claro se a carne é maturada ou não. Isso faz com que, assim como aconteceu aqui, o consumidor suspeite. Confesso que, para escrever aqui, não fui até o açougue conferir a embalagem, mas pelo que me lembro, a mesma também não fala claramente sobre o processo. Mete um carimbo aí na embalagem: "contém carne de boizinhos alegremente maturados". É uma baita vantagem a carne ser maturada, não vejo porque não falar em letras garrafais :-)

Agora, o site da Maturatta poderia mesmo ganhar um agrado. E a Friboi pode contar conosco para o que julgar necessário.


Maturatta é maturada?

Nas categorias
Recentemente, surgiu uma discussão nos comentários do blog, acerca da linha Maturatta, da Friboi. A bola que foi levantada ali, é porque surgiram dúvidas se a carne é realmente maturada, ou se foi dado esse nome numa fanfarrice pra ludibriar o consumidor.

Maturação é um processo de apodrecimento controlado. Não tenha nojo disso, entenda que a parte do "controlado" é muito mais importante do que a parte do "apodrecimento". Lembra do queijo gorgonzola, que parece podraco, mas é uma delícia. Pois é, com esse "apodrecimento controlado", a carne tende a ficar bem mais macia e saborosa, pois algumas enzimas agem e clica aqui pra conhecer como funciona. Legal, mas isso tudo tem um custo. Economicamente falando, o frigorífico mata o boi e começa o maior samba do criolo doido pra mandar aquele boi o mais rápido possível pra dentro da sua churraca. E deixar o boizim maturando ali custa grana. Por isso a carne maturada é mais cara. E a carne Maturatta é cara. Mas não fica claro se passou ou não pelo processo.

Sinceramente, conheço vários produtos da Friboi e não acho que eles seriam assim sacanas, mas confesso que não encontrei no site, nenhuma informação bem clara: "Essa parada é maturada" ou "Essa parada não é maturada, você comprou, a gente ganhou e você perdeu".

Com isso, façamos valer a voz do consumidor, a internet taí e a gente tem o trombone pra meter a boca. O trombone, ok?

Mandei um e-mail pro SAC do site da Maturatta. Que, diga-se de passagem, carece de conteúdo mas é um belíssimo site.

E-mail este que transcrevo abaixo, assim como transcreverei a sua resposta, ou reclamarei a ausência dela. Afinal, o intuito aqui não é brigar com a Friboi, e sim informar aos leitores.


Olá. Escrevo regularmente num blog sobre receitas de churrasco, e recentemente os leitores levantaram um assunto que julgo bastante pertinente. O grupo Friboi possui uma linha chamada Maturatta, onde as carnes são embaladas à vácuo. Tanto o nome, quanto o fato de estarem no vácuo, nos sugere que estejamos comprando carne maturada. Porém, não encontrei nenhuma informação que realmente afirmasse que as carnes em questão são maturadas. Gostaria de uma posição da Friboi para poder transmitir a informação correta, seja ela qual for, aos meus leitores. Agradeço Daniel Rodrigues Deitando o Gato na Grelha


Vamos aguardar. Como diria o cid moreira: estamos de oooooolho.


Linguiça Alheira, uma epopéia tipicamente portuguesa

Nas categorias
Querido leitor, se você já leu o meu nome alguma vez aqui, pôde notar que o meu sobrenome é Rodrigues. Com isso, o astuto leitor pode, também, supor a origem desse nome. Se não pode supor, existe uma grande chance de termos um fator preponderante em comum: o sangue lusitano corre desgovernadamente em nossas veias, parceiro.

Então, podes imaginar que, há quase um século atrás, um tal Seu Rodrigues partiu de além-mar, com mais alguns patrícios, pra varar esse marzão rumo ao desconhecido e abrir uma padaria aqui. Tá, bisavovô não abriu uma padaria, mas o gosto pela culinária lusitana veio com ele, se transportando irremediavelmente através do DNA dos seus futuros predecessores.

Dentre as iguarias da culinária de nossos gentis colonizadores, destacamos especialmente uma: a linguiça alheira, convidada especial deste capítulo nesta novela da vida :-)

Bisavovô veio lá da terrinha, e numa casinha do bairro do Brás saboreava alheiras com o menino Renatinho, que viria a ser meu querido e saudoso vovô. O menino Renatinho cresceu (digo, ficou mais velho, porque grande ele nunca foi) e virou o Seu Renato Rodrigues, cultivou um suntuoso bigode e foi pra guerra. Guerra?
Momento história de família: Meu avô foi pra guerra como voluntário. Certa vez, eu perguntei porque ele foi voluntário, e a resposta foi sensacional: No dia do alistamento militar, havia um tenente carioca selecionando os possíveis soldados, já com a guerra em curso, e com a iminência do Brasil entrar. Pois em algum momento, o tal tenente falou, ou sugeriu, que paulista era tudo boiola e ninguém tinha coragem de enfiar o dedo na cara do alemão. Nesse momento, Renato, o marrento, levantou-se e bradou que tinha coragem sim ia mostrar pro tenente carioca com quantos bigodes se faz um chucrute. E assim, o bravo soldado Renato Rodrigues adentrou as fileiras da Força Expedicionária Brasileira. Ele nem queria ir, mas aquele tenente era folgado demais e isso não dava pra suportar.
E lá na guerra, o soldado Renato não parava de pensar nas tardes que passava com o pai, o Seu Rodrigues (então, falecido) saboreando acepipes. Ansioso pelas alheiras e com saudades do Brasil, o soldado Renato Rodrigues deu um jeito no alemão, acabou com a guerra (palavras dele. Vovô afirmava categoricamente que acabara com a guerra sozinho) e voltou ao Brasil para cair diretamente no colo de vovó, que já citamos largamente neste blog. Adiantando a história, vovó e vovô se casaram e tiveram dois lindos filhotes: papai e a minha tia Lídia.

A história se repetiu, e papai e vovô adquiriram o hábito de saborear alheiras com uma certa frequencia, como um ritual familiar, a ser passado do mais velho pro mais novo.

Mas a alheira não é uma linguiça muito fácil de se encontrar, e os fornecedores de alheiras que abasteciam vovô e o menino papai com sua mercadoria foram ficando cada vez mais raros, até que eles decidiram que era a hora de fazer a sua própria alheira. E assim fizeram, até que papai conheceu mamãe, eu nasci, cresci e todo final de semana tinha alheira na casa de vovó, pra saborearmos enquanto a refeição não vinha. Até que vovô veio a falecer, em 2002, e as alheiras acabaram rareando na casa de vovó. Aqui começa a nossa história pra valer.

Com esse blog e as consequencias gastronômicas que ele trouxe, achei que havia chegado a hora de me juntar a papai pra fazer o furdúncio na cozinha lá de casa e preparar as alheiras, pela primeira vez na minha vida. Baita honra, essa.

Nossa história começa no Mercado Municipal. Acordei cedo num sábado pra comprarmos os ingredientes no famoso templo do sanduíche de mortadela e um local sensacional pra comprar temperinhos e coisas que.. bem, que só tem lá. A visita ao mercadão, por si só, já dá um post. Portanto, vamos à receita, falo do Mercado Municipal em outro post. Entenda apenas que compramos tudo no sábado, pra prepararmos as alheiras no domingo.

Domingo, precisamente na hora marcada, toca o interfone e meu pai chega. Um pouco mais tarde do que ele gostaria e algumas horas mais cedo do que eu precisaria, começamos os trabalhos. Até porque, trabalho é uma palavra que define bem a produção das alheiras: parceiro, te prepara porque essa receita dá um puta trabalho. Prepara a picareta, o muque e a força de vontade.

O primeiro passo é cozinhar algumas das carnes. Na alheira, vai frango, e vários tipos de carne de porco. Comece jogando numa panela grande, 1kg de frango. No nosso caso, compramos a sobrecoxa, porque tem bastante carne e fica fácil desossar depois.

Junto ao frango, adicionamos 1kg de lombo de porco cortado em cubinhos. Cortamos o lombo em vários cubinhos do tamanho de uma borracha de escola. Isso, lembra aquela borracha que vem com a capinha verde? Então, pega a faca, lembra dela e picota o lombinho do mocotó. Manda todo mundo pra panela.

Um ingrediente comum a qualquer linguiça é a barriga do porco. Sabe o que é a barriga do porco? É como o bacon, mas não é defumado. É cru. CRU, mente maldita. Com o erre!! Recomendamos atenção a este ingrediente. Um pequeno deslize pode te levar a inserir a parte errada do porco na linguiça, e nós sabemos bem o que acontece quando a linguiça se relaciona com as partes erradas e nós não queremos isso na nossa receita, certo?

Passados os entraves morfológicos da barriga do porco, picote aproximadamente 400g de tal elemento em cubinhos muito pequenos e jogue na panela junto ao lombo e ao frango. Cubra com bastante água, e bote pra ferver. Se quiser jogar um ou dois dentes de alho, não passe vontade.

Prepare-se pra costurar. Isso mesmo que você ouviu. Costurar. Faça um recorte num pano de prato, tomando todo o cuidado para a patroa não perceber. Recomendo jogar o resto do pano fora. Bom, no quadradinho de pano, despeje umas 10 bolinhas de pimenta preta (é a pimenta do reino). Agora feche como um envelope, e dê um jeito de fechar. É aqui que entra toda a sua habilidade com a agulha e linha. Pra fechar direitinho, pode ser que você tenha que costurar o envelope. Larga mão de frescura, costura esse treco logo e manda pra panela.

Enquanto ferve, você tem uma missão: arranjar 1kg de miolo de pão italiano. É, essa é dificil, parece gincana. E sabe como você cumpre essa missão? Compra muito mais do que 1kg de pão italiano, descasca e guarda o miolo. Se você é malaco, e eu confio na sua destreza intelectual, guarde as cascas pra fazer torrada ou algo do tipo.

Se você demorou uma hora e meia pra buscar os pães e separar os miolos [/chuck norris], a carne deve estar pronta. Hora da pescaria!

Pesque cuidadosamente todos os pedaços de frango e guarde. Depois pesque todo o resto das carnes. E guarde a água, você vai precisar daquele caldo de porco e frango.

Com o frango, você deve retirar o ossinho do meio da sobrecoxa. Depois, seu trabalho é desfiar o frango. Como você vai fazer isso é problema seu. Entenda apenas que, das sobrecoxas que haviam ali, haverão apenas fiapos de frango, ok? Legal, feito isso, guarda esse frango ae.

O porco terá um final muito mais trágico. Encarne o seu pior momento Sexta-feira 13 e moa toda a carne de porco. Isso mesmo, passe tudo no moedor, e tenha em mente que você vai precisar de um. Sem dó nem piedade, todo o lombo e barriga de porco vão virar uma verdadeira pasta.

Estamos quase lá, ansioso leitor. Daqui pra frente, é basicamente misturar tudo e temperar. Mas vamos por partes.

Pensa comigo, você já tem 1kg de lombo de porco, 400g de barriga do mesmo suíno, 1kg de frango e 1kg de miolo de pão italiano. Ou seja, temos quase 3,5kg de comida, fora o caldo da panela que reservou. Diante desse fato, admitamos que temos muita comida, certo? Então você pode imaginar que vai precisar sapecar toda aquela comida em algum recipiente, pra misturar tudo e fazer aquilo virar uma linguiça, certo? No nosso caso, lavamos uma bacia da lavanderia e foi lá mesmo que preparamos a iguaria.

Bom, então prepara o muque que a labuta agora é cascuda. O trabalho consiste em jogar miolo de pão, lombo, barriga, frango e caldo das carnes, todo mundo na bacia, e misturar. Não tem milagre, tem que meter a mão e fazer força, muita força.

Papai, ao mexer os ingredientes, lembrava-se das duas vezes que eu repeti de ano, ou seja: usou de violência. Porém, desta vez não contra este que vos escreve, mas contra os nobres ingredientes. Para a sorte deste que vos escreve. Caso contrário, provavelmente não mas escreveria.

Enquanto isso, tratei de apelar para o bom e velho migué, e fui de fininho preparar o tempero pra jogar lá, mantendo papai ocupado.

O tempero não é difícil, não. Num pote grande, joguei umas duas xícaras de azeite extra-virgem. Depois dessa trabalheira toda, nem pense em usar o azeite mais barato, ou achar que azeite e óleo de girassol são a mesma coisa. Sem serviço porco, mande lá duas xícaras de azeite extra-virgem, do bom.

Picote, bem pequeno, 4 ou 5 dentes de alho. Aproveita que o ritmo tá bom pra picotar, e picote um maço inteiro de salsinha. Manda todo mundo pra dentro do pote.

Hora das pápricas! Jogue uma colherada generosa de páprica doce pra junto do azeite, alho e salsinha. E como páprica pouca é bobagem, adicione uma colherada igualmente generosa de páprica picante. Seu molho vai ficar uma pasta meio vermelha. E, pra ficar mais vermelha ainda, jogue uma colherada sarada de um negócio chamado Colorau, que é um tempero à base de Urucum, e sabe-se lá o que isso significa, mas aprendi isso no Mercadão. Tá feito o registro. Recomendo picotar umas 5 ou 6 bolinhas de pimenta biquinha, porque essa fica gostosa até em pão com margarina.

Uma boa golada de sal dentro do seu tempero e pronto, basta misturar tudo e jogar na bacia. Faça como eu, convença o seu pai a mexer um pouco mais pra misturar o tempero ao resto das coisas. Isto posto, papai se cansou um pouco mais e mexeu aquilo tudo.

A linguiça tá pronta. Mas você não vai colocar a carne na tripa, aquela coisa toda, caro blogueiro? Não vou não, distinto leitor. A tradição familiar fez com que meus antepassados preparassem as alheiras sem, necessariamente, enfiá-las tripa abaixo.

Normalmente, enche-se a linguiça, e coloca-se um gomo na frigideira, pra tostar. A linguiça incha, por conta do pão, estoura e você frita aquela carne. Sendo assim, o senso prático dos Rodrigues achou que o baita trabalho de encher a linguiça não valia a pena se, ora pois, ela iria estourar mais adiante. Portanto, esqueça a tripa e pense na linguiça como uma pasta de carne que você vai fritar.

Preparando as alheiras
Horas depois do início dos trabalhos, você está apto a experimentar esta saborosa iguaria. O preparo é fácil demais. No nosso caso, aquecemos uma chapa de ferro fundido na churraca. Quando estava tinindo de quente, joguei lá um golinho de azeite só pra molhar a chapa. Na sequencia, joguei uma colherada de alheira, e, com a espátula, fui amassando aquela pasta até ficar fininho.

Depois, é só deixar lá e ir virando até ficar meio queimadinho dos dois lados. É assim que a alheira fica legal, porque o queimadinho é, na realidade, pão queimadinho. Pão queimadinho temperado. Com carnes. Com azeite. Não tem jeito disso ficar ruim.

Com isso, dei, junto com meu pai, o meu passo no resgate de uma tradição familiar, o que, por si só, já é motivo de muito orgulho. E ainda por cima, ficou uma delícia. Ah, você tem que experimentar essa verdadeira tradição familiar. A pena é que vovô não está aqui pra experimentar a minha alheira. O lado bom é que todo o resto experimentou, porque nossa receita rendeu 5kg de linguiça. Aí foi só separar em saquinhos e mandar pra vó, pra tia, pra irmã...

Em resumo, uma receita difícil e que dá muito trabalho, mas é muito fácil de acertar o ponto e extremamente saborosa. Uma verdadeira iguaria.

Custo: Foi caro. Gastamos, fácil, uns R$40,00. Mas são 5kg de comida, né?
Rendimento: 5kg, ué. Muita comida.
Tempo de preparo: Nossa, umas 10 cervejas na cozinha, mais umas 3 na churraca. Sirva bêbado.


Fogo na bomba: como acender a churraca

Quando você chega num churrasco e vê ali aquela fumaceira, ossos e outros lixos na mesa, gente alegremente bêbada caída pelos cantos e toda aquela atmosfera tipo "o capeta passou por aqui" que fica depois de um churrasco, você, o curioso leitor, se pergunta: Meldels, mas como é que isso foi começar?

Eu te respondo: o churrasco começa, oficialmente, quando mete-se fogo no carvão. É como o tiro pro alto nos 100 metros rasos, o "atenção emissoras da rede globo para o top de 5 segundos", ou a luz verde na fórmula 1 que, tirando o rubinho, bota os pilotos pra correr, o willian bonner pra falar e as nossas queridas e saborosas carninhas pra assar. Risca o fósforo, 1 2 3.. Valendo!

E essa hora de acender a churraca é especialmente peculiar. Cada churrasqueiro tem uma técnica milenar. Algumas interessantes, outras bizarras. Vou comentar aqui algumas, que já vi pessoalmente:
  1. O famoso túnel de jornal: Funciona assim: o camarada pega uma garrafa de cerveja, faz um rolinho com o jornal, enrola na garrafa. Depois tira a garrafa, e coloca aquele negócio na churraca. Joga uma golada de álcool, e despeja o carvão em volta, deixando o meio oco. A técnica é interessante porque utiliza bem a passagem do ar no túnel, mas tem seus pontos fracos. O primeiro é que dá trabalho enrolar a parada, apoiar os carvões e o escambau. O segundo é que usa papel. Acho uma grande bobagem acender o fogo com jornal. Pensa comigo: a fumaça é expelida pra cima, certo? Aí, o caderno de TV queima os resumos de novela, a ana maria braga e o louro josé de uma só vez, e vira uma espécie de fuligem, certo? E o que tem logo acima do fogo, geralmente é a sua carne, certo? E aí essa fuligem gruda na sua carne e você pode aproveitar pra ler as notícias encrustradas na sua picanha. Show!
  2. Uma certa vez, um animal que não me recordo quem era, usou uma técnica qualquer, e na hora de acender, jogou no carvão a bituca do cigarro que ele tava fumando. Não interessa a técnica, se você for porco assim, quem merece ser queimado é você, e não o churrasco. Não se esqueça de que a sua churrasqueira é um local pra fazer COMIDA, e não uma lata de lixo.
  3. A terceira técnica é bastante interessante, o rodapé de latinha. Funciona assim: você pega uma faca e destrói a latinha, de maneira que você consiga retirar apenas o fundinho dela. Aí você joga um pouco de óleo de cozinha no fundinho, acende e monta um predinho de carvão em cima. Olha, essa é uma técnica muito legal, porque o fogo do óleo é muito mais duradouro, vai pegar no carvão de qualquer jeito, mesmo que ele não esteja muito seco. O único probleminha é a perícia metalúrgica necessária à execução. Primeiro você tem que destroir a latinha com uma faca. O que pode, além da latinha, destruir o fio da sua faca. Se você fizer isso com a minha faca, perdeu a amizade, isso é um fato. O segundo problema é que, além de destruir a latinha e, eventualmente, o fio da sua faca, você ainda corre um sério risco de destruir a sua mão. Principalmente se foi você o folião que entornou aquela latinha. Mais ainda se você enxugou aquela latinha e mais algumas iguais a ela. Ou seja: com aquele alumínio fininho e a sua delicadeza de parafuso de trator, corre o risco de se cortar feio antes do churrasco começar, e passar o churras todo na base do band-aid. Mico na certa. Essa técnica é só pros bons. Se tu é tosco, esquece essa.
  4. O incinerador maluco: Essa é pra você descontar aquela raiva extra. Funciona assim: Joga todo o carvão que conseguir carregar dentro da churraca. Depois, empunhe o vidro de álcool (por favor, nada de álcool gel ou outras franguelices. Estou falando de álcool 96 graus, coisa de gente grande). Ok, encharque o carvão. Assim mesmo, sem critério, sem carinho e sem perdão. Agora é só encarnar o Nero e acender o fósforo. Recomendo tomar uma certa distância, pois essa costuma mandar Roma pelos ares. É a técnica preferida dos mais sem-noção, mas admitamos que funciona. Se o objetivo é pegar fogo, essa pega.
  5. A minha preferida: Pão velho. Eu sempre guardo pão velho aqui em casa. Tem uma gavetinha na fruteira onde eu vou guardando os restos de pão. Sempre que preciso acender a churraca, pego um tequinho, jogo um pouco de álcool, coloco no fundo da churraca, cubro com carvão e mando um fósforo, tomando o cuidado necessário pra acender o pão. Cabou-se. O pão demora um tempinho pra terminar de queimar, isso é o suficiente pra pegar no carvão. Além disso, o cheiro do pão queimando é bem mais legal do que jornal ou óleo, né?

Técnica muito utilizada pelos exércitos pretos em Omsk, no Aral e no sul da Dudinka.
Compreende segurar cartaz do bigodudo, jogar álcool sobre o próprio corpo,
acender o fósforo e pular na churrasqueira.

Eu acho que todas as técnicas são válidas, desde que respeitem um certo índice de limpeza. Não utilize jornal, querosene, gasolina, essas coisas. Não esqueça que a sua carne vai ficar muito perto desses ingredientes, e qualquer cheiro ou gosto adicional na carne é bobeira.

No final das contas, o que interessa mesmo é conseguir acender. Uma vez acendida a churraca, tá dado o start no seu churras e daí pra frente é só alegria.

E você? Qual a sua técnica milenar pra botar fogo na parada?


Churrasco de berinjela com queijo

Nas categorias
Começamos este post com um desafio de torrar os neurônios do mais intelectualmente privilegiado leitor desta espelunca: Você, letrado, vivido e ligeiro leitor, sabe me dizer se o correto é escrevermos Beringela ou Berinjela? Com G ou com J? Tenho certeza de que me dei mal em algum vestibular por conta disso aí. Na verdade, me dei mais nos vestibulares mundo afora por outros N motivos, mas pode colocar uma parte da minha derrocada acadêmica na conta da beringela. Ou da berinjela, você decide.

Você não: o goooogle. Vamos perguntar a ele, porque nessas horas, Deus sabe de tudo.

A beringela (em Portugal) ou berinjela (no Brasil) é o fruto da planta Solanum melongena, uma solanaceae arbustiva, anual, originária da Índia, considerada de fácil cultivo nos trópicos, e que pertence à mesma família do pimentão que em Portugal é chamado de pimento, da batata e do tomate. É sensível ao frio, a geadas e ao excesso de chuva na altura da floração. A época de plantio, no hemisfério norte, é de Setembro a Fevereiro e, em regiões de clima quente, o ano todo.

Tá aí Deus que não nos deixa mentir. Perguntei a ele, Deus me disse que eu estava com sorte e eu cliquei. Deus abriu uma nova aba, e lá a Wikipedia resolveu a questão. Agora não temos mais problemas, e podemos chamar a saborosa acompanhante deste post simplesmente de berinjela.

Daí que churrasco de berinjela é coisa de vegetariano, né? É. E olha, nesse blog aqui a gente não tem viadagem com vegetariano não. Pensa comigo:
  • Se você for convidado pra um churrasco, só você e o vegetariano, proporcionalmente, ele vai comer todo o tabule, e você vai comer toda a carne. Tem relação custo-benefício melhor que essa?
  • Se você convidar um vegetariano pra um churrasco, vai poder tocar um foda-se no cardápio e preparar a carne que bem entender, do jeito que bem entender. Afinal, ele só vai comer o tabule mesmo.
  • Se o vegetariano for uma pessoa merecedora do seu carinho, você pode preparar a receita da abobrinha, que já foi escrita por aqui. Além de agradar o cara, vai agradar a si próprio, porque essa abobrinha aí é boa mesmo.
  • Ou, pode libertar o seu coração de todo o ódio e rancor, sair do lado negro da força e preparar a tal berinjela, da qual falamos tanto e necas de receita. Mas esse blog é assim, a gente enrola pra caramba e depois mete a receita num parágrafo só. Vai vendo.
Falando sério, não tenho o menor problema com vegetarianos. Já tive vários deles nos meus churrascos, já teve vegetariano que leu esse blog e comentou comigo que gostou, e até admito que faz falta mesmo uma verdurinha num churrasco. Se o cara vai num churras e não quer comer carne, respeite e dê a ele todo o broto de bambu, toda acelga e brócolis que conseguir encontrar e encha a sua cara (a sua, não a dele) de carne, afogando-se em proteína enquanto nosso amigo se mantém saudável, protege os animais do terrível açougueiro do inferno e ainda dá uma força pra camada de ozônio.

Legal, onde eu queria chegar mesmo? Ah, na receita. Vambora que a enrolação aqui já tá passando do limite.

Essa é uma receita que dá um certo trabalho, então não recomendo fazê-la num churrasco muito populoso, sob o risco de ficar apenas cuidando das berinjelas e queimar a carne. Portanto, esta receita compreende a preparação de apenas UMA berinjela grande.

O primeiro passo é cortar a berinjela em rodelas, da espessura de uma salsicha. Estou acreditando que todo mundo aqui sabe a espessura de uma salsicha, ok? Legal.

Importante: não descasque a berinjela. Sério, não faça isso. Descascar a berinjela, além de causar espinha e pelos na mão, estraga a sua receita. Portanto, limpe essa sua mente fétida, guarde a playboy da priscila do BBB e volte pra cozinha. E vê se lava a mão.

Uma vez fatiada a berinjela, jogue todo mundo num pote grande. Pode ser o pote da batedeira, mesmo. O próximo passo é uma golada generosa de azeite. Como já disse mil vezes, larga mão de ser muquirana e compra um azeite decente. A qualidade dos ingredientes que você põe na sua receita está diretamente relacionada à quantidade de elogios que você vai receber depois.

Picote, bem pequeninho, uns 3 dentes de alho. Sem preguiça, descasca o alho, deita na tábua, prepara a faca e manda o kill bill no alho.

Já tem azeite, tem alho, agora você pode mandar umas 2 colheradas de orégano. Já falei que azeite e orégano são o Romário e Bebeto da culinária. Praticamente o pedro e bino do churrasco. Tudo o que você colocar azeite e orégano fica bom.

Dê uma bela borrifada de mostarda preta lá dentro. A mostarda preta é especialmente bacana quando se fala de grelhados. A mostarda queima por fora e protege a carne (no nosso caso, berinjela), fica muito show.

Feito isso, jogue um punhado de sal. Com muita parcimônia. Não seja o monstro da salina maldita, jogue o suficiente pra ficar bacana, e cuidado com a pressão.

Picote um tomate em cubinhos e jogue lá dentro. Um tomate legal pra se usar nessa receita é o tal "tomate cereja", carinhosamente apelidado de tomate-cerveja. Nesse caso, basta cortá-lo ao meio e ele tá no jeito pra se juntar com a berinjela. Tenha em mente que cada fatia de berinjela vai precisar de um tomate lá em cima. Portanto, cuidado pra não sobrar tomate, nem faltar. Faça a conta, rapaz. Jogue o tomate pra dentro do pote.

Na real, você já pode misturar tudo e considerar a parte da cozinha finalizada. Eu, particularmente, gosto de adicionar ainda umas 2 ou 3 pimentas biquinhas, que é a pimenta mais querida do Brasil, tanto no pessoal quanto no profissional. Ou seja: essa é a hora de você dar aquele toque especial na sua receita.

Agora vamos pra brasa. Nós e a berinjela. Tenha em mãos uma bandeja de queijo mussarela fatiada, ok?

Agora deite algumas berinjelas na grelha, e abra uma cerveja. Na verdade, eu acho que depois de todo aquele trabalho na cozinha, você já abriu a cerveja. No caso, abra outra.

O fogo vai queimar a parte de baixo da berinjela. Quando começar a ficar preto, você vira. Dá dois goles de breja e bora pra fase final.

Dobre uma fatia de queijo em 4 partes. Coloque em cima da berinjela. Depois, coloque um pedacinho de tomate em cima do queijo.

Deixe lá na grelha até o queijo derreter. Tá pronto, você pode tirar e servir.

Apesar da aparência emboiolada, fica uma delícia. Recomendo.

Custo: ah, preço de berinjela. Vamos dizer que uma berinjela, tomate-cerveja e queijo custaram menos de 10 cruzeiros. Tá bom, né?
Tempo de preparo: 2 brejas na cozinha, e mais umas 3 na churraca. Sirva feliz.
Rendimento: Uma berinjela dá umas 7 ou 8 rodelas.


Blog Widget by LinkWithin